Seguir o blog

segunda-feira, 27 de junho de 2022

QUE NEM CANTOR DE TANGO...

O encantamento do cantor paraibano Roberto Luna já era previsto, segundo a viúva Magali Fernandes.
Roberto Luna com
o cartunista Fausto Bergocce
Magali conheceu Luna quando tinha 23 anos de idade e com ele viveu durante 44 anos. Foi uma relação de amor profunda, conta. "Separávamos, periodicamente. Ele saía, tinha suas relações com outras pessoas, mas sempre voltava. Nos amávamos como pessoas comuns. Nos entendíamos e nos desentendíamos, também. Normal", acrescenta.
Com a naturalidade de quem está de bem com a vida, Magali diz que tinha certeza de que ela e ele viveriam para sempre. Um cuidando do outro. E assim foi. Ela: "Só notei que ele havia partido quando a mão se desprendeu da minha".
Contou Magali a este Blog que Roberto Luna ficou bonito vestido como cantor de tango, de roupa preta. "E assim nos deixou, pondo ponto final a sua vida", acrescentou.
Roberto Luna e Magali Fernandes, ela de Curitiba, PR, tiveram duas filhas: Tatiane e Taciara.
Muitos amigos e fãs lamentaram o passamento de Luna.
O cantor e compositor piauiense Jorge Mello lembrou que "Roberto Luna foi um mestre do canto, uma inspiração para todos nós, um ícone. Sentiremos a sua falta".
Nessa mesma linha de pensamento expressou-se o poeta romancista José Nêumanne: "Foi meu conterrâneo e um dos grandes artistas da nossa música. A sua falta será sentida".
"Eu conheci Luna há uns três anos. Por aí. encantei-me com ele. Luna era uma pessoa muito querida, afetiva. O que aconteceu com ele, acontecerá com todos nós um dia", disse o cartunista paulista Fausto Bergocce.
O corpo do artista foi cuidadosamente preparado para o velório que ocorrerá hoje 27, entre às 11h e 15h. Depois será sepultado no cemitério de Vila Mariana, Av. Lacerda Franco, 2012, Cambuci, São Paulo.
 


domingo, 26 de junho de 2022

ADEUS, ROBERTO LUNA!

Vítima das sequelas deixadas pela COVID-19 morreu hoje 26, por volta dás 5 horas da manhã,
o cantor paraibano de Serraria, Roberto Luna.
Roberto Luna era o nome artístico de Valdemar Farias."Luna já havia tomado 3 doses da vacina contra o novo Coronavírus. Perdeu 16 kgs, 10 de massa muscular. Ficou muito debilitado e praticamente cego", contou o amigo Raimundo José que mora no mesmo prédio onde morava Luna.
Habitante da Capital paulista desde o começo dos anos 1950, Roberto primeiramente trocou a Paraíba pelo Rio de Janeiro. E começou como ator, fazendo um monte de coisas.
Gravou o primeiro disco em 1952.
Eu o o chamava de Voz de Pluma ou o Rei do Bolero. Ele achava graça.
Falávamos muito, ora por telefone ou pessoalmente. Veio muitas vezes a minha casa.
Numa dessas vindas, talvez a última, disse-me ter tido a alegria de encontrar cá em casa o artista Téo Azevedo e seus amigos José de Arimathéia, Ibys Maceioh, Carlos Sílvio, Tone Agreste e Rômulo Nóbrega (foto acima).
No dia 7 de abril de 2019, o radialista Carlos Sílvio levou Luna para uma entrevista no programa Paiaiá na Conectados. Nessa entrevista Luna fala da alegria de ter ajudado a divulgar a música popular brasileira. Mas hoje, segundo ele, os tempos são outros. Sílvio aproveitou, no programa, para ressaltar a voz do artista.
A voz de Roberto Luna era abaritonada, como a voz de Luiz Gonzaga. No programa Paiaiá na Conectados, Luna revela fatos pouco conhecidos da sua carreira. Falou da amizade que nutria por Nélson Gonçalves, Tim Maia, etc.
Confira, na íntegra, a entrevista com Carlos Sílvio: Paiaiá na Conectados com Roberto Luna
Roberto Luna morreu ao lado de sua mulher, Magali. "Ela cochilava e quando despertou, Luna havia partido", conta Raimundo José.
Raimundo José e Roberto Luna eram amigos desde os fins de 1950. 
No começo da noite de 22 de março de 2019 Roberto Luna estava na minha casa e aproveitamos para trocar um dedo de prosa. Foi tudo de improviso e fantástico! Confira:

