Seguir o blog

sexta-feira, 15 de junho de 2018

GATO COM FOME, O SAMBA DE SAMPA

A Rússia goleou a Arábia Saudita, e daí?
O Uruguai meteu um no Egito, e daí?
E daí? E daí? E daí?
Portugal mostrou que se resume a Cristiano Ronaldo, e daí?
Copa é grana. Grana pela mobilização do Capital.
E a vida segue...
O Brasil, seleção de futebol, disputa partida com a Suíça domingo que vem, no começo da tarde.
Politicamente, o Brasil tá uma merda.
Culturalmente, o Brasil tá uma merda.
A besta do Temer, o Temer, acabou com os ministérios do esporte e da cultura, arrancando deles a mínima grana que tinham, para pôr no ministério recém criado de Segurança.
A besta do Temer...
O Temer é uma merda, um besta, um bobo, porém, de unhas afiadas sempre pronto para engolir o coração do povo e mais.
A salvação nacional se acha na educação. Na cultura. Sabemos. E apostemos nisso.
É bom constatarmos que há, na vida brasileira, artistas em formação e artistas formados no campo musical mostrando a beleza da arte.
Exemplos há os mais diversos, espalhados por aí.
A Paraíba, minha terra, tem gente do tamanho de gigante. Esses gigantes também se acham em Pernambuco, Pará, Bahia, Rio Grande do Sul, Maranhão, Rio de Janeiro etc.
Em São Paulo tem um grupo de samba apadrinhado por mestre Osvaldinho da Cuíca. Esse grupo, já falei aqui noutras ocasiões, denomina-se Trio Gato com Fome. Esse grupo, Trio Gato com Fome, apresenta-se hoje como a cara mais nova de São Paulo, no resgate que faz da história.
O Trio Gato com Fome apresenta-se como identidade mais bonita que São Paulo tem como samba, como música, que canta vida, cidadania.
Esse grupo é eclético. Eclético no samba. Por que digo isso?
No primeiro disco, o Gato com Fome canta Monsueto Menezes, Alcebíades Nogueira e outros artistas brasileiros, de regiões diversas.
Hoje, o Trio Gato com Fome se firma como um grupo que canta samba da melhor qualidade, a partir da cidade de São Paulo. É um grupo que canta Brasil. E sambas do próprio grupo como, "Numa
Certa Madrugada", "Dá de 10" e "Responderei Sambando".
A Copa do Mundo começou com goleada da Rússia contra a Arábia Saudita, então tá.
Tá na hora da gente brasileira cuidar deste nosso País. Cuidemos deste país para que nunca mais tenhamos 7x1, e não só no futebol.
Meu amigo, minha amiga, se não sabe ainda quem é o Trio Gato com Fome corra logo pra saber. O Trio é bom.
No próximo dia 22, sexta-feira, o Trio estreia seu novo show no teatro do Sesc Belenzinho, às 21h.
E quem não for é bobo. Já reservei meu ingresso.
É bom demais ouvir o Trio Gato com Fome. Confira:

quarta-feira, 13 de junho de 2018

UM BRAÇO, UM VIOLÃO. VIVA CACÁ LOPES!


Ele é um cabra tranquilo. Sua fala é simples, clara, objetiva. Nela é possível localizar suas esperanças. Por um tempo melhor para todos, claro. É cantor, compositor, instrumentista e poeta de cordel. Eu falo de Cacá Lopes. Um artista popular.
Nascido em Araripina, cidade pernambucana localizada a cerca de 680 km da capital Recife, Cacá tomou conhecimento da música através de um rádio de pilha e de um rádio de mesa que havia na sua casa. Adorava ouvir Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Manezinho Araújo e outros mais. Seu sonho era conhecer a cidade grande. Esse sonho concretizou-se nos fins dos anos de 1980.
Cacá, de batismo José Edvaldo Lopes, começou a gravar discos no início dos anos 90. Primeiro foi um compacto simples, depois um compacto duplo; um LP e vários cedês. Também tem lançados vários folhetos de cordel e dois livros, um deles sobre a vida e obra do rei do Baião Luiz Gonzaga.
A trajetória de Cacá Lopes é uma trajetória um tanto tortuosa. E isso é fácil de explicar: Vítima de paralisia infantil, Cacá não conta com os movimentos do braço esquerdo. Com o braço direito, ele faz de tudo. "deumtudo" como se diz lá no Nordeste. O violão que Cacá Lopes toca parece ser um violão ensinado, no mínimo. No mínimo por que prá mim o violão de Cacá é mágico. Aliás, acho mágicos o violão e o próprio Cacá.
Cacá Lopes surpreende como cantor e instrumentista. O seu canto é puro, é limpo, é bonito, afinado. Suas letras, seus poemas são de uma naturalidade que se encaixa perfeitamente às coisas simples da vida. 
Ouvir Cacá Lopes tocando, cantando ou declamando é uma beleza, é uma dádiva, 
Cacá Lopes é um gigante.
Cacá nasceu no dia 24 de Agosto de 62 e vive em São Paulo alegrando o povo triste da vida e dando exemplo, a cada dia, da força que nós todos temos. Ele já realizou vários sonhos além de o de conhecer uma cidade grande. Conhecer e viver, no caso, em São Paulo.
No correr da sua trajetória, Cacá Lopes conheceu muitos dos seus ídolos de infância, como Luiz Gonzaga (1912-1989) e Patativa do Assaré (1909-2002).
De Patativa, recebeu uma carta escrita de apresentação ao cantor, compositor e apresentador de tevê, Rolando Boldrin, aí ao lado.
Um dos desejos hoje de Cacá Lopes é se apresentar no programa Sr. Brasil, da Tevê Cultura.






