Seguir o blog

sábado, 23 de julho de 2016

PARA AQUELES QUE JUNTAM OS PEDAÇOS DO BRASIL. PARA FORMAR O PAÍS

As obviedades estão longe ou perto da gente?
Dia desse, há uns dois meses, o telefone tocou me chamando para participar do I Encontro Internacional de Discotecas, no Centro Cultural São Paulo.
Antes de aceitar, eu disse que o Brasil e os brasileiros, nós, sobrevivemos por insistência de sermos o que somos.
Meu Deus do céu, quando é que os dirigentes da empresa Brasil, o meu Brasil, de tantos brasileiros inteiros e íntegros, sobreviveremos ao não?
Não pra isso, não pra aquilo, não pra tudo. Mas, claro, se quisermos aprenderemos com o não. O não é sim, sempre que o questionemos.
Sexta, ontem, foi um dia maravilhoso.
Eu fui falar no Centro Cultural São Paulo, sobre Brasil e brasilidade; sobre literatura, música...








Cenas do I Encontro Internacional de Discotecas

Reencontrei muita gente, como Laís Barg, Alcides Campos... E conheci pessoas que me fizeram muito bem pela fala exposta no correr do evento, como a gaúcha Rosane Fontana de Camargo, que falou da importância da sua terra, sem esquecer o grande poeta Mário Quintana.
Eu conheço a Casa do Quintana, muito bonita e importante como celeiro do saber.
Do Rio Grande do Sul para São Paulo, a distância é curta.
A bibliotecária Monica Aranha, depois de falar de todas as dificuldades que encontra para manter vivo o sonho da preservação da história do nosso país, continuamos todos nós com o mesmo problema que ela enfrenta lá em Tatuí.
O I Encontro Internacional de Discotecas serviu para mostrar a deficiência do Estado no que diz respeito à manutenção da sua história.
Há dinheiro para tudo e muito mais, menos para a manutenção da história que faz o Brasil.
Até quando?



Veja a mesa 4 do I Encontro Internacional de Discotecas. A participação de Assis começa a partir de 1:01.




Nenhum comentário:

POSTAGENS MAIS VISTAS