Seguir o blog

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

SILVIO SANTOS VEM AÍ: VIVA A CULTURA POPULAR

Várias pessoas que se movimentam ao meu redor demonstraram surpresa e espanto em torno do projeto Espalha Brasa, a que fiz referência em texto anterior a este. Igualmente surpresas e espantadas ficaram, muitas delas, quando fiz referência ao filósofo cibernético Sílvio Santos. Eu disse que ele tem tudo a ver com cultura popular.
O projeto Espalha Brasa é um projeto de ideais culturais que envolve artistas de rua e outros mais, incluindo cordelistas e cantadores de viola. Esse projeto existe há cerca de dois anos segundo sua idealizadora Telma Queiroz. O animador paraibano Zé Geraldo está na parada.
Fiz-me explicar?
Pois bem, o Espalha Brasa está com fogo e muita prosa. Outro dia mesmo, muitos dos artistas que integram o projeto apareceram pimpões na telinha da Plim Plim, depois de uma apresentação gloriosa em estações do metrô paulistano. No total, só de sanfoneiros, tinha uns 30 ou 40, incluindo o Joca, tio do Oswaldinho do Acordeon e o paulista Chambinho, que, no cinema, interpretou o Rei do Baião.
Nesse filme, Luiz Gonzaga De Pai prá Filho, participei como consultor musical.
Quanto às palavras que dirigi a Sílvio Santos, acrescento a quem passou batido no texto que aqui bloguei,
a televisão brasileira traz bobagens sem fim, repetitivas, óbvias e quase sempre de má qualidade. Principalmente aos sábados e domingos. Pois é, o último e primeiro dia da semana são dias de relaxamento, não é mesmo? Faustão, Gugu, Ratinho, Eliana, Angélica, Huck e um tal de Faro. Juntando essa raça toda, não dá um quadro em Sílvio Santos. E olhem que nem estou falando de outras figurinhas de fins de tarde e noites comuns na telinha tupiniquim.
Sílvio Santos, que aparece na tevê desde 1962, serve prá relaxar comn as suas brincadeiras espontâneas. Ele é simples, como a alma popular. É um tipo parecido com Chacrinha. Lembram-se do Chacrinha?
Sílvio continua fazendo suas graças...
Chacrinha, pseudônimo do pernambucano Abelardo Barbosa, começou no rádio, como Sílvio.
Chacrinha foi-se embora aos 71 anos de idade sem deixar seguidores. Era popular, mas até agora não surgiu ninguém com seu espírito natural, criativo e genial. Eu digo isso até porque o conheci e o entrevistei. Aliás, no dia 30 de Setembro de 2017 ele faria 100 anos de idade. Detalhe: atualmente, no Brasil, há cerca de 7.000 cidadãos e cidadãs com cem anos ou mais, segundo os últimos números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE. Sílvio conta atualmente com 86 anos de vida e continua no palco.
Cultura popular é espontaneidade, simplicidade e criatividade. Sílvio Santos tem isso.
E que diacho tem a ver Sílvio, Chacrinha e o projeto Espalha Brasa? Não entenderam, eu já disse: espontaneidade, simplicidade e criatividade.
Os domingos brasileiros deveriam ser mais espontâneos na televisão. Ah! No Museu de Imagem e do Som, há uma belíssima exposição ou ocupação como se diz hoje, retratando a trajetória do homem do Baú:
Sílvio Santos Vem Aí, que recomendo a gregos e baianos...



 ESPALHA BRASA

São muitos os artistas que integram o projeto cultural Espalha Brasa. No último dia 13, o projeto levou artistas para apresentações em estações do Metrô paulistano. Nesse dia, as mentes sensíveis à cultura popular comemoraram o dia de nascimento de Luiz Gonzaga, o rei do baião. Cliquem:


Um comentário:

Andrea Gatto disse...

Silvio Santos poderia agendar um espalha brasa em seu programa. Márcia

POSTAGENS MAIS VISTAS