Seguir o blog

domingo, 20 de agosto de 2017

CRISE NO MUNDO DOS REPENTISTAS.

Não há uma crise no Brasil, há várias ao mesmo tempo incomodando a vida dos brasileiros mais simples.
Há crise de todo tipo: política, econômica e de falta de vergonha na cara dos políticos que foram eleitos para nos representar nas três esferas do poder, municipal, estadual e federal.
É grave o que está a acontecer conosco.
Dados das anotações feitas por pesquisadores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE, os desocupados e desempregados somam milhões e milhões de pessoas das mais diversas faixas etárias, incluindo os ocupados ocasionais, são 23 milhões de almas a penar por aí afora em busca do que comer...
São graves as crises que ora passamos, enquanto o vice que virou presidente da república faz tudo que lhe dá na veneta para continuar no cargo. Ai de nós.
As crises se estendem por todos os setores, incluindo a educação e a cultura.
A onda negativa que sufoca o País também atinge o mundo dos poetas cantadores. 
Muitos desses artistas, populares na essência, andam recolhidos sem ter muito o que fazer, pois faltam-lhes público. Há bom tempo, por exemplo que não há cantoria na sede da União dos Cantadores Repentistas e Cordelistas do Nordeste, UCRAN. Além isso, muitos dos bons profissionais desse ramo estão fora de combate, como Sebastião da Silva, em cadeira de rodas há uns dois anos. E o pior disso tudo é que não há renovação no setor. Sumidos andam Moacir Laurentino, que sofreu recentemente um AVC, Louro Branco, João Evangelista e outros, pena.
"De fato, não temos novidades no setor", diz, desolado, o fundador da UCRAN, o paraibano Sebastião Marinho.
Prá lembrar alguns dos grandes cantadores, clique:






AINDA SOBRE FELICIDADE



O amigo José Cortez telefona para saber como é que eu estou, se estou bem etc.E papo vai, papo vem, ele diz que está de molho etc., mas com uma vontade danada de fazer exercício na academia que fica bem ao lado da editora de livros que leva o seu nome, ao lado da PUC, cá perto no bairro paulistano de Perdizes. E papo vai, papo vai, ele conta que há poucos dias perdeu o celular e que agora o seu computador entrou em crise e pifou. "Parece incrível, mas estou me sentindo como um menino, livre leve solto como uma  pipa no ar. Na verdade estou feliz!é isso, estou feliz!"
Pois é, que diacho é felicidade?
Todo mundo em algum momento, já fez ou fará essa pergunta.
Ao perder o celular e o computador, Cortez disse feliz.Simples, não é? Nós é que complicamos o nosso dia a dia, criando e achando sarna para nos coçar.
A modernagem da vida, com seus valores invertidos, faze nos crer que estamos a criar o fogo e a roda e nessa brincadeira de mau gosto para conosco mesmo, pomos os pés pelas mãos e nos lascamos de verde e amarelo.
Eu acho que felicidade é morrer sem dor. Acho também que felicidade é uma risada sem compromisso, solta; é um abraço sincero, quente, querido; é, até, uma calça rasgada como diz velha propaganda que um dia escutei no rádio.
Os estudiosos da vida e do comportamento do povo dizem que felicidade é o estado de liberdade em que se acha a mente.
Eu já ouvi muitas definições de felicidade, certo?
Se folhearmos a história da cultura popular vamos achar muitas frases "definitivas sobre felicidade".
É um estado de espírito. É um momento especial que sucede conosco, de maneira ocasional, inesperado, de repente.
É o gozo que nos propicia a cópula, num encontro fortuito ou não.Quer dizer: felicidade é tudo e é nada.
Os poetas já disseram muitas coisas bonitas a respeito de felicidade, amor, alegria e amizade. Mas tudo isso é questionável sob todos os aspectos.
Há a felicidade falsa, aquela que nós mesmos, muitas vezes nos enganamos por apreciar por uma ótica errada, ilusória.
Há o amor falso, conveniente, oportunista, sacana.
Há as alegrias, muitas, variadas, variáveis, frouxa, tortas, enganosas, aquelas que parecem ser mas não são, não é mesmo?
Quanto à amizade.....bem, há amizades francas, sinceras, bonitas, únicas, verdadeiras e à  prova de tudo. Há amizades incríveis, que a cultura popular chega a definir como sendo "de sangue", "de carne e unha".
Os cordelistas compõem desde sempre,  histórias em versos sobre a felicidade, amor, alegria e amizade.
De Patativa do Assaré (1909-2002), é este soneto:


Soneto da Felicidade

Onde está a felicidade?
Para alcançá-la -- que se faz?
Que caminho, que verdade
Nos enche de amor e paz?

A pessoa que é feliz
AliMentA a paz na Terra
Seu amor à vida é que diz:
Não à fome e à guerra!

Onde a felicidade, então?
No poder? Riqueza? Fama?
Na alegre paixão de quem ama?

Na ciência? Na fé, porém?
Não! Está em fazer o bem
Sem idéia de retribuição.

