Seguir o blog

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

DE LÂMPADA, FRIO E TRISTEZA

Há muitas formas de uma lâmpada se apagar. Quebrando-a, por exemplo. Mas a lâmpada também apaga-se sozinha. Assim como as pessoas, por exemplo. O inventor do avião, apagou-se pendurado numa corda. O escritor Ernest Hemingway (1899 – 1961) apagou-se com um tiro de winchester. O compositor Assis Valente, apagou-se se enchendo de formicida num banco de praça, no Rio de Janeiro.
Sim, há muitas formas de uma lâmpada se apagar.
Uma lâmpada ilumina um quarto, uma casa, uma rua, um bairro, uma cidade, um mundo.
Os faróis que orientam os navios são uma lâmpada.
Uma estrela no céu é uma lâmpada.
Uma lâmpada é uma ideia, uma lâmpada é vida, uma lâmpada é tudo. É o bater de um coração, também.
Uma lâmpada é alegria, é luz; o contrário é a escuridão, a tristeza, o caos, o fim do mundo.
Solidão também é o contrário de lâmpada.
Na extensa discografia da música popular brasileira o tema solidão é uma constante. Todos ou quase todos os grandes compositores abordaram e continuam a abordar o tema.
Dolores Duran (1930 - 1959), numa das madrugadas escuras da vida, sentada sozinha numa mesa de bar, escreveu num guardanapo versos sem nenhuma alegria, mas definitivos na sua procura por uma lâmpada, por uma luz, por um amigo, por uma companhia, desde que fosse verdadeira:
[...] Eu quero qualquer coisa verdadeira
Um amor, uma saudade, 
Uma lágrima, um amigo.
Ai, a solidão vai acabar comigo.
Além da carioca Dolores, e muitos outros poetas e letristas, o poeta pernambucano Carlos Pena Filho também escreveu uma pérola que evoca o tema:
Na avenida Guararapes,
o Recife vai marchando.
O bairro de Santo Antonio,
tanto se foi transformando
que, agora, às cinco da tarde,
mais se assemelha a um festim,
nas mesas do Bar Savoy,
o refrão tem sido assim:
São trinta copos de chopp,
são trinta homens sentados,
trezentos desejos presos,
trinta mil sonhos frustrados. [...]
O poeta paraibano Augusto dos Anjos (1884 - 1914), que gerou uma obra incrível reunida no seu único livro, Eu, publicado no início da segunda década do século passado de forma independente, traz fantasticamente triste soneto N’augusta solidão, que é assim:
N'augusta solidão dos cemitérios,
Resvalando nas sombras dos ciprestes,
Passam meus sonhos sepultados nestes
Brancos sepulcros, pálidos, funéreos.

São minhas crenças divinais, ardentes
- Alvos fantasmas pelos merencórios
Túmulos tristes, soturnais, silentes,
Hoje rolando nos umbrais marmóreos,

Quando da vida, no eternal soluço,
Eu choro e gemo e triste me debruço
Na laje fria dos meus sonhos pulcros,

Desliza então a lúgubre coorte.
E rompe a orquestra sepulcral da morte,
Quebrando a paz suprema dos sepulcros.
E para encerrar, a minha conclusão é a seguinte: a tristeza é filha da solidão, que por sua vez é irmã gêmea, siamesa, da depressão.
A depressão é uma lâmpada queimada.  
Você conhece As Mariposa, de Adoniran Barbosa? Hahahaha!

Nenhum comentário:

POSTAGENS MAIS VISTAS