Seguir o blog

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

UMA TARDE COM ALCY E VITOR




Hoje, no final da tarde, tive na memória lembrança de um amigo paraibano chamado Onaldo Queiroga. Onaldo é juiz, de profissão e direito; titular da 1ª Vara Cível de João Pessoa.
Lembrei-me de Onaldo por sua naturalidade, por sua beleza e conhecimento das coisas simples da vida. Nas horas vagas, Onaldo é o que é o tempo todo: cidadão.
Enquanto eu lembrava de Onaldo, o telefone tocava. Era Osvaldinho da Cuíca, mestre da vida e do samba paulistano. O cara que deu voz à cuíca; que reinventou o instrumento cuíca...
E os meus dias têm sido tão bonitos.
Todos os meus dias têm sido bonitos, pela compreensão que eu tenho tido do mundo que me acolhe e que me tem.
Os meus amigos jamais deixaram de ser meus amigos.
E foi não foi, recebo telefonemas do estrangeiro e do interior da Paraíba, do Ceará, do Piauí, Minas Gerais, do Brasil...
É bom demais viver!
Eu tenho por mim que sou a pessoa mais feliz do mundo. Eu tenho amigos!
Hoje eu tive vontade de comer um bacalhau, e não é que eu comi um bacalhau?! Trouxeram-me... E com vinho português!
E quando eu pensei que a tarde havia terminado, eis que me chegam dois queridos amigos. Vitor, que vem sempre à minha casa, e Alcy, que há muito eu não abraçava. Amigo querido, dos tempos de Folha e outras publicações. Alcy de Fortuna, de Jaguar, de Ziraldo, de Glauco, Angeli, Fausto...

Assis e Alcy: versos e imagens (Fotos: Vitor Nuzzi)














Alcy Linares Deamo, que o Brasil todo conhece como Alcy, cartunista dos maiores que conhecemos, trouxe-me de presente o seu abraço, o seu carinho, e compartilhou comigo e com Vitor o seu respeito pelas pessoas.
Alcy é exemplo de cidadão, como o foram Fortuna e Luiz Gonzaga, o Rei do Baião.
Alcy nasceu em 13 de julho de 1943 e é, desde sempre, eterno. Pelo que faz e pelo respeito, carinho e reconhecimento que tem por nós, todos seus irmãos.

Alcy relembrando a obra de Fortuna, na parede da casa de Assis, onde está o acervo do Instituto Memória Brasil
                 
Se eu fosse cartunista, daria um jeito de desenhar uma estrela com a cara e o jeito do cartunista Alcy.
É Natal todos os dias.
Viva Alcy!
Viva Vitor!

Para terminar, mestre Nélson Cavaquinho, que se foi há 30 anos.

  As flores em vida, sempre. Especialmente aos amigos

Um comentário:

Marco Antonio Zanfra disse...

Que bom que você tá bem! Fico feliz com isso!

POSTAGENS MAIS VISTAS