Sobre Patativa:


BRINCANDO COM A HISTÓRIA (50)





sábado, 19 de agosto de 2017

FELICIDADE É CULTURA POPULAR



Tudo quanto é filósofo e estudioso da vida e do comportamento humano já falou sobre amor, alegria e felicidade. Mas, enfim, o que é felicidade?  
Eu, que não sou nada, arrisco com meus botões a dar uns pitacos.
A alegria antecede o amor que, por um desses mistérios da vida, leva à felicidade.
O matemático, físico e teólogo francês Blaise Pascal, que não era romântico nem nada, deixou para a cultura popular do mundo todo a emblemática frase: "o coração tem razões que a própria razão desconhece".
Pascal morreu com 39 anos e exatos dois meses, no dia 19 de agosto de 1662.
O polonês Arthur Schopenhauer, que nasceu em 1788 e morreu em 1860, deixou para a história e para os carentes de conselhos filosóficos, um livrinho com 50 regras para se alcançar a felicidade. Entre seus ensinamentos está o de se concentrar os próprios esforços como foco para a maravilha do mundo e da vida que é essa tal felicidade. Ao que consta,  Schopenhauer não conheceu o ápice da alegria suprema, que é a felicidade. E Nietzsche, hein?
O poeta, filólogo e compositor alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900), aquele de bigodão e cara esquisita, assassino de Deus.dizia que felicidade tem a ver com genética , hummm...e que a força não tem a ver com isso não, certo? 
Pois é, tudo quanto é filósofo e pensador das coisas do mundo já falou sobre felicidade et cetera e tal. 
Séculos antes de Cristo, o grego Aristóteles dizia que tudo é muito simples, que para ser feliz basta apenas ter-se o que fazer.  E se a ocupação do espaço pelo ocioso for além do necessário, heim?
Aí certamente teremos um viciado em trabalho,  um workaholic. Tudo na vida é equilíbrio, dai, pode talvez vir a tal felicidade.
Não podemos ir além da nossa força...
O vício destrói o ser, mata o ser.
E cultura, o que é que tem a ver com felicidade?
Nada e tudo, senão vejamos: a cultura, grosso modo,  é o resultado de um esforço pessoal ou coletivo e quem dispende esse esforço acaba por fazer alguém feliz.  Um quadro, um desenho de Miguel dos Santos, o Picasso, por exemplo faz-nos bem. Esse bem nos faz ficarmos alegres e felizes, é ou não é?
Ouvir Bach, Beethoven, e outros clássicos da vida tem a ver com cultura popular e com felicidade?
Jesus, a Alegria dos Homens,  embora do repertório clássico, é uma peça que há muito integram o cancioneiro popular do mundo todo. E ouvir esse tipo de peça nos faz bem, e se nos faz bem...
O repertório de músicas que permeia o campo popular brasileiro é enorme, incluindo o que trata de amor, alegria e felicidade.
Seguem-se aí alguns exemplos:





BRINCANDO COM A HISTÓRIA (49)



quinta-feira, 17 de agosto de 2017

VIVA CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE!

A Argentina deu Papa e Prêmio Nobel e o Brasil Machado de Assis, Monteiro Lobato, Noel Rosa, Luiz Gonzaga, Pixinguinha, Tom Jobim, Vila Lobos, Drummond...
O mineiro Carlos Drummond de Andrade nasceu em Itabira do Mato Dentro em 1902. Teve uma infância agitada. Foi aluno interno, como Geraldo Vandré e eu. Drummond foi expulso do Colégio onde estudou, Vandré também e eu não.
Drummond foi jornalista, chefe de gabinete do Ministro Capanema, no governo Vargas, mas ganhou destaque na vida nacional como poeta.
Em 1928, a Revista de Antropofagia publicou o seu mais polêmico poema: No Meio do Caminho. É pequeno, sem rimas, e nos seus dez pés a expressão "No meio do caminho tinha uma pedra" é citada sete vezes. O poema é este:

No Meio do Caminho
Carlos Drummond de Andrade
  
exibições
288.692
No meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
Tinha uma pedra
No meio do caminho tinha uma pedra

Nunca me esquecerei desse acontecimento
Na vida de minhas retinas tão fatigadas
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
Tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho

No meio do caminho tinha uma pedra.

E ganhou versões em muitas línguas:



No final dos anos de 1950, Drummond gravou sua voz em disco pela primeira vez declamando vários poemas de sua lavra. Nos fins dos anos de 1970, quando o entrevistei para o suplemento Folhetim (FSP), ele voltou a por sua voz em poemas que ocuparam dois LPs inteiros, que saíram pela PolyGram.
O poeta mineiro declamava muito mal os seus poemas. A sua voz pequena não ajudava, mas, enfim, essas sua investidas no mercado fonográfico ficaram para a história.
Carlos Drummond de Andrade morreu de insuficiência respiratória na noite de 17 de agosto de 1987. A tristeza pelo seu desaparecimento cobriu de luto o Brasil mais sensível. Nesse mesmo ano, em março, a Escola de Samba Mangueira, do Rio, entrou na Avenida e ganhou o Carnaval com o samba No Reino das Palavras. Opuxador da Escola e do Samba foi o legendário Jamelão (1913-2008). Ouça:



quarta-feira, 16 de agosto de 2017

O BRASIL SEM MOYA, QUE MERDA!

