Seguir o blog

sábado, 2 de março de 2024

LICENCIOSIDADE NA CULTURA POPULAR (78)

Num dos últimos livros do colombiano Gabriel Garcia Marques (1927-2014), Memória de Minhas Putas Tristes, há um personagem que decide comemorar seus 90 anos de idade na cama com uma virgem. Era crítico musical de um jornal. Uma cafetina dispõe-se a atendê-lo. Dito e feito. Logo uma jovenzinha de 14 anos foi entregue ao aniversariante. Dormiram juntos a primeira noite, a segunda noite... e nada  sexualmente aconteceu. A menina estava ali para o que desse e viesse por grana para ajudar em casa.
Essa história rendeu ao autor a acusação de incentivar a prostituição. Não deu em nada, até porque o que fez Garcia Marques foi criar uma história com personagens diversos. Ora, ora!
Essa história de putas é coisa que se acha em livros de autores mundo afora. E nem precisamos ir muito longe, aqui mesmo no nosso Patropi houve um criador literário de imaginação incomparável. Refiro-me a Jorge Amado.
Na obra de Jorge são encontradas quase 900 personagens femininas, muitas delas estrelas de bordéis. 
As prostitutas do escritor baiano passeiam com desembaraço em vários livros. Entre esses Mar Morto, Gabriela Cravo e Canela, Tieta do Agreste…
Tereza Batista Cansada de Guerra é uma personagem marcante, belíssima e de personalidade rara. Apaixonante. Ela transa por grana, dança por grana, mas por grana não transa quando seu coração palpita forte por um homem. Nesse caso, especialmente, mestre Januário é um sortudo. É homem do mar, dono de uma embarcação chamada Flor das Águas. 
Santo Onofre
Tereza não é brinquedo, não. É pau pra toda obra.
O final do livro que tem Tereza Batista como protagonista é inesperado e emocionante. Toma toda a cena, deixando o leitor num estado de êxtase. 
Em 2001, Chico Buarque e Edu Lobo compuseram a trilha sonora da peça Cambaio, de João e Adriana Falcão.
A música que dá título ao disco termina com os autores dizendo "Eu sou mais as putas".
Em 2023, a empresa NapLab fez uma pesquisa para saber qual o país, dentre 45, são os mais promíscuos. 
Nessa pesquisa, a Austrália encabeça o ranking. 
Ainda nessa pesquisa, o Brasil ganha o 2° lugar. 
Ah! Curiosidade: o mestre Jacob do Bandolim (1918-1969) teve como mãe uma polaca: Raquel Pick.
A prostituição no Brasil foi legalizada em 2002.
Profissionais do sexo, reconhecidos por lei, são maiores de 18 anos.
Ia-me esquecendo de dizer que vagabundos, cachaceiros e prostitutas têm um santo protetor: Onofre.

domingo, 25 de fevereiro de 2024

LICENCIOSIDADE NA CULTURA POPULAR (77)

Carlos Drummond de Andrade
Há prostitutas famosas que deixaram marcas indeléveis na memória de muita gente.
Em 2016 foi descoberto um poema inédito do mineiro Murilo Mendes (1901-1975). Título: A Morte da Puta, que começa assim:

"A puta morreu
Dois soldados e quatro velas
Ficaram de plantão a noite inteira..."


Outro mineiro igualmente conhecido, Carlos Drummond de Andrade (1902-1987), escreveu e publicou o bonito poema A Puta. Lá pras tantas, ele escreve:

"...Ela arreganha dentes largos
De longe. Na mata do cabelo
Se abre toda, chupante..."


O poeta pernambucano Manuel Bandeira (1886-1968) publicou, já no seu primeiro livro, o belo Vou-me embora pra Pasárgada, que ele mesmo chegou a gravar num disco de vinil. Um trecho:

"...É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar..."


O insuspeito modernista Oswald de Andrade (1890-1954) pegou da pena e pôs no papel um poema a que intrigantemente intitulou de Flores Horizontais. Esse texto foi musicado por José Wisnik e gravado em 2000 pela cantora Elza Soares (1930-2022). Ei-lo:

“Flores Horizontais
Flores da vida
Flores brancas de papel
Da vida rubra de bordel
Flores da vida
Afogadas nas janelas do luar
Carbonizadas de remédios, tapas, pontapés
Escuras flores puras, putas, suicidas
Sentimentais
Flores horizontais
Que rezais?

