Seguir o blog

segunda-feira, 15 de abril de 2013

TEM SOPRANOS NA MÚSICA POPULAR

A nossa música popular, chamada de MPB desde o começo dos anos 1960, está há muito recheada de cantoras líricas interpretando sambas, valsas, modinhas e modas de viola entre outros gêneros e ritmos, a exemplo da paulistana Inezita Barroso que no começo da carreira chegou a estudar canto com a musicista Mary Buarque, no melhor dos sentidos um assombro na sua época.
O timbre vocal de Inezita é mezzo-soprano, como de mezzo-soprano é o timbre da macaense Ângela Maria e era o da gaúcha Elis Regina.
E tão importante quanto Inezita e Ângela foram Elis e Dalva de Oliveira, que passava do contralto ao soprano com a maior facilidade do mundo.
A sua voz ganhava altura e beleza inimagináveis.
E o que dizer da pianista e também soprano Cristina Maristany, que veio de Portugal para o Brasil com menos de um ano de idade e se transformou numa das artistas mais aplaudidas nos teatros do Rio de Janeiro entre os anos 30 e 50, e deixou como legado um punhado de discos de 78 rpm?
As canções Prenda Minha e Casinha Pequenina, de domínio público, e a modinha Quem Sabe?, de Carlos Gomes e Bittencourt Sampaio, na sua voz ficaram definitivas.
Cristina estreou em disco gravando para a Odeon Saudade Sombria, canção de Bento Mossurunga e Silveira Neto, e Solidão, valsa de Eduardo Souto e Osvaldo Santiago, no final de 1929.   
Depois de Inezita, Ângela, Elis, Dalva e Cristina, muitas outras cantoras de formação erudita continuaram - e continuam - passeando com desenvoltura pela música popular, como a santista Tulipa Ruiz, a paulista da capital Mônica Salmaso, a caxiense Daniela de Carli, a carioca Marisa Monte, a baiana Virgínia Rodrigues e as mineiras Maria Lúcia Godoy e Fernanda de Paula, entre outras de alcance vocal surpreendente.
Fernanda estudou Psicologia na Universidade Federal de Minas Gerais, mas preferiu seguir a carreira de cantora depois de se preparar estudando canto lírico no Palácio das Artes, entre 1997 e 2001.
E como Inezita e Cristina, Fernanda também estudou piano.
Integrando o Coral BDMG (Bando de Desenvolvimento de Minas Gerais), ela se apresentou na Itália, Portugal, Alemanha, Suíça, Inglaterra, França e Argentina, em 1998.
Depois disso Fernanda, dona de uma das vozes mais bonitas do Brasil, criou o Grupo Sagarana e passou a correr o Brasil até se juntar a outro grupo, Camiranga, com o qual já gravou dois discos: Madeira de Lei e Da Afonso Pena à Paulista, que está chegando ao mercado.
No próximo dia 24, às 19h30, ela estará ao lado de vários artistas participando de um sarau no Congresso Mega Brasil de Comunicação, no Centro de Convenções Rebouças. 

2 comentários:

Fernanda de Paula disse...

Assis! É isso aí, a música popular é bastante visitada por cantoras de formação lírica. Tive o privilégio de estudar com grandes feras. Mas o chamado da música brasileira, dos ritmos como o samba, o maracatu, o baião,e outros ritmos brasileiros foi mais forte, veio por influência da família. E dou graças por ter fincado pé nessa vertente tão rica, da qual sou completamente devota até hoje - a canção brasileira. Agradeço a gentileza de seus ouvidos afinados ao se referir assim à minha voz, esse contralto que aqui escreve. E no dia 24, a honra será minha por estar ao lado de gente com bagagem de peso no sarau do Congresso Mega Brasil de Comunicação. Nos vemos pessoalmente por lá, porque visitar você por aqui tem sido hábito desde que tomei conhecimento do blog. Grande abraço, e parabéns pelo trabalho importante que tem feito desde sempre! Fernanda.

Anônimo disse...

thanks for share........

POSTAGENS MAIS VISTAS