Seguir o blog

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

ADEUS, HÉLIO CHAGAS!

Hoje o dia chegou com a notícia, triste, da ida do técnico de estúdio Hélio Chagas para a eternidade.
Hélio ou Helinho, como o chamávamos, era uma pessoa incrível, profissionalmente competente e solidária.
Gostava imensamente do que fazia.
Trabalhamos juntos na Rádio Capital, eu no comando do programa São Paulo Capital Nordeste e ele na operação dos teclados e botões que definiam com vinhetas criativas e efeitos sonoros as palavras que eu imprimia ao microfone da rádio, diante dos artistas, políticos, poetas, jornalistas e outros profissionais que convidávamos para alegrar, sempre ao vivo, as noites brasileiras de sábados.
Helinho, que era acreano, deixa mulher e um filho.
Ele tinha uma legião de amigos e fãs (aí na foto, ele comigo e o sanfoneiro Mário Zan).
A notícia da sua viagem nos foi passada por Darlan Ferreira, que por sua vez recebeu do seu quase irmão, José Gomes, também um craque dos bastidores técnicos do rádio.
O rádio está de luto.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

SÃO PAULO É A CIDADE MAIS CANTADA DO MUNDO

Estamos na semana do 460º aniversário de fundação da maior cidade do Brasil e do hemisfério Sul: São Paulo, a 5ª maior megalópole do mundo, em território e população.
A capital paulista coleciona milhares me milhares de curiosidades.
Você sabia que em São Paulo há mais de 10 mil restaurantes, a maior parte deles com pratos custando o olho da cara?
E você sabia também que essa cidade supercontraditória é a mais cantada em verso e prosa do mundo todo?
Para ficar por dentro do tema acesse:
http://www.jornalistasecia.com.br/edicoes/culturapopular16.pdf

domingo, 12 de janeiro de 2014

HOJE É DIA DE FLÁVIO TINÉ

Eu sou paraibano de João Pessoa, também chamada de Capital das Acácias; ele é de Gravatá, a Terra do Morango e dos Turistas, no Agreste pernambucano. Comum entre nós, além de nordestinos, há a profissão de jornalista, da qual nos orgulhamos muito.
Eu sou mais novo, da safra de 1952, ano do acidente de carro na Dutra que levou deste para o outro mundo o rei da voz, Chico Alves.
Ele de 1937, dia 12 de janeiro.
Estou falando de Flávio Tiné.
Tiné nasceu sob o signo do Estado Novo implantado por Getúlio Vargas e que durou até 1945.
Já exercendo a profissão em 1964, Tiné não esperou o tempo piorar e trocou Recife por São Paulo onde, digamos, deu-se bem, pois escapou da ira dos perseguidores.
Conheci Tiné ali pelos fins dos anos de 1980, quando eu trabalhava na TV Globo e ele no Hospital das Clínicas, como assessor de imprensa.
Ele, sempre afável e discreto, ajudou a muitos coleguinhas; a mim, inclusive.
Além da profissão, a amizade nos une há muitos anos.
Tenho orgulho de ser seu amigo.
Viva Tiné!
Quer ouvi-lo?
Pois é, quando não está paparicando os netos, pega o violão e os males espanta.
Clique:
http://www.youtube.com/watch?v=0iDsRERx-y4

sábado, 11 de janeiro de 2014

ADEUS, MARLY!

O meio teatral paulistano está de luto: morreu a atriz, cantora e produtora e diretora Marly Marley ontem no final da noite, no Hospital São Camilo.
Marly era natural de Três Lagoas, MS, e chegou a São Paulo ainda mocinha.
Atuou em filmes nacionais e estrangeiros, e gravou muitas marchinhas de carnaval,
Eu a conheci ali pela metade dos anos de 1980, quando o amigo e conterrâneo Vital Farias me levou ao seu apartamento.
Marly era casada com o humorista Ary Toledo, com quem viveu durante 45 anos.
Marly era uma pessoa admirável, alegre e prestativa.
Naquele fim de tarde, junto com Ary, Marly nos abasteceu durante horas com uma caipirinha que jamais eu e Vital conseguimos fazer.
Ela deixa saudades.
Para lembrar Marly, clique:
http://www.youtube.com/watch?v=RdVQ_cQFy2U

