Seguir o blog

segunda-feira, 20 de julho de 2015

FRIGIDEIRA, LEITURA E CALANGO

Certo dia, o Diabo resolveu fundar uma igreja.
Essa história, do carioca Machado Assis, me fez lembrar, não sei por quê, o nordestino Luiz Lulalá.
Na história, o Capeta se diz insatisfeito com tudo e vai até Deus falar de um projeto de fundação de uma igreja. De uma igreja dele, do Capeta.
Não sei por quê, continuo lembrando do Lulalá.
A Igreja do Diabo, este um dos títulos da série de Contos Fantásticos do genial Machado, trata da mudança que o Capiroto quis fazer na vida nossa cotidiana, que tem como símbolos ou regras os ditames do bom caminho. De cara, ele, o Fela, resolveu mudar as virtudes que tanto honramos para valores totalmente condenáveis, como a gula, a injúria, a luxúria, a preguiça, a inveja, a ira, etc.
A ira, por exemplo, o Sete Peles, como cita o Bahiano Riachão na música “Vai morar com o Diabo”, foi o que levou Homero a escrever Iliade, em que se destaca o furor de Ulysses, obra-prima traduzida para o português pelo meu querido Houaiss.
E não sei por quê, continuo achando que a Igreja do Diabo tem a ver com o Lulalá.
O Diabo fundou sua igreja que não levou a nada, está no conto do Machado.
No comecinho dos anos de 1930, o assassino suicida Adolf Hitler investiu-se de salvador da pátria a partir de um movimento de trabalhadores na velha Alemanha.
Eu digo sempre: ler é fundamental, nossos autores são incríveis.
Quem ler mais, sabe mais. E o Lobato já dizia: “Um país se faz com homens e livros”. E no século XVI, o inglês Francis Bacon já dizia que a leitura torna o homem um ser completo.
Pensando assim e lembrando de fatos e gentes, chego à conclusão que os luminares da nossa judiada república estão numa peinha e merecidamente, pulando miudinho feito calango na frigideira.
Janelas se abrirão em dias próximos, para o bem do Brasil.

Nenhum comentário:

POSTAGENS MAIS VISTAS