Seguir o blog

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

NAS RUAS, O POVO PELO POVO.

 Hoje Eu amanheci meio abusado e deu até vontade de amolar minha faquinha, para capar alguns cabras que empesteiam a política nacional.
 A política é nescessária em qualquer país, desde que desenvolvida para o bem social. Aliás, isso já dizia o mestre Aristóteles. E nem precisamos ir a tão longe.
 Aristóteles, discípulo de Platão, viveu ha uns tres séculos antes de Cristo.
 Pois bem, e nem precisamos, mesmo,  ir a tão longe.
 O dramaturgo alemão Bertolt Brecht, que nasceu no século 19 e desenvolveu sua obra no correr do século passado, não se cansava de falar da importância de as pessoas se inteirarem sobre política. Dizia até que o pior político é o político analfabeto, aquele que tem olhos e se recusa a vê. Clique:

 De meio abusado, o meu grau de irritação hoje foi à estratosfera.
 Já era madrugada quando ouvi no rádio a notícia da suspensão do alagoano Renan da presidência do     Senado. A decisão, em liminar, partiu do decano Marco Aurélio, do STF.
 Renan e mais um bando de senadores envergonham a política brasileira.
É preciso que se passe a limpo o Congresso. Na verdade, os senadores, deputados e políticos de outras esferas estão hoje muito aquem de representar o povo.
 O povo, hoje, está sendo muito bem representado por ele mesmo nas ruas do Brasil.

 Todo dia é dia de Brasil
 De Brasil especial
 De Brasil de toda gente
 De Brasil nacional...


domingo, 4 de dezembro de 2016

TTRAGÉDIAS NO AR E NA TERRA


Celia, Téo, Assis e Celma, no IMB
O mundo é feito de tragédias, de dramas e tragédias.
No meio da madrugada da última terça, ouvi pela CBN notícia dando conta da queda de um avião que levou para o céu mais de 70 almas.
Enquanto isso acontecia em terreno colombiano, no Planalto brasileiro deputados pelo povo eleitos maracutaiavam na Câmara um projeto que, a princípio, era a favor da sociedade. Na maracutaia por eles engendrada, tudo virou e virou a favor deles, dos maracutaieiros.   
Enquanto o mundo todo chorava a tragédia ocorrida no solo colombiano, os maracutaieiros brasileiros riam do povo que os elegeram. O presidente deles, na Câmara, o chileno Rodrigo Maia, ainda procurou se justificar dizendo que a Câmara não é cartório para carimbar o que o povo quer.
A tragédia do avião que caiu na Colombia, enlutou o mundo todo.
O que o povo colombiano fez, em homenagem aos mortos daquele acidente, jamais o Brasil faria de modo espontâneo.
Mas como eu disse ali em cima: o mundo é feito de tragédias...
Ouvi no rádio que o presidente tampão, Michel Temer, iria a Chapecó receber e homenagear os mortos no aeroporto da cidade, e que não iria ao velório por medo de ser vaiado.
Na minha terra, cabra que se comporta desse jeito é frouxo.
Temer é um frouxo.
Temer é uma tragédia, uma tragédia brasileira; filhote de outra tragédia, a tragédia oriunda de uma presidenta. E como filhote dessa tragédia, temos um presidento. Esse presidento outro dia disse que em tempos de instituições fracas, qualquer “fatozinho” dá no que dá.
Nessa brincadeira de mau gosto, nós, brasileiros, continuamos a comer desde sempre, o pão que o diabo amassou.
Claro, a república brasileira é uma tragédia; e tudo começou em 1889 com o alagoano Deodoro da Fonseca, marechal.
De lá pra cá, a porca torceu o rabo, e como torceu!
Foi governo e veio governo e pouco ou nada de bom para o povo ocorreu.
Em 1930, Getúlio virou o pai do povo. Mas no seu tempo, as artes tinham vez. Incrível, não é?
Getúlio foi ditador.
Depois de Getúlio, pouco depois de Getúlio, o mineiro Juscelino Kubitschek disse uma vez que no seu dicionário não havia o verbete “covarde”.
Temer vaia do povo é covardia.
O fato meus amigos, o fato minhas amigas, é que a cultura brasileira está mais pra baixo do que cu de cobra. E como cobra, deslizando...
Hoje estiveram no Instituto Memória Brasil, IMB, as cantoras Celia e Celma – vozes puríssimas da música popular brasileira. Com elas e comigo esteve o Téo Azevedo, um dos mais completos artistas da cultura popular da nossa terra, compositor excepcional, fertilíssimo, ganhador recente do Grammy Latino e do título de Cidadão Paulistano.
A conversa entre esses artistas, que registrei, girou em torno da atenção que nossos governantes lhes dão. Ou seja, nada, zero, coisa nenhuma. Meu Deus!
Um país se faz com educação e cultura.
O último brasileiro a ocupar a pasta da Cultura, Marcelo Calero denunciou um ministro de Temer, Gedel, por tráfico de influência. E aí, com isso, Temer perdeu seu 6º ministro em seis meses de presidência.
Alguma coisa está errada, e ainda tem, batendo à porta, a Odebrecht: mais de 70 executivos da empresa acabam de assinar acordo de delação premiada. Falam-se em cerca de 200 nomes de políticos envolvidos em ma-ra-cu-ta-ias.
E agora? O Brasil é lindo, mas...  

O mundo está de luto
E chorando sem parar
A tristeza é muito grande
Espalhada pelo ar
Levando muita gente
A acender velas e rezar

MAIS UM POETA NO AR:  EU CONHECI O MARANHENSE FERREIRA GULAR. UM GRANDE POETA. DE HISTÓRIA COMPRIDA E BELA. FERREIRA GULAR VIROU ESTRELA, COMO OS ATLETAS CHAPECOENSES. VIVA FERREIRA GULAR!


POSTAGENS MAIS VISTAS