Com Deus me deito
Com Deus me levanto”


A história de Elza é uma história fantástica, triste e violenta principalmente nos primeiros anos de sua vida. Era criança quando foi estuprada. Isso a marcou profundamente.
O poema de Oswald musicado por Wisnik foi, para Elza, um presente, uma alegria e prazer imensos. Essa pérola lembrou-lhe os tempos em que a mãe e ela eram lavadeiras de roupa nas casas de grã-finos.
Um dia Elza lembrou que numa das casas onde ela e a mãe trabalhavam ouviu da patroa um xingamento direcionado à própria filha, Ieda. Disse a mãe: "Você é uma puta!".
A tal garota não se conteve e retorquiu: "Sim, sou prostituta, mas sou rica, bonita e poderosa".
Elza ouviu isso e a partir daí passou a pensar sobre o assunto.
"Puta é uma palavra bonita, não é?", manifestou-se anos depois Elza.
A prostituição, sabemos, está na boca do mundo.
A música popular de todo canto registra o tema nas mais diversas línguas, pois.
Odair José, cantor e compositor de sucesso nos anos 70 e 80, deixou a sua marca em muitas canções classificadas pela crítica como “bregas”. Entre essas, Pare de Tomar a Pílula e Eu Vou Tirar Você Desse Lugar. Um trecho:

Olha
A primeira vez que eu estive aqui
Foi só pra me distrair
Eu vim em busca do amor

Olha
Foi então que eu lhe conheci
Naquela noite fria, em seus braços
Meus problemas, esqueci

Olha
A segunda vez que eu estive aqui
Já não foi pra distrair
Eu senti saudade de você

Olha
Eu precisei do seu carinho
Pois eu me sentia tão sozinho
Já não podia mais lhe esquecer

Eu vou tirar você desse lugar
Eu vou levar você pra ficar comigo
E não me interessa
O que os outros vão pensar…


Quando Odair José fazia sucesso, Marília Mendonça não havia nascido. Morreu com 30 anos de idade, em 2022. Deixou duas ou três centenas de músicas autorais. Uma dessas tem por título Troca de Calçada. Um pedaço:

Se alguém passar por ela
Fique em silêncio,
não aponte o dedo
Não julgue tão cedo

Ela tem motivos
pra estar desse jeito
Isso é preconceito
Viveu tanto desprezo

Que até Deus duvida e chora lá de cima
Era só uma menina
Que dedicou a vida
a amores de quinta

É claro que ela já sonhou
em se casar um dia
Não estava nos planos
ser vergonha pra família

Cada um que passou
levou um pouco da sua vida
E o resto que sobrou,
ela vende na esquina

Pra ter o corpo quente,
eu congelei meu coração


E ela, a Marília, também criou uma música com letra muito forte. Essa música diz assim, mais ou menos, “quem eu quero não me quer, quem me quer não vou querer. Ninguém vai sofrer sozinho, todo mundo vai sofrer”.
Entre os grupos musicais "modernos", tem o Bonde do Forró. É desse grupo o texto Garota de Programa, que lá pras tantas diz:

Eu sou tua menina e quero te dizer, amor...
Faz tempo que a saudade em minha vida só machucou
E agora que a saudade se mudou de lugar
Vem comigo agora amor que é hora de me usar

Deixei de ser garota de programa
Deixei de ser uma qualquer
Pois eu fiz com você loucuras na cama
E o telefone peguei quem sabe um dia ligar

Liguei pra dizer que eu gostei
E pra dizer que eu quero te amar
Liguei e marquei um novo encontro
No quarto escuro pra gente se amar!!!!


E por incrível que pareça, esse tipo secundário de música chega ao exterior e lá ganha versões as mais diversas.
O Queen, ainda com Fred Mercury, não deixou de cantar o tema aqui abordado.
O grupo The Police também cantou trajetórias e tragédias de prostitutas.
E Elton John hein?
Elton fez e cantou uma música que diz:

Voltei para a terra seca outra vez
A oportunidade me espera como um rato no esgoto
Todos nós caçando garotas, com dinheiro pra gastar
É pouco tempo para mostrar os truques que aprendemos

Se todos os rapazes se comportarem bem aqui
Bem, lindas jovens mulheres e cerveja nos esperam
Não precisamos dormir na sarjeta esta noite
Oh, as despesas aqui eu vou pagar, você verá

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2024

BOLSONARO VAI OU NÃO PRA CADEIA?

