Seguir o blog

sábado, 25 de março de 2017

FORO NEM PRÁ MORO, CHEGA DE FORO!

Nem Trump, nem Angela Merkel e nem um outro real poderoso no mundo desfruta dos privilégios de que muitos brasileiros desfrutam atualmente. São cerca de 45.000 deputados, senadores, governadores, promotores, juízes.  No bojo tem ainda, apaniguados e vices.
Esses seres se colocam, se acham acima de Deus e do mundo. E se acham acima de tudo porque desfrutam das vantagens contidas num tal "foro privilegiado".
O que é foro privilegiado?
Tecnicamente foro privilegiado é a benesse que se dá a agentes públicos prá se safarem de acusações que possam haver no desempenho legal de suas funções. Em miúdos: é um biombo atrás do qual tudo cabe. É um escândalo!
No Rio de Janeiro -escândalo dos escândalos-, até vereador ri na cara do povo por se beneficiar do foro.
Em nenhum país, dentre os 193 catalogados pela ONU, há aberração sequer parecida com essa. 


A Constituição brasileira de 1988 garante mundos e fundos a todos nós que nascemos por cá. É bonita mesmo. Logo no seu 5º Artigo, define e promete: 



Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
- homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos termos desta Constituição ...;


Ora, se somos iguais, por que há "tantos mais iguais" entre nós?
Prá levar a sério, o Art 5º da nossa Constituição deveria ser seguido à risca, não é mesmo?
A nossa Constituição em vigor é a 7ª da nossa história, ou 6ª da República. Em nenhuma delas, antes, era garantido a ninguém esse tal de foro privilegiado.
Qualquer brasileiro que cometa crimes, quaisquer crimes, deve ser responsabilizado e punido de acordo com o que reza a Lei.

Se Temer, o presidente em exercício pisa na bola, ou se pisou na bola antes, tem que pagar o pato, de acordo com a Lei, e isso a meu ver é válido prá todo mundo, inclusive para o Juiz Sérgio Moro.
Ou somos iguais ou não somos iguais. Ou nos locupletemos todos, como certa vez disse o antenado Stanislaw Ponte Preta.


Nenhum comentário:

POSTAGENS MAIS VISTAS