JORGE MELLO COMEMORA 50 ANOS DE GRAVAÇÃO (2, FINAL)

Assis, com discos de Jorge Mello

Depois do primeiro compacto, com a sua voz, Jorge Mello entrou em estúdio para gravar o primeiro LP da carreira, Besta Fera. Esse LP teve boa repercussão, merecendo do então crítico J.R. Tinhorão (1928-2021) rasgados elogios, publicados na edição de 2 de dezembro de 1976, no Jornal do Brasil. Um trecho:
Menos comercial que Alceu Valença, não tão preocupado em alcançar uma forma erudita quanto ao Quinteto Violado, o piauiense de Piripiri, Jorge Mello, acaba de lançar em seu LP “Jorge Mello… Sou do Tempo do Baião que a Besta Fera não Comeu” (Crazy, CGE-121.018) uma das mais interessantes propostas de aproveitamento de sons nordestinos ao nível de uma cultura urbana interessada numa saída para a música popular brasileira mais sofisticada.

Tal como o pernambucano Marcus Vinicius, Jorge Mello demonstra em suas experiências musicais um seguro conhecimento teórico e uma preocupação muito grande na pesquisa de fórmulas próprias, como ele mesmo afirma, ao escrever referindo-se a seu trabalho: “Usando os valores populares, as formas poéticas do cordel e da cantoria, os modos e a instrumentação nordestina, não é um trabalho folclórico. É uma recriação da informação espontânea do povo. Minha música retrata um Nordeste mágico, trágico, rico, rústico e místico, e revela toda a informação moura/ibérica que está presente na nossa cultura, no fano e nos melismas do canto do aboio, por exemplo”.

De fato, passando da palavra aos exemplos concretos, Jorge Mello fecha o Lado A de seu disco com uma pequena peça em que pela primeira vez, a técnica do canto em aboio é usada em termo de música urbana com uma inteligência, um talento e uma propriedade que chegam a surpreender…
José Ramos Tinhorão publicou crítica elogiosa a Jorge Mello

Jorge Mello é cordelista, repentista, romancista e advogado especializado em Direitos Autorais.
Até aqui, Jorge teve os seguintes parceiros: Belchior, Vicente Barreto, Evaldo Gouveia, Cesar do Acordeon, Reginaldo Rossi, Graco, Clôdo Ferreira, Tom Zé, Carlos Pitta, Jairo Mozart, Gereba, Capenga, Pekin, Lumumba, Paulo Soledade, Yeda Estergilda, Ricardo Bezerra, Emanuel Carvalho, Nando Correia, Malcom Roberts e os poetas clássicos, pós morte, Olavo Bilac (1865-1918) e Mário de Andrade (1893-1945).


A sua discografia é a seguinte: 

1972 - FELICIDADE GERAL (Compacto Duplo, Poligran)
1976 - BESTA FERA (LP, Crazy/Copacabana)
1977 - JORGE MELLO, INTEGRAL (LP, WEA)
1977 - MARINHEIRO e SASSARUÊ (Compacto simples, WEA)
1979 - CORAÇÃO ROCHEDO (LP, Continental)
1980 - NASCENDO DE NOVO e É DIA, É NOITE A MINHA COR (Compacto Simples, Continental)
1981 - CONSTELAÇÕES e CORAÇÃO ROCHEDO (Compacto Simples, Continental)
1981 - DENGO DENGUE (LP, Continental)
1981 - DENGO DENGUE e Rosto Marcado interpretado por Gerson Conrad (Compacto Simples)
1984 - NA ASA DO AVIÃO e DESAFIO VARIG/CRUZEIRO (Compacto Simples, Terramarear)
1985 - NA ASA DO AVIÃO e FERROADA (Compacto Simples, Paraíso/Odeon)
1986 - UM TROVADOR ELETRÔNICO (LP, Paraíso/Continental)
1990 - UM TROVADOR ELETRÔNICO - Vol. 2 (LP, J.M.T.)
1997 - MAIS QUE DE REPENTE (CD, Brasidisc)
1999 - RIMA (CD, J. M. T. /Camerati)
2001 - CLARAMENTE (CD, CPC/UMES/ELDORADO)
2015 - CLARAMENTE, relançamento com capa nova (CD, JMT).