O óbvio: Nascemos, vivemos e morremos. Assim, simples.
Nascer dói e não dói, morrer dói e não dói, sabe-se lá porquê!
Alguns que comigo estiveram em algum momento, partiram este ano: Almir Guineto, Belchior, Luiz Melodia...
Eu nem ia falar, mas o Fausto, cartunista, disse-me que eu deveria dizer algo sobre o paulistano Álvaro de Moya, que se foi no último dia 14.
Moya foi o mais importante entusiasta dos quadrinhos no mundo. Não à toa ele idealizou e executou o primeiro Encontro Internacional de Histórias em Quadrinhos. Foi em São Paulo, Capital, em 1951. Moya deixou muitos livros publicados sobre o tema que o alcançou no tempo em que ele era ainda criança.
Álvaro de Moya nasceu em 1930 e deixou dois filhos, um menino e uma menina, que não herdaram do pai o prazer e a alegria de viver no mundo da fantasia explicitado pelo traço genial de artistas como Will Eisner (1917-2005), criador do Spirit. 
Will eu o conheci na redação do suplemento Folhetim (FSP),  no dia que ele foi abraçar o Angeli, Glauco e Laerte...
Sebastião Marinho, Assis, Moya e Quino no Programa São Paulo Capital Nordeste
Em dois mil e qualquer coisa, eu levei Moya aos estúdios da Rádio Capital. Eu o convidei para estar comigo numa entrevista com o argentino criador da Mafalda, Quino. Conosco estiveram ainda Paulo Caruso e Custódio, e também o cantador repentista Sebastião Marinho, que deitou e rolou cantando história de fantasia.
Volto a bater na mesma tecla: por que os brasileiros que têm poder não gostam do Brasil?
Os artistas do nosso País nascem como qualquer pessoa e, com o tempo, firmam-se com o talento que do berço trazem. E morrem, muitos deles, no anonimato, como nasceram.
Chiquinha Gonzaga? Braguinha? Noel Rosa? Chico Alves? Manezinho Araújo?... Luiz Gonzaga começa a morrer e muitos que estão vivos, como Roberto Luna e Geraldo Vandré parecem já mortos. É como se o Brasil não gostasse do Brasil...
Deus do Céu, como é bom nascer no Brasil, mesmo sabendo que a Eternidade Brasileira é do tamanho de nada.
Hoje o querido jornalista Audálio Dantas telefonou-me dizendo que está sendo homenageado na sua terra, Alagoas, como um nome importante. Que bom. Fiquei feliz com a notícia e ele ainda falou da cearense Rachel de Queiroz. Grande Rachel!
Rachel de Queiroz, aos 20 anos de idade, levou à terra e céu a desgraceira do mundo terrestre provocada pela seca, aquela que mata de fome, de sede, de tudo.
Leiam o livro O Quinze.
Mas essa é outra história...
Álvaro de Moya foi de importância fundamental para a compreensão das nossa artes visuais. A história dele não cabe num trem.
Apesar de tudo e dos políticos que escolhemos para nos representar nas três esferas (municipal, estadual e federal) continuo crendo que o Brasil é de todos o maior. No mais tudo depende de nós. Viva Álvaro de Moya.
Ah sim, falei muito rapidamente do Fausto. Fausto é mestre do ofício que escolheu para viver. Moya sabia disso. Moya foi-se embora com 87 anos de idade, Fausto completa 65 em Novembro, gênios em tempos diferentes. Aí na foto, os dois juntos em Piracicaba, em 2015. 



BRINCANDO COM A HISTÓRIA (48)