O que há em comum entre o ex-futebolista Daniel Alves e o ex-presidente Bolsonaro?
Bom profissional de futebol, joga futebol. Óbvio. E se for bom, bom mesmo, vira ídolo como Garrincha, Pelé, Tostão, para a alegria dos torcedores ou do povo, como se diz.
E o que pode ocorrer com o presidente de uma República, como a nossa?
Saímos do Império através de um golpe militar. O imperador foi posto pra correr e morreu em Paris. O sujeito que ficou no seu lugar era um milico de alta patente: Marechal, chamado Deodoro da Fonseca. Foi péssimo como presidente. O outro que o substituiu, Floriano, também foi péssimo e sequer deu posse a quem o substituiu, o advogado Prudente de Morais.
Floriano fez o que muitos anos depois faria Bolsonaro saindo pela porta dos fundos sem transmitir o cargo ao sucessor, no caso Lula.
Desde Deodoro, cerca 40 brasileiros assumiram  a presidência da República, fora vices como Itamar e Temer.
Aonde eu quero chegar?
O que há em comum entre o ex-futebolista Daniel Alves e Bolsonaro é o machismo. O primeiro acaba de ser condenado na Espanha por estupro. Ganhou 4,5 anos. O segundo só não estuprou uma mulher, a deputada Maria do Rosário, porque segundo ele "ela é muito feia".
Bolsonaro, como se sabe, é um homofóbico, misógino, racista e genocida que poderá ou poderia ser responsável por milhares de brasileiros e brasileiras mortos por falta de vacina contra a Covid-19. Pois, pois. 
E os indígenas que morreram à mingua na Amazônia por falta do necessário atendimento federal?
E o que dizer do incentivo dado aos garimpeiros para explorar criminalmente as terras indígenas?
Bolsonaro disse mais de uma vez que não respeitará decisão nenhuma de Alexandre de Morais.  Só quero ver, pois foi intimado a comparecer hoje à PF para falar da tentativa de Golpe de Estado que poderia ter dado certo no dia 8 de janeiro de 2023. Pode fechar a boca e não dizer nada, mas que vai vai. E se não falar é porque é covarde. Ameaça, ameaça e  na hora H, mija no pé.
O Daniel Alves já está na cadeia.
Cadeia por cadeia, a cadeia já está de portas abertas para Bolsonaro. Questão de tempo e que ele seja posto em uma cadeia verdadeiramente de segurança máxima e não como aquela de Mossoró, RN, da qual fugiram dois bandidos associados a uma tal de organização criminosa chamada Comando Vermelho. 
Pois é, a Lei é para todos. E se a Lei é para todos, para todos também é a cadeia.
E vamos pelo caminho da Democracia, da Liberdade!

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2024

ITALIANOS NO BRASIL DESDE 1874

Há 150 anos chegaram os primeiros italianos ao Brasil. Foi no mês de fevereiro de 1874 e o local por eles escolhido foi a região serrana do Espírito Santo, ES, hoje chamada de Santa Teresa.
Depois já mais para o final do século 19 os italianos passaram também a ocupar o território paulista. Entre os imigrantes com destino a São Paulo se achava Giuseppe Rielli, que viria a ser o primeiro sanfoneiro a gravar discos no Brasil.
Giuseppe, ou abrasileiradamente José, gerou filhos que também escolheram a música como profissão. Destaque para Osvaldo Rielli. Leia: SIVUCA É SINÔNIMO DE SANFONA
A Itália, na verdade, nos deu grandes artistas diretamente ou indiretamente.
Você já ouviu falar em Mário Zan? Leia: NO CÉU, LUIZ GONZAGA E SIVUCA
A Itália também abriu espaço para brasileiros, como Carlos Gomes.
Em março de 1870, o maestro Carlos Gomes apresentou no Scala de Milão a ópera Il Guarany. Leia: CARLOS GOMES: A GLÓRIA NO TREM DO ESQUECIMENTO (1)


terça-feira, 20 de fevereiro de 2024

A LEI É PARA TODOS

O ex-deputado eleito presidente pelos bolsonaristas pode ir em cana num dia qualquer da semana que vem, pois ele e os seus seguidores continuam torcendo contra o Brasil. Querem golpe, querem ditadura, querem punir o povo pela pobreza que vivem.
Quem não se lembra de que o tal fez campanha contra vacinas inclusive a que combate a Covid-19? 
O ministro Alexandre de Morais marcou pra quinta-feira próxima mais um depoimento do ex-presidente à PF. A determinação tem por objetivo ouvir o tal sobre a tentativa de golpe de Estado e o quebra-quebra ocorrido nos três poderes, em Brasília no dia 8 de janeiro do ano passado. 
O cara não quer ir depor, confirmando o que antes disse: que não respeitará mais nenhuma determinação de Moraes. Hmmmm...
A Lei é para todos, não é mesmo?
Um poeminha para refrescar a memória dos esquecidos:

Já não são quinhentas mortes
Já não são quinhentas mil
A desgraça toma corpo
No coração do Brasil

Não são mortes naturais
As mortes de Silvas e Bragas
São mortes provocadas
Por vírus, pestes e pragas

Praga viva inda mata
Homem, menino e mulher
Mata completamente
Do jeito que o bicho quer

Maldito Coronavírus
Que pega e mata gente
O Brasil está morrendo
Nas garras do presidente

Presidente também morre
De morte matada ou não
Lugar de quem não presta
É lá no fundo da prisão!

A cadeia te espera 
Presidente matador 
Quem apanha hoje é caça
Amanhã é caçador 

POSTAGENS MAIS VISTAS