sábado, 25 de junho de 2022

JORGE MELLO COMEMORA 50 ANOS DE GRAVAÇÃO (1)

Assis Angelo e Jorge Mello, em 2013
As festas juninas são lembranças guardadas com carinho por muita gente boa, desde a infância. Não é diferente com o piauiense de Piripiri Jorge Mello:
“Todo ano era aquela maravilha, ensaio da quadrilha, ao som das mais lindas músicas para se dançar. E eu dançava todas. Fui vários de seus personagens: o noivo, o prefeito, o padre e tantos outros. E o resultado disso na minha obra como compositor e cantor é visível. Escrevi grandes canções como Que de Quadrilha (WEA, 1977) e muitas outras, que foram gravadas por intérpretes clássicos na área, como Zé Calixto, Robertinho do Acordeon e Anastácia. Sou muito feliz por guardar essas boas memórias”.
Jorge não tinha nem dez anos de idade quando o pai o “escalou” pra tocar sanfona à frente da bodega que tinha. A ideia era chamar a atenção dos fregueses e futuros fregueses. Deu certo.
Acima: Sônia Regina foi a
primeira cantora a
gravar Jorge Mello

Em 1968, Jorge Mello tinha 20 anos de idade e aos 22 teve gravada as duas primeiras músicas da sua longa carreira. Títulos: Garoto Lindo e Loucura de Você.
“Essas duas primeiras músicas que fiz foram gravadas pela cantora Sônia Regina”, informa num fio de saudade.
Além de compositor Jorge se firmaria no mercado musical como cantor, instrumentista e produtor. Um dos belos discos que produziu foi o LP Glória Rios, de 1981 (Continental).
Neste ano de 2022 Jorge tem muito o que comemorar, inclusive o fato de ter gravado sua voz pela primeira vez num disco. Foi em 1972. Título: Felicidade Geral.
“É uma grande alegria poder comemorar esse fato. É um Compacto Duplo (ao lado), contendo as canções: 1ª) FELICIDADE GERAL, que me deu o prêmio de melhor intérprete e Comunicação no 5º FESTIVAL UNIVERSITÁRIO da TV TUPY de 1972. Me apresentei no Festival e em muitos eventos e shows, com a Banda O GRÃO, grupo que depois foi trabalhar com o Tim Maia e que uns 6 anos depois foi rebatizada pelo Tim, como VITÓRIA RÉGIA. 2ª) VERA LÚCIDA. 3ª) SE FOR PRECISO VOCÊ CHORA, que fiz com Antonio José Brandão. Essa foi a primeira obra de Brandão gravada. E 4ª) GALOPE À BEIRA MAR. Esse disco teve arranjos meus e de Laércio Freitas, com acompanhamento da Banda O GRÃO”, conta Jorge.