segunda-feira, 14 de agosto de 2017

OS CEGOS, ESSES INVISÍVEIS SERES

Anotações de pesquisadores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE, de 2010, indicam que há em torno de um milhão de cegos absolutos no Brasil. Somando-se a esses os parciais, o número de cegos chega à casa dos seis milhões. É muito cego, não é?
Sempre houve cegos no Brasil e no mundo. A situação de antes talvez fosse pior do que hoje, mas ser cego é uma barra dos diachos!
Eu perdi a luz dos meus olhos há poucos anos e nesses poucos anos creio que já paguei todos os meus pecados e os pecados dos amigos que continuam a minha volta. São amigos de ouro, amigos queridos e aqui nem vou citá-los porque certamente eles não gostariam desse tipo de propaganda.
Amigos de verdade, verdadeiros, são pérolas, são tudo de bom, são anjos que estão sempre a nos dar força, distribuindo alegrias.
Muito antes de Cristo vir à terra, cegos incríveis marcaram história. Caso de Homero...
Eu conheci muitos cegos na minha vida de menino, de adolescente na Paraíba e mundo afora. Anônimos e famosos, incluindo Patativa do Assaré. Assaré fica no Ceará, antes do Crato. Era da cidade do Crato o cidadão Pedro Pereira da Silva, que nasceu em 1912 e morreu em 1997.
Pedro nasceu cego e com 29 anos de idade ganhou uma rabeca e danou-se a tocar e a cantar romances inteiros que decorava. E logo ficou famoso, e logo passou a ser chamado de cego Oliveira.
Casou-se e teve 9 filhos. Um deles, José, também rabequeiro, desaparecido em 2009. Cego Oliveira comeu o pão que o diabo amassou, como todos os cegos.
No decorrer da vida Cego Aderaldo cantou tudo que lhe vinha ao conhecimento. Tocou e cantou em folias de rei e prá morto seguir em paz com suas incelenças ou "cantos de vigilança", ainda comuns no interiorzão do sertãozão deste Brasilzão sem eira nem beira.
O Brasil, ou melhor, seus governantes, dispensa à população cega indiferença. Sou testemunha disso, portanto falo com cátedra.
Você meu amigo, minha amiga, sabe quantos cegos trabalham formalmente no Senado? 
Dia desse pedi a um amigo, Severo, que mora em Brasília e trabalha no Senado, que fizesse um levantamento a respeito desse tocante assunto. resultado: No Senado brasileiro há apenas dois cidadãos formalmente contratados... Triste, não é? Enquanto isso, o Congresso aprova Estatuto disso e daquilo, incluindo o das pessoas com deficiência visual, ou seja, cegas. Uma pergunta, não custa fazer: quem, de fato, são cegas, as pessoas que têm poder e vêm com os olhos ou as pessoas que não têm poder e vêm com as luz dos olhos apagada.
O cego Oliveira cantou em toda parte do Ceará, nos bares, nas festas de casamento e batizado, nas feiras livres, até que participou de um filme Nordeste.... e Repente de Tânia Quaresma, e de um disco produzido por Fagner em que Patativa declamava seus próprios poemas. E aí começou a dar entrevista no rádio, na televisão e o povo achando que com isso ele estava rico. Resultado: morreu à míngua e só uns quinze dias depois é que apareceu nos jornais cearenses a notícia da sua partida definitiva deste mundinho de meu Deus do Céu.



BRINCANDO COM A HISTÓRIA (47)


O BRASIL E REPENTE DE CEGO ADERALDO

Jornalista Audálio Dantas media palestra de Assis Ângelo sobre o Cego Aderaldo, no Sesc
Aderaldo Ferreira de Araujo entrou para a história do Repentismo como o mais importante cantador cego do país. Ele nasceu no Ceará no dia 24 de junho de 1878 e partiu para a eternidade no dia 29 de junho de 1967. Quer dizer, ele nasceu num dia de São João e foi pular fogueira no dia de São Pedro e São Paulo. Interessante, não é? Pois bem, a respeito dele falei um monte de tempo sexta passada, 11, numa das unidades do Sesc em São Paulo. Mestre Audálio Dantas, alagoana na CEPA, foi o mediador no correr do meu falatório. Uma pergunta que não me deixa calar: por quê o Brasil todo não fala do Cego Aderaldo e de outros grandes cegos, como o Cego Oliveira? Oliveira também era cearense, nascido em 1912 e desaparecido em 1997, há 20 anos por tanto.

Para o Cego Aderaldo eu fiz o poeminha que segue:


Neste mundo ainda tem 
Muito cego apaixonado
Cantando a vida em verso
De modo improvisado
Como o tempo todo fez
O bardo Cego Aderaldo

Aderaldo foi exemplo
De poeta e cidadão
Enxergava muito longe
Sem nos olhos ter visão
E lutava boa luta
Com as armas do coração

E lutava e cantava
Com uma rabeca na mão
Enaltecendo a natureza 
E os filhos da Criação
Como os peixes do mar 
E as aves de arribação

Ele era incomparável
No seu tempo de repente
Estava em todo o canto
Cantando sempre contente
Brincando com a rabeca
E fazendo verso para a gente

E não via com os olhos
Ele via com a mente!
Ele era especial
Sensível, inteligente
E mais do que ligeiro
No gatilho do repente

O repente é arte
É a alma da cantoria
É a via que transforma
Tristeza em alegra
E leva o povo todo
Ao mundo da fantasia

Um mundo fabuloso
Bonito, encantado
De violas repentinas
Por poetas habitado
E onde sempre estará
O mago Cego Aderaldo

Bom tocador de rabeca
E doutor em verso rimado
Foi primeiro sem segundo
No canto metrificado
E nunca fugiu à luta
Toda vez que foi chamado

Lutou com Patativa Sinfronio e Oliveira
Rogaciano e Pinto
E também com Zé Limeira
Aderaldo foi um marco
da porfia brasileira

Ele chegou, ele partiu 
Mas deixou verso plantado
E verso de toda a cor
Pra um dia ser lembrado
E é por isso que digo
Viva o Cego Aderaldo!

sábado, 12 de agosto de 2017

COLOMBO UMA OVA!