A cidade onde nasceu Cacá já foi cantada por muitos artistas, incluindo Luiz Gonzaga (Fole Gemedor), e o próprio Cacá. Ouçam:



















segunda-feira, 11 de junho de 2018

SERVIÇO BOM ERA "ROUBAR" MULHER

Delmiro Gouveia foi o primeiro e mais importante empreendedor nordestino. Começou por baixo e terminou por cima. Riquíssimo. Diz a história que ele era prepotente, egocêntrico etc. Mas respeitava os humildes, as pessoas mais simples, a quem dava apoio e trabalho. No grande parque industrial que construiu em Alagoas ele construiu mais de 2000 casas para seus trabalhadores, que eram bem tratados e recebiam pagamentos semanais. Coisa raríssima à época. A Vila que construiu e que depois virou cidade com seu nome, tinha suas vias limpas e sobre as quais era rigorosamente proibido que se cuspisse. Lá o homem que "abusasse" de uma mulher era punido e obrigado a com ela se casar.
O segundo maior empreendedor nordestino foi o paraibano Francisco de Assis Chateaubriand, o Chatô, que criou o maior império jornalístico do Brasil e da América Latina. Esse império, no seu auge, contou com 36 jornais, 36 emissoras de rádio, 18 revistas e 18 canais de televisão. Entre as revistas, a semanal mais famosa, O Cruzeiro, criada em 1929.


Chatô foi quem implantou no Brasil a televisão, em setembro de 1950. Uma curiosidade: O primeiro brasileiro a andar de avião foi, como se sabe, Alberto Santos Dumont (1879-1932). O segundo foi Chatô. Essa sua primeira grande façanha ocorreu em 1913, na capital pernambucana. Foi um voo panorâmico.
A obra empresarial de Delmiro Gouveia despertou a curiosidade de todo o país e do Exterior.
O escritor alagoano Graciliano Ramos (  ) virou fã de Delmiro, como o paulista Mário de Andrade. Ao paraibano Chatô também não passou despercebido tudo que Delmiro fez no Nordeste, chegando até a escrever um longo artigo no Diário de Pernambuco, em 1914. 
O fato de Delmiro ter "roubado" a filha do governador Sigismundo para fazê-la sua mulher  faz-me lembrar que isso era um "tradição" no Nordeste arcaico. Aliás fugir com alguém cujo namoro a família impedia era fato comum. Muitas tragédias ocorreram com isso. Lampião roubou do marido, um sapateiro, a mulher com quem viveu até morrer, em 1938. São muitos os casos parecidos ao praticado por Delmiro. Quem não conhece a tragédia Shakespeareana Romeu e Julieta, que se passa em Verona no começo do século 16. Luiz Gonzaga, o rei do Baião sentiu vontade de também roubar a garota por quem suspirava, mas uma surra providencial do pai e da mãe impediram seu ato. Mas ele deixou numa música o registro:


E ele voltou ao assunto noutra música, em Casamento Improvisado, clique:


sábado, 9 de junho de 2018

DELMIRO GOUVEIA, UMA FORÇA DO NORDESTE

Ele nasceu em junho de 1863 e morreu, com três tiros no peito, em outubro de 1917.
Em 1917, eclodiu a Primeira Guerra Mundial e o mundo ficou doido.
Delmiro Augusto da Cruz Gouveia.
Delmiro Gouveia foi, a rigor, o primeiro capitalista nordestino, empresário, a por luz no Nordeste a partir da cidade que hoje tem o seu nome, localizada a oeste de Alagoas, AL.
Delmiro foi, portanto, o primeiro brasileiro a fazer mover águas que gerariam eletricidade. Isso, no seu tempo, era novidade e das grandes. Esse milagre foi feito com águas de Paulo Afonso. Pioneirismo puro, não é?