sexta-feira, 24 de junho de 2022

JOGANDO CONVERSA FORA

Fausto Bergocce e Assis Angelo no IMB
Eu já disse e repito: receber amigos é uma coisa muito boa. 
Ontem 23 tive a alegria de abrir a porta, abrir um sorriso e apertar a mão para receber o amigo do peito Fausto Bergocce. 
Dois dias antes fiz isso com o colega jornalista Wilson Baroncelli, editor do Newsletter Jornalistas&Cia.
Baroncelli trouxe um negocinho para o bico e levou-me a um boteco na esquina. Até então, e desde que perdi a visão dos olhos, ninguém tinha feito isso comigo. E conversamos e conversamos à mesa do boteco. Senti-me importante.
Fausto é um menino às vésperas de completar setentinha. Ele fará isso, essa joia, em novembro próximo. E eu, em setembro.
Ando contando os dias dos 70 que ele e eu faremos neste ano da graça de 2022.
E conversamos e conversamos sobre tudo e mais um pouco. Claro que a política foi assunto forte. 
Falamos dos potenciais candidatos à presidência Lula e Bolsonaro.
Bolsonaro, uma besta quadrada, está com toda força que a máquina dá a quem se acha num cargo de presidente.
Lula, sem máquina, se acha acima de Deus e do mundo. Pena. É o que apontam as pesquisas de opinião.
Lula está se movimentando em saltos altíssimos. Como diz o povo: está se achando. Quando abre a boca, e Fausto concorda, diz um monte de asneiras. É a favor, por exemplo, do aborto. E tal e tal e tal.
Simone Tebet, ai, ai, ai, diz coisas repetidas o tempo todo. É candidata à cadeira de presidenta pelo conjunto de partidos identificado como União Brasil. De direita.
O União Brasil está se colocando como terceira via. Hmmm...
Há muitos partidos políticos doidos para ocupar a cadeira hoje ocupada pelo malandro Bolsonaro.
Bolsonaro representa tudo o que não presta na vida pública. Sabemos disso, mas pelo menos 25 milhões de loucos, tapados, imbecis, não veem o que um cego vê. Ai, ai, ai. Eu.
E Ciro Gomes, hein?
Ciro, paulista de Pindamonhangaba, que conheci na mesa de um bar ao lado do colega jornalista José Nêumanne, anda esquecido até pela Imprensa. Pena. Não entendo.
Ciro, que tem um currículo político invejável, é pouco lembrado. Mas é interessante ouvi-lo. Sua fala é boa, tem a ver com as necessidades que o povo pede e precisa.
As entrevistas do Ciro são claras e nelas ele diz do que o Brasil e brasileiros precisam.
Fausto e eu falamos e falamos e falamos. De artes, inclusive. De teatro. Lembramos da importância e sonhos da menina Anna da Hora. Anna concluiu há pouco a faculdade de Artes Visuais. Adora jornalismo, mas quer por na rua e na vida seu talento de atriz. "Anna é linda e não sei como é que ela aguenta figurinhas como você, Assis", disse Fausto molhando o beiço com um experimento de cana mineira. Aliás, pra dizer essa besteira, Fausto tinha que estar com o beiço molhado de caiana. Pois, pois.
Fausto, um dos mais importantes cartunistas do Brasil, ama desesperadamente o berço onde nasceu: Reginópolis, SP, que fica perto de Pirajuí, Novo Horizonte e Ibitinga.
O principal sonho de Fausto é doar a sua arte à cidade onde nasceu. E isso ele tem explicitado o tempo todo aos prefeitos. E eles nem, nem.
Pois é, Fausto é mais um brasileiro incompreendido pelos poderosos de plantão da terra em que nasceu.
Politizadíssimo, o artista do traço Fausto Bergocce conta que nunca deixou de votar. E ensina: "Votar, escolher nossos representantes, é importantíssimo. É importante votar em quem a gente acredita, a quem se apresenta com um projeto político para o povo".
Concordo, temos de votar em quem a gente acredita. No projeto que melhor atende às necessidades do povo.
É isso.

PARA LEMBRAR

Hoje é dia de São João.
Hoje também marca o dia da morte do cantor Ivon Curi. Ivon deixou uma obra magnífica, recheada de clássicos como Farinhada, de autoria do pernambucano Zé Dantas.
Hoje é dia de lembrar o nascimento do paulistano Vadico, que nasceu no mesmo ano em que veio ao mundo o poeta sambista Noel Rosa (1910-1937). Vadico foi o mais importante parceiro de Noel. É possível que sem Vadico, Noel não existisse.
Hoje também é o dia do nascimento do paulista de Guaratinguetá Gastão Formenti (1895-1974), um dos mais importantes cantores da nossa música popular. Morreu no Rio.

POSTAGENS MAIS VISTAS