O mundo todo tá uma josta.
No mundo árabe há muito o pau tá comendo, com o ditador Bashar al-Assad matando tudo quanto é vida, de homem, mulher e criança, com a ajuda do manda chuva Putin.
Na África a fome e a miséria se uniram para acabar com o continente em que surgiram os primeiros seres identificados com a raça que representamos, humanos.
Agora mesmo ouço no noticiário do rádio e tevê o tal Trump dizendo que vai mandar bala, das grandes, na cabeça daquele sujeitinho pequenininho, ditadorzinho, que mantém sob rédeas o povo norte-coreano. O tal ditadorzinho ameaça fazer o mesmo com o povo norte-americano, se Trump et cétera e tal.
Norte-americanos...
No final do século 15, o italiano Cristóvão Colombo (1451-1506) descobriu, sem querer, as Américas. É o que se diz nas escolas, mas há quem diga que a história não foi bem assim.
Semana passada, o vendedor de São Paulo João Dória, andou de mãos dadas com o prefeito neto do coronel falecido ACM. As mãos dadas de Dória e Neto deveram-se à uma visita à Câmara Municipal de Salvador, onde Dória foi agraciado com o título de cidadão. à entrada da Câmara, uma chuva de ovos desabou sobre o prefeito paulistano.
No rádio e tevê ouvi há pouco a notícia de que a população de 16 países europeus estava sendo abastecida com ovos contaminados procedentes da Holanda e Bélgica. Pois é.
À Colombo é atribuída a descoberta das Américas, não é mesmo? Quando ele chegou às Bahamas, pensou que estava nas Índias, porém, diga-se de passagem, que ele comprovou a tese de que o mundo é arredondado e não plano como muita gente pensava, até então.
Colombo era genovês, morou na Ilha da Madeira, Portugal e Espanha, de onde partiu em busca de novos ares comandando as naus Pinta, Nina e Santa Maria. Ao voltar à terra de Espanha, ele recebeu todos os louros e papagaios...brincadeirinha.
Conta-se que alguém, menosprezando suas aventuras por mares e terras, teria dito que sua façanha poderia ser feita por qualquer um. E aí ele teria dito que tudo bem, mas para isso, preciso se faria que o aventureiro, digamos assim, tivesse antes de tudo ideias. Foi quando, então, desafiou os presentes a por um ovo em pé. Ninguém conseguiu, só ele.

BRINCANDO COM A HISTÓRIA (46)



DOIDURA

Uma Roberta suíça, filha e neta de banqueiros, casou-se e separou-se do brasileiro Protógenes Queiroz. Até aí, tudo bem. O diacho é que essa Roberta está apaixonada por Lula. Ela promete doar ao fundador do PT a bagatela de quinhentos mil reais em dinheiro e bugigangas, entre as quais um Rolex e uma bolsa feminina de marca. É muita tranqueira junta, não é mesmo? E mais: ela ameaça vir ao Brasil, naturalizar-se brasileira e filiar-se ao PC do B ou PT.
Ah! Protógenes é aquele delegado que envolveu-se com corrupção e tal e que foi deputado federal puxado por votos do Tiririca.

CEGO ADERALDO, PALESTRA

Durante duas horas e pouco eu falei o que sei sobre o repentista cearense Cego Aderaldo (1878-1967). Foi ontem à noite no SESC da Bela Vista. Platéia maravilhosa, selete e atenta, com perguntas inteligentes. Ao meu lado, o jornalista, amigo de muitas jornadas, o alagoano do reino encantado de Tanque D'Arca, Audálio Dantas. Aliás, abaixo, Audálio ao lado do legendário cego. Foto raríssima, a mim cedida por outro alagoano, o escritor Paulo Dantas.


quinta-feira, 10 de agosto de 2017

A INCRÍVEL INVENÇÃO DO ZERO

É curioso e engraçado o mergulho que o cartunista Fausto tem dado na história, melhor, na pré-história. Nesse mergulho ele traz à tona flashes, digamos assim, que nos levam a matutar sobre a nossa origem, o homo sapiens. E se há o homo sapiens, há também a "mulher sapiens", como num rompante de profunda meditação tornado público pela engraçada Dilma Roussef.
Quem nasceu primeiro, o homo sapiens ou a mulher sapiens, o grito, a fala, a risada ou a escrita...?
O zero (0) deu muita dor de cabeça aos seus criadores. 
Foi na China ou na Grécia que o zero surgiu.
Os números de 1 a 9 foram criados e só depois de muito tempo que o zero deu o ar de sua graça na Índia e não na Grécia ou China.
Espantados com a criação hindu, os árabes pegaram o zero e o puseram debaixo do braço, quase como se fosse deles, e o levaram prá casa e depois prá Europa.
O zero foi uma invenção incrível!
O zero é tudo e é nada. Ele está em todo canto, em todas as línguas. Não haveria internet sem o zero e nem avião, nem navio, nem nada. Melhor, tudo seria nada, sem o zero.
Ao mergulhar na história, melhor, na pré-história, Fausto nos dá o que pensar, não é mesmo?
Quem da safra dos cinquenta (olha o zero aí, gente!), não leu um livro do pernambucano Júlio César de Melo e Souza (1895-1974), conhecido mundo afora pelo pseudônimo de Malba Tahan?
Malba Tahan, elogiado por grandes nomes da literatura mundial como Jorge Luiz Borges, escreveu dezenas de livros abordando temas da matemática. Um desses livros, O Homem que Calculava, vendeu algo em torno de 2 milhões de exemplares. Incrível, não é? O autor fala com muita graça sobre o zero.
Fulano de tal é um zero à esquerda, quem já não ouviu essa frase? A tradução é que Fulano de Tal não presta.
Eu nunca fui um bom aluno de matemática, mas também nunca recebi zero.
De zero a dez, quanto a gente dá ao Fausto, pela iniciativa de nos trazer à tona histórias da pré-história?
Uma coisa puxa a outra: Em 1916 o carioca Pixinguinha compôs o chorinho para o craque Friedenreich: 1 x 0, que foi gravado em disco somente 30 anos depois. O paraibano Jackson do Pandeiro também fez uma música gostosa de ouvir, em que diz "esse jogo não pode ser 1 x 0".





