Seguir o blog

terça-feira, 15 de outubro de 2019

IRMÃ DULCE AGORA É SANTA. E O PADIM CIÇO?

A irmã Dulce virou santa e o padre Cícero, hein?
Dos nove Estados nordestinos, o Ceará é o que oferece mais candidatos à eternização no correr dos tempos: quatro, além do Padim.
Em 1928 a menina Benigna Cardoso da Silva preferiu morrer na ponta de uma faca a ceder aos instintos sexuais de um tresloucado adolescente. Ela tinha só 13 anos de idade e já à época foi considerada uma santa mártir pela população cearense.
Os outros três candidatos a santo são religiosos, como José Antônio de Maria Ibiapina (1806-1883).
O padre Ibiapina nasceu no Ceará e morreu na Paraíba. Ele foi um dos mais completos cidadãos que andaram pelo árido solo nordestino desenvolvendo bondades e todo o tipo de assistência aos miseráveis que topava pela frente. Foi um dos grandes intelectuais da Igreja Católica.
Todos esses candidatos, mais o padre Padim Ciço esperam reconhecimento para beatificação pelo Papa Francisco, que acaba de canonizar a soteropolitana Maria Rita de Sousa Brito Lopes Pontes (1914-1992).
Para o povo nordestino, Ciço já é santo há muito tempo, mesmo antes de ser excomungado pela Igreja.


domingo, 13 de outubro de 2019

Baianos de Nova Soure em Sampa


O mês de outubro jamais deveria ser esquecido na história do Brasil. Por uma razão gritante: foi nesse mês, precisamente no dia 5, que as Forças Armadas liquidaram com toda a população do 
Arraial de Canudos, na Bahia.

Quem mandou acabar com o povo de Canudos, entre os anos de 1896 e 1897, foi o então presidente da República Prudente de Morais. Prudente foi o primeiro presidente civil do País.

Ontem 12 foi o aniversário de nascimento do cantor country do Brasil, Bob Nelson.

E por falar em country, ali na Zona Sul paulistana, no Terra Country, está rolando um som da pesada, como diz o pessoal aí mais novo.

O nova-sourense Darlan Zurc conta que todos os anos, desde 2016, é promovido em São Paulo o Encontro dos Baianos Nova-Sourenses perdidos na capital dos bandeirantes. Esse encontro, ainda segundo ele, é cometido com o intuito de localizar os conterrâneos e pô-los frente a frente. O primeiro que sacar a arma, qualquer arma, pode morrer, mas sabendo o motivo.

Nova Soure é um município distante uns 230km de Salvador, capital-berço de personagens de grande relevância na cultura nacional como o compositor, ator, poeta e músico Xisto Bahia, autor da primeira composição gravada em disco no Brasil: o "Lundu Isto é Bom", gravado por Bahiano, de batismo Manuel Pedro dos Santos (1870-1944).

Deixo aqui uma sugestão para o próximo encontro dos nova-sourenses: que se mostre a cultura daquela região.

Ah! Pra quem não sabe: Luiz Gonzaga, rei do baião, abria os espetáculos de Bob Nelson. Em vinte e quatro músicas da discografia de Nelson, traz o som da sanfona do grande exuense.

Você, meu amigo e minha amiga, já foi pousar os olhos na belíssima exposição multimídia sobre Luiz Gonzaga, ali no Centro Cultural de Santo Amaro?


segunda-feira, 7 de outubro de 2019

HÁ 70 ANOS O REI DO BAIÃO CRIAVA O FORRÓ




Luiz Gonzaga morreu, mas a sua obra está viva.
O Rei do Baião, como ficou conhecido, deu vida a vários ritmos que hoje integram o cancioneiro popular.
Além do baião, que lançou com o cearense Humberto Teixeira em 1946, Gonzaga e o sei conterrâneo Zé Dantas criaram o forró como ritmo e gênero musical.
O forró foi gravado pela primeira vez no dia 10 de novembro de 1949, há 70 anos portanto. É tempo, pois, de comemorarmos essa ultima criação do pernambucano de Exu Luiz Gonzaga do Nascimento.
Gonzaga é o mais biografado artista da música popular brasileira. Mais de 50 livros já foram escritos a seu respeito. Eu mesmo escrevi e publiquei três: Eu vou contar pra vocês, Dicionário Gonzagueano e Lua Estrela e Baião, a História de um Rei. Fora isso, o artista já foi personagem de mais de 400 folhetos de cordel. Em sua homenagem já foram compostas e gravadas mais de quinhentas músicas.
A partir de quarta 9 estaremos apresentando ao público uma grande exposição sobre a vida e carreira artística do Rei do Baião. Isso, no Centro Cultural de Santo Amaro. Vale a pena dar uma espiada nessa mostra. Para saber mais, acesse os links ai:








