Seguir o blog

segunda-feira, 22 de maio de 2017

TCHAU, TEMER!









Encurralado.. Esta é a palavra que encontro para definir a péssima situação em que se acha o Brasil. É a velha história do dito popular: "se correr o bicho pega, se ficar o bicho come". Ou: "quem planta vento colhe tempestade". Ou ainda: "aqui se faz, aqui se paga". 
O Temer pode escolher um desses ditos para entender o ponto em que se acha. 
Renunciar a um amor, deve ser terrível. Mas quem renuncia a um amor, não pode renunciar. 
Eu mesmo tenho um grande amor. O meu amor é Brasil. Tudo o que faço, especialmente em torno da cultura ou das culturas populares, penso no meu País. Penso principalmente, em quem está chegando, os jovens. 
Aprendi com o mestre Câmara Cascudo (1894-1988) que é fundamental transmitir saberes. Aprendeu, que bom, passe para frente.
Ninguém nasce sabendo nada, mas todo mundo nasce podendo aprender.
Apostei no Lula, apostei na Dilma, apostei em tanta gente. No Lula, especialmente, até por ser oriundo de uma região que acho conhecer bem: o Nordeste. Sou de lá.
Será que o Temer aprendeu alguma coisa?
Michel Miguel Elias Temer Lulia nasceu numa cidade muito bonita, pequena e muito bonita: Tietê.
Tietê, cidade paulista, dista uns 150 Km da capital. Eu adoro Tietê. Eu estive lá várias vezes. E até homenageado pela prefeitura municipal eu fui. Até existe uma semana dedicada ao tieteense Capitão Furtado (1907-1979). O Capitão Furtado era sobrinho do grande Cornélio Pires (1884-1958). Pois bem, o Temer deveria ter aprendido cidadania pelos ilustres cidadãos que a sua terra gerou.
Renunciar em nome do povo, em nome do bem, não é pecado: é grandeza, é dignidade reconhecer os erros cometidos nos momentos de fraqueza.
Temer pecou. Pecou porque recebeu na calada da noite, um marginal de colarinho branco, rico, locupletado com o dinheiro público.
O primeiro presidente brasileiro a renunciar ao cargo foi o alagoano marechal Deodoro da Fonseca(1827-1892).
Depois de Deodoro, outros presidentes renunciaram ao cargo no Brasil: Jânio Quadros e Collor por exemplo.
Washington Luís renunciou na marra e o candidato que elegeu, Julio Prestes, nem chegou a assumir.
Depois de mortalmente golpear Prestes, os Julinho da canção popular, Getúlio Vargas foi posto prá correr.
Depois de enfiar um tiro no próprio peito, Getúlio deixou o Brasil numa enorme convulsão social, e num curtíssimo período de meses tiveram que deixar o cargo Café Filho, seu vice, Carlos Luz e Nereu Ramos, à época presidentes da Câmara e do Senado, respectivamente.
E a história se repete. Se repete?
Collor renunciou um dia antes do impeachment, em 1992.
A Dilma não teve, digamos, a ombridade de renunciar e findou dançando...
Se o Temer continuar insistindo em não renunciar vai ficar tocando violino sobre um teto de vidro, quer dizer, uma hora vai cair de qualquer jeito e se demorar, vai-se esborrachar no chão. E o Brasil sofrer mais. 
Estamos ou não estamos bem à beirinha do caos?
O que Temer fez é imperdoável.
Temer, vá ouvir os discos de Cornélio Pires!


BRINCANDO COM A HISTÓRIA (15)


 


Nenhum comentário:

POSTAGENS MAIS VISTAS