BRINCANDO COM A HISTÓRIA (45)




CEGO ADERALDO

Amanhã às 19 horas, estarei falando sobre o cantador rabequeiro, cego Aderaldo, no SESC. É isso, fica o registro.



segunda-feira, 7 de agosto de 2017

À MULHER, RESPEITO E FLORES

O Brasil tem mais mulheres do que homens, segundo anotações dos pesquisadores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE. Menor ainda é o número de homens, homens mesmo!
São constantes e cansativas as notícias, tristes, as notícias que dão conta de que homenzinhos agridem e matam mulheres Brasil afora. Mulheres, crianças e adolescentes.
Não era incomum cangaceiros ferrarem a fogo mulheres no Nordeste, depois de serem por eles abusadas, violentadas, estupradas.
Ouço no rádio que está entrando em pauta no Congresso uma lei que pune de modo rigoroso os estupradores. Esse crime, pela nova lei a ser votada, deverá ser inafiançável e imprescritível.
Ouço no rádio a notícia de uma criança de seis anos de idade que foi sequestrada, violentada por um homenzinho no Rio de Janeiro. O corpo da criança foi posto numa mala e atirado a um córrego no Rio de Janeiro. O cabra foi preso e a sua frieza tem chocado a polícia de lá.
Hoje faz 11 anos que a Lei Maria da Penha foi aprovada.
Maria da Penha é uma cearense que vive hoje numa cadeira de rodas. Ela foi vítima do próprio marido que tentou matá-la duas vezes a tiros.
Quando é que os homens vão entender que mulher se trata com respeito, carinho, amor e flores?


domingo, 6 de agosto de 2017

JOÃO RUBINATO GRAVA INÉDITAS DE ADONIRAN

Hoje, o dia amanheceu frio, normal. Estamos na cidade das quatro estações ao mesmo tempo, São Paulo. Adoniran Barbosa adorava São Paulo. Ele era de Valinhos, SP, e deixou uma obra ligada intrinsecamente à cidade dos paulistanos e do mundo todo, que é a Sampa em que vivemos.
É de Adoniran o clássico popular Trem das Onze, gravado em 1964, pelo grupo paulistano Demônios da Garoa.
O Demônios da Garoa encontrou em Adoniran a sua cara e, de tabela, a cara da Capital paulista.
A parceria de Adoniran e Demônios começou na década de 1950 e durou até 68,70. Detalhe: Adoniran e Demônios nunca se apresentaram juntos e também nunca gravaram uma música juntos. Esquisito, não? E querem saber o motivo? Pois bem, cá está: Essa parceria não se concretizou por uma razão: Adoniran não aceitava receber em partes iguais, queria mais um pouco e nesse ponto nunca chegaram a um acordo.
Adoniran Barbosa era um péssimo cantor e como instrumentista, a rigor, nunca existiu, mas era melodioso. Suas letras já nasciam com melodia, que ele extraía de uma caixa de fósforos ou batucando numa mesa.
Adoniran Barbosa veio ao mundo no dia 06 de Agosto de 1910 e partiu em novembro de 1982.
Eu conheci bem Adoniran. Conversávamos bastante nos bares da cidade. Ele gostava de beber uísque Passport, um horror! E fumava muito, embora não gostasse de gastar dinheiro com cigarros e também com bebidas que passarinho não bebe. 
Em novembro de 1980, exatos dois anos antes de ele morrer, publiquei uma conversa nossa na extinta revista Homem, edição nº 27. Ele deixou muitas músicas inéditas. Uma parte já foi gravada por vários artistas como Tom Zé e Passoca e agora outra parte inédita de Adoniran chegará à praça ainda este ano, por iniciativa do músico e pesquisador musical Tomás Bastian, do conjunto João Rubinato. Esse conjunto, que tem oito integrantes, está dando retoques finais ao cedê Adoniran em Partitura. Desse disco participa Gregory, do paulistano grupo Gato com Fome.
Algumas músicas do disco: Minha Vida se Consome; Socorro; Teu Sorriso e Mamaô, respectivamente os dois primeiros sambas, uma marcha e um ponto de macumba.
Coisa boa vem aí, portanto. Fiquem ligados.

A obra de Adoniran é, como toda boa obra, imortal.
Quem conhece a obra de Adoniran Barbosa, os bons ouvintes mais de ontem, continuam cultuando-a, e os mais novos, de hoje, estão eufóricos descobrindo o talento de Adoniran. Exemplo? O músico Paulo Miklos, do Titãs, estrelou um curta intitulado Dá Licença de Contar, no papel de Adoniran. O mesmo Miklos promete levar levar à frente o projeto de transformar a história de Adoniran em um longa metragem. Adoniran Barbosa foi o sambista popular de São Paulo e Paulo Vanzolini, o erudito.