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

BRASIL, IDENTIDADE PERDIDA

O Brasil parece, de fato, muito empenhado no propósito de por fim a sua identidade cultural, formada a duras penas num século e pouco, se tanto. Os instrumentos utilizados tem sido todos os que se acham à mão, incluindo os do ensino para a educação básica.
Persistente, vai conseguir.
Esse tresloucado processo começou faz tempo, com a invasão do seu território por diversos povos, entre os quais portugueses, franceses, holandeses etc.
Os norte-americanos chegaram aqui e não saíram mais, incutindo na mente e no coração do povo os seus hábitos e costumes – musicais, inclusive.
É mais do que sabido, aliás, que a Casa Branca dita modos a países pobres e emergentes, como o Brasil.
Lembremos 1964.
Quando seremos uma nação livre?
A propósito, clique
http://www.youtube.com/watch?v=aSrRD-nLgyE
Clique também:
http://www.youtube.com/watch?v=24d91uJiw18

domingo, 5 de janeiro de 2014

ENSAIO, 45 ANOS!

O mais longevo – e importante – programa da televisão brasileira, Ensaio, está completando 45 anos de existência, no ar sob a direção e comando do seu criador, o sergipano de Aracaju Fernando Faro (comigo aí na foto, numa prosa após a gravação de uma entrevista ao Móbile). O Ensaio começou em 1969, na TV Tupi.
Pelo programa passaram todos ou quase todos os grandes artistas da música popular brasileira desde a década de 1960.
Os 45 anos de Ensaio valem comemoração e pauta para todas as mídias.
Fernando Faro, nascido no dia 21 de junho de 1927, é também o criador de Móbile (assista ao vídeo, abaixo).
Móbile estreou na extinta TV Tupi cinco anos antes de Ensaio: em 1962.

 
INEZITA BARROSO
Acabo de receber da titular do programa Viola Minha Viola, da TV Cultura, o seu primeiro DVD: “Trajetória: Seis décadas de música brasileira com Inezita Barroso e o Regional do Tico-Tico”. Junto com ele, recebi também o livro “Inezita Barroso: A história de uma brasileira”, com “orelhas” assinadas por mim. O livro demorou sete anos para vir a público, pois o seu autor, Arley Pereira, faleceu durante o processo de elaboração da obra.

POR DENTRO DA MÍDIA
Ouça a entrevista com o produtor musical Fernando Jatobá, clicando: http://pordentrodamidia.com.br/cascudo-15/

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

ALEGRIA TOMA CONTA DO IBIRAPUERA


Aos poucos, a multidão foi ocupando ontem os espaços do parque do Ibirapuera para assistir números musicais anunciados previamente pela imprensa. Tudo gratuitamente. O motivo era a despedida do ano de 2013 e achegada de 2014.
Por volta das 22hs o grupo Demônios da Garoa ja dominava a cena, interpretando músicas tradicionais do seu repertorio.
A euforia foi crescendo à medida em que eram chamados ao palco artistas como Fabiana Cozza, Toninho Ferragutti e Luiz Airão para cantar com acompanhamento do grupo musical que eternizou as músicas de Adoniran Barbosa.
Cantaram-se, além de sambas, marchinhas de carnaval e baiões de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira como Assum Preto e Asa Branca, com o brilho da sanfona de Ferragutti (abaixo) e do vocal/instrumental dos Demonios.
Dominguinhos - e Anastácia - foi lembrado através do clássico popular Eu só quero um Xodó.
O ápice da programação foi alcançado quando o Demonios da Garoa cantou Trem das Onze e logo depois iniciou a contagem regressiva.
Um porém: muita gente ficou frustrada pela não queima de fogos tão esperada no Parque do Ibirapuera.
Foi uma festa de paz, com a presença de muitas crianças, acompanhadas de pais e avós.

video

POSTAGENS MAIS VISTAS