Seguir o blog

sábado, 2 de agosto de 2014

O LUA E AS FASES DA LUA

Numa foto de 1978, em São Paulo, eu e o rei do baião Luiz Gonzaga
A lua no céu era Nova naquela manhã de 2 de agosto de 1989, uma quarta-feira.
Hoje, 25 anos depois, no céu a lua aparece na sua fase de Quarto Crescente.  
Para os gregos antigos, a deusa da Lua Nova atendia por Hécate e da Quarto Crescente, Ártemis.
Na Mesopotâmia, a Lua era uma deusa chamada Sin.
Na China, Kwan-Yin.
No mundo árabe, a Lua é a representação de Alá.
Os israelenses alinhavam a Lua ao povo nômade.
Jaci ou Cairê é como os nossos índios denominam a Lua, independentemente das suas fases, como a Cheia, que na velha Grécia era chamada de Selene, uma deusa, claro.
Para muitos, desde tempos imemoriais, a Lua sempre representou mitos, segredos e mistérios da vida – e da morte.
E por isso e muito mais a Lua sempre foi reverenciada e adorada pelos antigos, até como uma espécie de deus andrógino, como na Índia onde a Lua na sua fase crescente é Shiva.
No campo da cultura popular musical, os nordestinos brasileiros têm também uma espécie de deus baseado no satélite natural da Terra que tanta curiosidade e crença desperta: Luiz Gonzaga, chamado de Lua desde 1944, primeiro pelo carioca Horondino José da Silva, o Dino 7 Cordas (1918-2008), e depois por todo mundo graças à divulgação do ator e radialista Paulo Gracindo nos microfones da Rádio Nacional.
O Lua brasileiro morreu numa Lua Nova,
Vinte e cinco anos depois, pela crença católica, Gonzaga renasce na Lua Crescente, que é como a Lua aparece hoje no céu.
Aliás, dizem que é na Lua Crescente que se deve casar ou mudar, por ser para isso a melhor de suas fases.
Eu, que nasci numa Lua Crescente (27 de setembro de 1952, um sábado), casei noutra fase e dancei.
Pois é, viva o Lua!
E para lembra-lo, clique:


Um comentário:

Anônimo disse...

E as estrelas? A partir de 31/07/14, observaremos mais uma a brilhar no firmamento. Partiu Zé Menezes, aos 92 anos, o grande violonista. A exemplo de Manezinho Araújo, pouco foi divulgado. Será que a Globo fará alguma homenagem, já que o mesmo foi Diretor Musical da Emissora, autor de várias vinhetas, tais como: os Trapalhões, Viva o Gordo
e Chico City.

Muita paz, mestre.

Aloisio Alves

POSTAGENS MAIS VISTAS