NEYMAR, ESCRAVIDÃO E EURO

O time tal comprou o jogador time de tal....
O jogador fulano de tal foi vendido para o time tal...
É comum ouvirmos isso no noticiário dos editorias esportivos dos jornais, revistas, etc.
Nos últimos dias, as manchetes esportivas do mundo todo têm anunciado a venda do brasileiro Neymar para o PSG.
A história é a seguinte e muito simples: com grana árabe, dos poderosos árabes, os franceses pagaram a fabulosa multa de 222 milhões de Euros ao Barsa da Espanha, para ter Neymar vestindo a camisa 10 que consagrou pelé nos áureus tempos do Santos; Santos de onde também saiu Neymar....
O time tal comprou o jogador fulano de tal.
O jogador fulano de tal foi vendido ao time tal....
Pois é, parece que estamos falando de escravos, de gente sendo vendida e comprada por gente de poder; poder de grana. Detalhe: e a essas vendas de humanos o mundo livre, democrático, aplaude com a maior naturalidade da vida.
Neymar foi vendido, e daí??
Enquanto isso, grandes homens da ciência e da educação pelejam para ensinar e salvar o mundo, das loucuras todas que o cercam.
Meu amigo, minha amiga, você sabia que o brasileiro inventor do avião,  Santos Dumont,  deu de garra de uma corda e enforcou-se numa casa da baixada santista, no comecinho dos anos de 1930? e você sabe por quê ele fez isso?
Meu amigo, minha amiga, você já se deu conta de que Einstein entrou para a história como um palhaço, e dos mais simplórios?
Meu amigo, minha amiga, você lembra do nome do médico que realizou o primeiro transplante de coração do mundo?
Meu amigo, minha amiga, você sabe quem foi Ana Neri e Florence Nightingale?
Pois é, os nomes aqui citados são nomes de grande importância para a história do mundo e do Brasil, particularmente. E não sabemos de nada, e insistimos em não sabermos de nada. Não saber de nada, nestes tempos de tantas "ferramentas" virtuais, parece ser o máximo.Curtimos, compartilhamos sem saber o que e digitamos o esquisito KKKK. Parece, até, que apostamos na nossa própria burrice, não já lemos mais os grandes livros, os clássicos.
Meu amigo, minha amiga, você conhece ou lembra de Platão, de Sócrates, seu Mestre? de Aristóteles, professor de Alexandre o Grande?
Neymar é um escravo de ouro, com milhões e milhões de grana no bolso. O que ele fará com isso??

sábado, 5 de agosto de 2017

E A VERDADE NO BRASIL, HEIN?

Diógenes foi um cara que viveu há uns 400 anos antes de Cristo. Era grego, nascido numa localidade chamada Sinópe, região que fica ali pelas bandas do Mar Negro e ao Norte da Turquia.
Diógenes não era garapa, era um palavrão entalado na garganta dos poderosos da sua época. Pintou e bordou e não deixou barraca de pé. Nem Alexandre, o Grande, escapou da língua ferina de Diógenes, que se recusava a ser chamado de mestre e tal e recusava as benesses de Estado. Uma perguntinha: O que Diógenes tinha a ver com Aristóteles, Sócrates e Platão? Nada.
Diógenes não obedecia leis e nem puxava o saco dos homens ricos do seu tempo, nem a filosofia, que imortalizou Aristóteles, Sócrates e Platão e seus pares romanos, lhe interessava. Tanto que não deixou nada escrito, que nem Sócrates. Sócrates também não era bolinho não. Era., digamos, um Diógenes mais ilustrado e mestre de Platão, que foi mestre de Aristóteles.
Uma vez, diz a lenda, Diógenes num linguajar nada rebuscado teria mandado Alexandre se catar, sair da sua frente. 
Sócrates era seguido por todos os jovens atenienses, era ídolo, mesmo.
Se Diógenes e Sócrates vivessem no Brasil de hoje, o Brasil teria, quem sabe, um destino melhor. Um porém: Sócrates correria o risco de ser condenado pelo STF por causa das suas ideias.
Diógenes morreu com 89 anos de idade e Sócrates com 70 e poucos.
Em homenagem a Diógenes eu compus o poeminha que segue:

A terra de Homero
E da Mitologia
Dos deuses do Olimpo
E da Democracia
Plantou em Diógenes
A flor da Anarquia

Diógenes era um doido

Diplomado em Poesia
Com sua lanterna acesa
Em pleno dia
Procurou mas não achou
No poder cidadania

Outras coisas ele achou

Mas não o que queria:
Um Ser que fosse honesto
A verdade sem fantasia
e um santo que falasse 
Do valor da valentia

Valente é todo Ser

Que vive de teimosia
Que detesta injustiça
E a lei da "Mais Valia"
E não vou falar mais disso
Adeus, até outro dia!


