Seguir o blog

sábado, 13 de outubro de 2012

CAMINHANDO, POR PAULO BENITES

Pois é: e o mundo não se acabou, como previa o charlatão cearense alocado na capital do Piauí...
Ontem, feriado nacional à Nossa Senhora de Aparecida, houve quem me perguntasse se no vasto repertório do rei do baião, Luiz Gonzaga, havia músicas em referência a Deus e a coisas divinas.
Sim, toda a obra de Gonzaga é recheada de referências católicas, cristãs, humanas.
Ele chegou até a gravar um LP de 12’ intitulado O Sanfoneiro do Povo de Deus, em 1968; mesmo ano em que gravou a guarânia Pra Não Dizer Que Não Falei de Flores, de Geraldo Vandré.
Naquele LP - o 19º de sua carreira - foram incluídas Ave Maria Sertaneja (Júlio Ricardo/O. de Oliveira), Rainha do Mundo (Ary Monteiro/Júlio Ricardo) e Padroeira do Brasil (dele, Gonzaga/Raimundo Granjeiro), entre outras a ver com o tema religioso. Esse disco foi reprocessado digitalmente e relançado em 1982. Clique:
http://www.youtube.com/watch?v=01eAASgoI14
Duas semanas depois de proibida pelo governo militar de 68, Pra Não Dizer Que Não Falei de Flores continuava sendo assobiada e cantada nos botecos dos rincões daquele tempo de triste lembrança.
Naquele mesmo ano, essa guarânia começava a correr mundo.
Na Itália, por exemplo, o cantor e compositor romântico Sergio Endrigo, depois de ganhar o festival de Sanremo através de Roberto Carlos, que interpretou a bela Canzone Per te, a gravou sob o título Caminando e Cantando. Ouça, clicando:
http://www.youtube.com/watch?v=DcKV5v9fWf4&feature=related
São dezenas e dezenas de gravações de Pra Não Dizer Que Não Falei de Flores espalhadas pelo País; e muitas, muitas, noutras línguas: espanhol, inglês...
É uma música que continua na memória popular.
O paulistano Paulo Benites, engenheiro e empresário dos mais respeitados, pianista nas poucas horas vagas que dispõe, é um dos inúmeros cultuadores da obra vandregiliana. Clique:
http://www.youtube.com/watch?v=tLSHEKpf74o
E clique também para ouvir/ver os Benites - Paulo e André - interpretando Disparada nas imagens colhidas pela menina Sofia Lisboa.
http://www.youtube.com/watch?v=9R9qynVOGno
Quer saber mais um pouco sobre Geraldo Vandré? Então, clique:
http://www.jornalistasecia.com.br/edicoes/culturapopular02.pdf

LUIZ GONZAGA
O engenheiro do Metrô paulistano Nestor Tupinambá, pergunta via email se nas lojas de discos é possível achar Pra Não Dizer Que Não Falei de Flores na voz do Rei do Baião.
Acho que não, Nestor.
Por uma razão: a indiferença e a insensibilidade dos herdeiros do acervo da extinta RCA Victor não têm permitido isso. E a história é: os gringos compraram as gravadoras nacionais para esconder o nosso rico acervo musical e nos enfiar goela abaixo o lixo que eles produzem.

DE MESTRE BISMAEL, via email:
Eu conheço a canção Pra Não Dizer Que Não Falei de Flores, mas não sabia que o nosso Gonzagão a havia gravado.
E gostei do baião de sua autoria, com o Oswaldinho: é brejeira e bem nordestina.
Receba um abraço.

FANTÁSTICO
Amanhã, no programa Fantástico, da TV Globo, tem mais Luiz Gonzaga. Será a última parte do minidocumentário sobre o Rei do Baião, personagem do filme Gonzaga - De Pai Pra Filho, que entrará em cartaz em todo o País no próoximo dia 26. Agendem-se.

Um comentário:

Versos diversos disse...

Arrepare povo meu, numa noite de São João,
arrepare lá pra riba veja só quanto balão,
são as notas musicais, que não esquecemos mais,
na voz do nosso Gonzagão.

Oia pra riba meu povo,
veja o ceu estrelado, Ouça o rasgar de um fole, num verso bem musicado,
chapeu de couro pendido, amostrado e colorido, pelo nosso Lua usado.

Oia pra riba meu povo,
Asa branca vem descendo, no bico trazendo o mote do nordeste florescendo,
recontando a historia, embelezando a memoria, da vida em verde vivendo.
Arrepara lá pra riba,
Gonzagão está cantando, com sua voz imponente, o seu versar declamando,
fazendo nova canção tocando no coração, de quem aqui ficou chorando

POSTAGENS MAIS VISTAS