domingo, 6 de outubro de 2019

LUIZ GONZAGA: NA ETERNIDADE DOS 30



É impressionante como ainda há brasileiros e brasileiras que não sabem o tamanho do Brasil, novos e de ontem.
O Brasil é do tamanho dos melhores pensamentos, das melhores ideias.
Não há um Brasil fora do Brasil, tão grande quanto este em que vivemos. O Brasil é especial.
Foi no Brasil que nasceu o maior compositor de todas as Américas: Antônio Carlos Gomes (1836-1896).
Amar o Brasil, é amar quem mais a gente ama: pessoas iguais a nós, de todos os sexos.
No campo da cultura popular, o Brasil não tem igual dentre quase 200 nações catalogadas pela Organização das Nações Unidas, ONU.
Eu andei por aí, procurando Luiz Gonzaga em tudo quanto é lugar. E eu achei o Brasil em todo canto.
O Brasil é único, nos seus mais de 8,5 milhões km².
Os capitães idiotas passam, e o Brasil fica.
Tudo isso, até aqui dito, tem uma razão: Luiz Gonzaga (1912-1989).
O brasileiro Luiz Gonzaga do Nascimento corneteiro 122 do Exército brasileiro transformou-se no Rei do Baião, do Xote, do Xaxado, da Marchinha Junina e do Forró.
Luiz Gonzaga e o seu conterrâneo José  Dantas , o Zé Dantas (1921-1962) inventaram o forró. Isso aconteceu, historicamente, no dia 10 de novembro de 1949.
O Forró, como gênero musical, está completando, pois, 70 anos de vida.
No próximo dia 8, estarei junto com o Brasil contando a história do forró no Centro Cultural Santo Amaro. O endereço é este: Av. João Dias, 822, Santo Amaro.
É coisa bonita o que ocorrerá nesse 8 de outubro, a partir das 19h. Lá estaremos com a fabulosíssima Laia, cantora por todos os astros a nós enviada e o menino-mestre Marquinhos Mendonça (do violão, incrível).
Nessa noite de 8 de outubro de 2019 estarão comigo, além de Laya e Marquinhos, o caboco forte das Alagoas Ibys Maceioh.
Isso tudo tem a ver com Luiz Gonzaga: Na Eternidade dos 30.
É muita história.
Ou a gente redescobre o Brasil e o ama ou estaremos perdidos.

Atenção: A visitação pública a essa exposição ocorrerá a partir de quarta feira 9, até o dia 7 de novembro.

https://soundcloud.com/user-779693455/radio-usp-programa-vira-e-mexe-assis-angelo-5-10-2019

https://tvuol.uol.com.br/video/bem-da-terra-homenagem-aos-30-anos-de-morte-de-luiz-gonzaga-04024E19316CC0B96326


segunda-feira, 30 de setembro de 2019

SETEMBRO MÊS DOS REIS CHICO MANÉ...







No dia, mês e ano em que o cantor Francisco de Morais Alves, o Chico Alves, também conhecido como o Rei da Voz, partia em direção ao céu depois de um a cidade automobilístico na via Dutra, região de Taubaté e Pindamonhangaba, eu desembarcava neste-mundinho-de-meus-Deus-do-céu também, para poucos, conhecido como inferno. E cá estou eu chiando, mas vivo desde a madrugada do dia 27 de setembro de 1952.
Chico Alves morreu aos 54 anos, uma semana e um dia de idade, deixando 983 músicas gravadas em disco de 78 RPM, nos mais diversos ritmos.
Em 1919, Chico gravou em Disco Popular a primeira música (ai ao lado) do seu amplo repertório: O pé de anjo, marcha carnavalesca de Sinhô (José Barbosa da Silva;1888-1930).
Sem dúvida, Chico é uma lenda. Até porque diziam ser ele um grande “comprositor”. Mas essa é outra história.
Chico partiu para a Eternidade no dia em que também nascia Manuel Pereira de Araújo (ai comigo, na foto), pernambucano da cidade de Cabo de Santo Agostinho e que o tempo o transformaria no Rei da Embolada. Mané nasceu no ano de 1910 e foi-se dia 23 de maio de 1993, deixando aqui a gente chorando por ele. Para amenizar a dor eu chamei uma semana depois Teo Azevedo, Rolando Boldrin e outros amigos para um canto de roda naquela igrejinha que há ali por perto da rua Frei Caneca, bairro paulistano de Cerqueira Cesar.
Mané começou a gravar discos em 1933. Ele era admirador quase fanático de Minona Carneiro (1902-1936). Minona era um embolador arretado!
Quem descobriu Manezinho para a música foi o violonista Josué de Barros (1888-1959), também descobridor da portuguesinha Carmem Miranda (1909-1955).
Eu guardo com muito carinho, na memória, a imagem e a voz do Rei da Embolada. Eu costumava frequentar a sua casa na rua Augusta, cá em Sampa. Muitas vezes o querido colega de profissão e amigo Audálio Dantas (1929-2018) ia comigo abraçar o Mané. Quanta história!


67 ANOS, UMA ETERNIDADE...

Até aqui, pelas minhas contas, eu já vivi 804 meses, 3500 semanas, 25 mil dias e pelo menos 580 mil horas. É tempo, não é? Pra comemorar esse tempo, a minha filha Ana e a santa Ivone resolveram chamar amigos para eu comer e beber com eles. Foi sábado, 28. Tem um registro ai, que abre este texto. 
Agradeço a Deus por ter me dado pessoas tão queridas como essas que ai estão, na foto. 

POSTAGENS MAIS VISTAS