Seguir o blog

quinta-feira, 14 de março de 2013

DISCUSSÃO E CULTURA: ACORDA, GENTE!

O binômio educação/cultura anda como não deve: separado. A cultura virou um simples negócio de entretenimento. Pior: um meganegócio de entretenimento. Quem não se enquadrar à ditadura dos departamentos de marketing estará automaticamente fora do processo de apoio oficial a projetos culturais.
Estes são alguns dos pensamentos e opiniões da atriz Esther Góes, agitadora cultural incansável e coordenadora do Fórum de Cultura e Educação que será instalado de modo permanente no próximo dia 21, às 9h30, no auditório do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, à rua Rego Freitas, 530, s/l.
Formarão a mesa de abertura para esclarecimentos e discussões do fórum “Em Que Deve se Fundamentar um Verdadeiro Projeto Cultural Para as Pequenas e Médias Produções no Município, no Estado e no País?” o deputado relator do Procultura Pedro Eugênio, que falará a respeito do substitutivo do projeto de lei 1139, a ser aprovado a qualquer momento pelo Congresso Nacional; a deputada federal por São Paulo e ex-prefeita da capital paulista Luiza Erundina; a atriz, diretora e produtora cultural Denise Weinberg; e a educadora e diretora de programas especiais do município de São Paulo Ana Cecília Simões, além de Esther Góes, que coordenará as atividades da mesa.
Cecília falará sobre os Centros de Educação Unificados, CEUs, espalhados pela cidade.
Esther diz que é grave a “questão cultura” no País, pois, a rigor, o governo não está cumprindo a tarefa que é sua, de educar as pessoas e valorizar as artes. Segundo ela, “é danosa a interferência dos departamentos de marketing na escolha de projetos culturais, especialmente os projetos de teatro e música” no nosso País.
Ainda segundo a atriz, “vivemos um momento grave de exclusão cultural; pois a arte, a verdadeira arte, está sem incentivo e sem mercado no Brasil”.
E ela e eu nos perguntamos: até quando essa situação perdurará, hein?
O Fórum de Cultura e Educação é formado por atores, músicos, arte-educadores e produtores de pequeno porte, especialmente, “mas todos aqueles que tiverem interesse por educação, arte e cultura estão desde já convidados para acompanhar e participar das nossas discussões”, diz Esther, lembrando que o fórum pretende encontrar mecanismos de mudança para todos, valorizando a educação e a cultura do Brasil.
Esther Góes lamenta que os artistas - e pequenos produtores - ainda estejam alheios à falta de uma pauta oficial em pró da cultura e do problema que isso acarreta, consequentemente.
“Uma nova lei de incentivo cultural está para ser aprovada a qualquer momento e ninguém a discute como deveria. E a saída, sabemos, é o berro, é o grito, a denúncia. Se ficarmos calados, a situação só tende a piorar”, diz.
É isso, concordo em gênero e grau com Esther. 
No mais e lembrando o dito popular: quem fica parado é poste... até que uma porrada o tire do lugar. 
Na foto acima, da esquerda para direita: Muna Zeyn, Socorro Lira, Esther Góes, Carlos Meceni, Valéria Di Pietro, Ariel Borghi e Andrea Lago.

CONCURSO/REVISTA BRAVO 
Clique:

Nenhum comentário:

POSTAGENS MAIS VISTAS