Seguir o blog

domingo, 24 de agosto de 2014

CULTURA POPULAR E POLÍTICOS

https://www.youtube.com/watch?v=5AoY8wZHIE4
Começou ontem, às 22 horas, o primeiro encontro – debate? - de candidatos ao governo do Estado de São Paulo promovido pela TV Bandeirantes e mediado por Boris Casoy.
O encontro reuniu Paulo Skaf (PMDB), Alexandre Padilha (PT), Gilberto Natalini (PV),  Gilberto Maringoni (PSOL), Laercio Benko (PHS) e Walter Ciglioni (PRTB).
Internado num hospital da Capital paulista com problemas intestinais, o candidato à reeleilçao, Geraldo Alkmim (PSDB), não participou do encontro e acabou virando vidraça.
Foi morno o encontro que terminou pouco depois da meia-noite.
Chamou-me a atenção o fato de em nenhum momento – da refrega? - os senhores aspirantes à governança paulista fizeram alusão à cultura popular.
Mas eles não sabem o que é isso, não é mesmo?
Falaram alguma coisa sobre educação, embora assassinando a língua.
O Skaf, por exemplo, logo nos primeiros instantes do encontro tascou um “houveram” de arrepiar na trilha do cabeção FHC, que fez a mesma coisa numa ocasião de sabedoria e inspiração em que defendia a discriminalização da maconha.
Lembro-me que na primeira campanha ao governo de São Paulo, num debate intermediado por Carlos Nascimento, na TV Globo, Alkmim abriu a roda falando de cultura popular e prometendo mundos e fundos.
O fato, porém, é que ele falou e pouco fez.
A cultura popular, senhores, é a digital de um povo.Aliás, no seu discurso de posse http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-o-planalto/discursos/discursos-da-presidenta/discurso-da-presidenta-da-republica-dilma-rousseff-durante-compromisso-constitucional-perante-o-congresso-nacional, a Dilma usou essa frase com a variante “alma” no lugar de digital.
Eu esperava mais.
_______________________________________________________________________________________________________
O calendário de comemorações de aniversário de fundação da cidade de São Paulo ainda não havia terminado quando Getúlio Vargas enlutou o País ao espatifar o seu coração com um tiro à queima-roupa. Era uma terça o 24 de agosto daquele fatídico ano de 1954. Os fatos que levariam ao suicídio do presidente alcançaram maior gravidade com a tentativa de assassinato do jornalista Carlos Lacerda duas semanas e cinco dias antes na Rua Tonelero, Rio. No seu lugar tombou mortalmente ferido a bala o seu guarda-costas, Rubens Vaz.
Getúlio é o presidente mais cantado da música popular brasileira.
Fica o registro.

Nenhum comentário:

POSTAGENS MAIS VISTAS