Como se não bastasse, Delmiro foi o cara que implantou o primeiro shopping center no Brasil. Isso na primeira década do século passado, em Recife, PE. 
A história do empreendedor Delmiro Gouveia é uma história incrível e que todos nós deveríamos conhecer, de modo reto e salteado.
O cearense Delmiro Gouveia, como o paraibano Francisco de Assis Chateaubriand Bandeira de Melo (1892-1968), plantou a modernidade no nosso País. 
O nome Delmiro Gouveia é nome para ser aplaudido por todos nós.
A história leva-nos a crer que Delmiro foi um cara prepotente e mulherengo ao extremo. Tinha estampa. Falava grosso e com ele não tinha perreps. Era pão pão, queijo queijo. O impossível não fazia parte do seu vocabulário. Era homem de decisão e atos. Deus no céu, ele na terra. Terra nordestina, diga-se, onde tudo faz a vida pobre.
Humilde de berço, e órfão logo cedo de pai e mãe, a vida o fez como o fez. Aprendeu tudo na marra, na persistência. 
Pra chegar onde chegou, Delmiro brigou com meio mundo.Brigou com medíocres, medíocres poderosos, etc.
Antônio Sigismundo Gonçalves (1845-1915) foi um desses poderosos com quem Delmiro brigou. Outro foi Francisco de Assis Rosa e Silva (1857-1929), vice na chapa vencedora do presidente da República, o 4º, Campos Salles (1898-1902).
Sigismundo era governador de Pernambuco quando Delmiro resolveu raptar uma menina, sua filha, de 15 anos, para ser sua mulher. E ai começou o inferno em cujas brasas arderia para sempre o raptor. Pra piorar a situação, Delmiro encontrou-se com Rosa e Silva numa rua do Rio de Janeiro e tascou-lhe uma sova a bengaladas. Estava selado o seu fim.
Rosa e Silva foi uma das figura políticas mais poderosas do Brasil. Todos pediam-lhe a benção e literalmente ajoelhavam-se a seus pés. Perdeu pra Ruy Barbosa (1849-1923), mas morreu como senador desfrutando o bem bom da República.
No ultimo dia 5 a Câmara aprovou um projeto que impede pessoas com menos de 16 anos de se casar. Esse foi o dia em que nasceu Delmiro, que tombaria assassinado no alpendre da sua casa no dia 10 de outubro de 1917, em Alagoas. 
Saiba mais um pouco vendo o filme de Geraldo Sarno:







quinta-feira, 7 de junho de 2018

CÉLIA E CELMA, 50.VIVA!

O ecletismo musical das cantoras  Célia e Celma é bonito e forte.
Não sei quantos anos têm  Célia e Celma, irmãs gêmeas, mas o espetáculo Duas Vidas Pela Arte, dá conta de que as duas estão completando 50 anos de carreira. Carreira brilhante, diga-se de passagem.
Célia e Celma nasceram num ano qualquer do século passado na pequena cidade do grande compositor Ary Barroso, Ubá.
No começo dos anos de 1960 no Rio de Janeiro, Célia e Celma foram "adotadas"pelo cantor Moacir Franco, depois pelo esculhambador geral da cultura popular,  Carlos Imperial. O espetáculo Duas Vidas Pela Arte transcorre em 2 horas, mais precisamente em 1h55. Assisti-o ontem 6 à noite, no Teatro Itália.
O espetáculo começa com a exibição de trechos de  filmes ainda em preto e branco, em que as duas irmãs aparecem no tempo em que eram crianças, seguido de "takes " com ambas cantando ao lado do já citado Imperial e outros personagens midiáticos de anos passados.
O grupo de músicos que acompanham Célia e Celma é pequeno, mas competente. Aloísio Pontes é um deles. Aluizio é um nome bastante conhecido na noite paulistana. Engraçado e competentíssimo pianista, todo cheio de graça e isso ajuda a moldar o texto interpretado por Célia e Celma. E as duas vão chamando, pouco a pouco, seus convidados: As Galvão, Renato Teixeira, Altemar Dutra Jr., Simoninha, Claudete Soares.
As Galvão, Claudete Soares e Renato Teixeira arrasaram. Esses 3 são um show à parte.
Aos 73 anos de idade, Renato Teixeira já completou 50 anos de carreira há algum tempo.https://assisangelo.blogspot.com/search?q=renato+teixeira
Célia e Celma justificam em as Duas Vidas Pela Arte porque são importantes no panorama da música brasileira. Ah! é sempre bom ouví-las cantar.




POSTAGENS MAIS VISTAS