BRINCANDO COM A HISTÓRIA (44)



quinta-feira, 3 de agosto de 2017

GONZAGA, INEZITA E VIVA A VIDA

Hoje faz 28 anos e um dia que Luiz Gonzaga, o Rei do Baião, despediu-se de nós e foi cantar no Céu. 
Hoje faz 64 anos que Inezita Barroso entrou em estúdio, no Rio de Janeiro, e gravou o samba-canção Ronda, de Paulo Vanzolini.
Luiz Gonzaga e Inezita Barroso são pérolas cidadãs que engrandeceram a música popular brasileira.
Uma vez Inezita me disse que nunca conheceu, musicalmente e como cidadão, alguém tão importante quanto Luiz Gonzaga.
Eu nunca perguntei a Luiz sobre Inezita. Falha Minha. Perguntei sobre Vandré. E ele respondeu: "Esse menino é muito bom. Diga prá ele que estou à sua disposição".
Luiz Gonzaga gravou, de Geraldo Vandré, que em Setembro faz 82 anos de idade, Prá Não Dizer que Não Falei de Flores, e Fica Mal Comigo. Em contrapartida, Vandré gravou Asa Branca e Boiadeiro, de Luiz Gonzaga.
São Histórias...
Luiz não tinha medo da morte, Vandré tem.
Inezita nunca teve medo da morte, e nem da idade.
Muitas mulheres e homens negam a idade.
Carmélia Alves, com aquele bocão, ria até não se acabar quando ouvia alguém mentir a própria idade. Inezita também.
Quanta história...
A grandeza das pessoas está nelas, em cada pessoa.
Viva quem vive a viada da melhor forma, sem ligar pro tempo, e fazendo história.
E vejam meus amigos, minhas amigas, hoje eu ia falar de um cara chamado Diógenes.
Bom, fica prá amanhã.




BRASIL DE PEQUENINOS

A primeira cidade do Brasil é, como todos sabem, São Vicente, SP. O Brasil, hoje, tem mais de 5.000 municípios. A raça povo brasileira é de bom nível. É raça boa, somos resultado de tudo quanto é bom, de belezas humanas. Agora, cá prá nós, não aprendemos ainda a eleger gente que possa nos representar nas esferas políticas. O que vimos, ontem, na Câmara dos Deputados foi um horror, mas é o que temos, é o que escolhemos. Quem sabe em Outubro do ano que vem a gente comece a acertar, escolhendo a nós mesmos lá.

terça-feira, 1 de agosto de 2017

A PROPAGANDA ESTÁ DE LUTO, MORREU MESSINA

"A propaganda é a alma do negócio". Eu cresci ouvindo isso na escola, no trabalho, nas reuniões, em todo canto.
A propaganda começou sabe-se lá quando! Mas, certamente, desde Adão e Eva e antes até. 
Diógenes entrou para a história como o grego maluco que enchia o saco dos poderosos e procurava com uma lanterna acesa um homem que fosse honesto. Não consta que achou.
A maçã ficou famosa como fruta no mundo todo a partir do momento em que a Igreja Católica anunciou que Adão fora tentado a comer o que não deveria comer...
Hitler criou a Suástica e através dela e da sua loucura assassina entrou para a história, depois de assassinar milhões e milhões de inocentes.
A propaganda, em disco, chegou ao Brasil em 1935. 
A primeira gravação de uma propaganda em disco de 78 Rpm, foi feita pelo artista que ficaria famosos como o Cantor das Multidões: Orlando Silva (1915-1978).
O jingle gravado: Chopp da Brahma.
Em 1935 fazia dois anos que o pernambucano Manezinho Araújo (1910-1993), o Rei da Embolada, estreara na Indústria Fonográfica. Mané, para os amigos, foi o segundo artista da nossa música popular a fazer propaganda comercial. No caso, o sabonete lifeboy e o óleo de peróba.
O chopp da Brahma, letra e música, trazia as assinaturas de Ary Barroso e Bastos Tigre.
Em 1933, estréia do Manezinho em disco, nascia o carioca Archimedes Messina, um dos mais inspirados autores de jingles no Brasil. Se não foi o maior, está entre os três ou quatro maiores. São dele clássicos para a Varig e para o Café Seleto, incluindo a música de abertura que marcou para a história o programa do também carioca Sílvio Santos: Sílvio Santos vem aí...



Uma historinha: Messina inspirou-se numa lenda japonesa para criar um dos muitos jingles que fez para a Varig. Conta-se que um velho pescador japonês salvou da morte uma tartaruga. Salva, a tartaruga o levou a conhecer as profundezas do mar. Esse jingle foi gravado pela nissei Rosa Miyake, que em 1969 gravou "Prá Não Dizer que Não Falei de Flores", do paraibano Vandré.
Fazer ou gravar jingle é, sem dúvida, algo um tanto interessante. Uma vez eu gravei um jingle para um banco que não existe mais. Fica o registro:



De 1935 até os dia atuais, centenas e centenas de artistas da MPB compuseram e gravaram mensagens comerciais e políticas, como Luiz Gonzaga, Simonal, Chico Buarque, Caetano, Renato Teixeira e Roberto Carlos que induziu muita gente a comer carne da Friboi. A propósito, de tão ridículo, RC foi tirado do ar.
Archimedes Messina morreu ontem, aos 85 anos de idade. Meus pêsames à família pelo desaparecimento de Messina, pessoa simples, natural, espontânea, amiga dos amigos, que tive o prazer de entrevistar no programa Tão Brasil, que, por um ano e pouco apresentei na All TV.
Para lembrar mestre Messina, clique:









BRINCANDO COM A HISTÓRIA (43)




POSTAGENS MAIS VISTAS