Seguir o blog

sábado, 18 de novembro de 2017

HOJE É DIA DOS MENINOS FAUSTO E CORTEZ

Eu não sei como esse mundinho besta vai acabar, mas ele começou do nada, assim à toa, numa explosão: Buuuuuuummmmm!
Essa é uma tese. A outra pode ser lida em Genesis. 
Diz-se que, como na primeira tese, tudo começou do nada.
No princípio, por não ter o que fazer, Deus decidiu se divertir. Olhou prum lado, prá outro, entendendo que tudo estava monótono demais, e aí plin, plin, e do nada surgiram o céu e a terra, misturados. No primeiro dia ele cuidou de separar uma coisa da outra, a luz das trevas. Criou o mar, as plantas, as aves e todo tipo de animal. Por derradeiro, no sexto dia, achou que estava faltando uma espécie entre os animais: éramos nós. Foi daí, da terra, que surgiu essa coisa a que todo mundo chama de homem. Depois, penalizado o arrependido, decidiu do homem arrancar uma costela e dela criar do Homem a versão feminina. Vejam só!
Não sabemos há quanto tempo foi isso. Há bilhões, trilhões de anos?
Por mais cabeção que seja o homem jamais conseguirá saber o dia em que Deus criou a Terra, o Universo.
Paremos por aqui e vamos bater palmas para pessoas a quem amamos, que nasceram em data que sabemos. 
Há poucos dias eu completei 65 anos de idade. Hoje, nesse número que me alcança é Fausto, o cartunista, um criador do Criador.
Quem também está comemorando novidade é José Xavier Cortez. Perguntinha, pois perguntar não custa: quem nas cem Currais Novos o que é? Resposta: É Cortez, hahahahaha.
Fausto é paulista de Fernandópolis e Cortez, nordestino de Currais Novos, RN. Fausto nos diverte com seu bom humor explicitado na sua obra de cartunista e Cortez nos ensina, também com humor.
Há quase 40 anos, Cortez emprestou o seu nome à uma Editora que meio mundo conhece. Até eu lancei livro por ela: A Menina Inezita Barroso e Lua, Estrela, Baião: A História de um Rei.
Como Fausto, José Cortez nasceu guerreiro e cedo trocou sua cidade berço pelo ruge-ruge do Rio de Janeiro, onde fez história, ali pelos perigosos anos de 1960, como marinheiro, insatisfeito com os rumos que o Brasil começava a tomar. Resultado: findou caçado pela rebordosa. Mas a vida tinha que seguir, e ele foi para São Paulo, onde casou-se, teve filhas e tornou-se um dos maiores editores e livreiros do Brasil.
Viva Cortez!
Viva Fausto!
Cortez completa hoje 81 anos de idade.


quarta-feira, 15 de novembro de 2017

A REPÚBLICA E A BESTA TEMER

Temer, presidente ocasional, foi ao vizinho município da Capital Paulista, Itu, para dizer que o povo brasileiro é, digamos assim petulante. Só faltou dizer que o golpe de 64 existiu porque o brasileiro é autoritário. Sim, foi isso que ele falou, o brasileiro é autoritário.
Temer é uma besta, eleito na mesma chapa de uma mulher que se perdeu na vida, Dilma, Pena. 
Temer transferiu a presidência hoje pára Itu porque, segundo ele, Itu é o berço da República.
Temer é uma besta. Uma besta analfabeta. E todos nós que tivemos Dilma como presidente, nós todos, brasileiros, somos culpados, pois ela entrou nessa de presidente porque o povo elegeu Dilma.
A república brasileira começou cm o Golpe Militar. Esse golpe, de verdade, concretizou-se no dia 15 de novembro de 1889. Foi no Rio. E o primeiro cara presidente foi o alagoano Deodoro.
Temer foi a Itu para reforçar o mito de que o assunto República no Brasil começou a ser ventilado em Itu...
Foi na cidade paulista de Itu, no dia 28 de abril de 1873, que um grupo de cento e poucos maiorais realizou, digamos, um encontro convencional para discutir ops rumos do Império.
Bem, no dia 03 de dezembro de 1870, Quintino Bocaiúva reuniu intelectuais ricos, ricaços e rincões do País pára redigir e anunciar em público uma carta, digamos assim, com as bases do que seria a República proclamada pelo alagoano Deodoro.
Pois é, o berço da república não é Itu, e o Rio de Janeiro, o local do Golpe que elevou à autoridade máxima o alagoano Deodoro da Fonseca.
O militar Deodoro foi usado por militares e Temer é uma besta. E eu digo isso porque simplesmente ele desconhece a história do Brasil... Caraca!
Em 1967, acho, Inezita Barroso (1925-2015) gravou um LP incrível, maravilhosos, desconhecido certamente por todo mundo hoje. Esse disco, lançado pela extinta gravadora Copacabana, intitulou-se A |Moça e a Banda. Nesse disco, ela canta, acompanhada pela Banda da Polícia Militar de São Paulo, o Hino da Proclamação da República. Ouça:





segunda-feira, 13 de novembro de 2017

MACHADO E A VIUVINHA

Machado de Assis  é um dos nomes mais fortes da literatura brasileira. Ele nasceu no século 19, e foi se embora no século 20,(1908) no Rio de Janeiro. Foi até jornalista e cobriu com eficiência muitos debates no Senado. Deixou textos vibrantes, bonitos, bem feitos e falou sobre muitos assuntos, inclusive sobre escravos e abolição. Casou com uma portuguesa e foi feliz, certamente. A sua obra literária é extensa.
O primeiro livro de Machado de Assis recebeu o título de Cinco Minutos. Ops! Esse livro é o primeiro de José de Alencar. Trata da história de um jovem que se apaixona perdidamente por uma adolescente. É uma história muito bonita com final feliz. Final feliz também tem o seu segundo romance, A Viuvinha. Epa! Esse é o segundo livro de Alencar. Conta a história de uma jovem que vivia com a mãe. A jovem chama-se Carolina, e a mãe, Maria.
Jorge é o jovem protagonista que morre de paixão por Carolina. Só que o Jorge era, digamos, um porra-louca. Não era de trabalhar, de bater ponto, como os jovens do mundo todo fazem. Ele herdou do pai uma boa bolada, e essa bolada ele passou a torrar nos cabarés do seu tempo, ou do tempo em que o autor carioca o situou. Em três anos Jorge torra tudo e fica pobre, pobre de marré, marré. Encurtando a história: mesmo falido, sem um puto no bolso, Jorge se casa com Carolina, mas não vai às vias de fato na noite de núpcias. E com dor de corno pensa em se matar com um tiro no coco, mas é impedido por seu tutor o Sr. Almeida que o convence a mudar-se para os Estados Unidos de onde anos depois volta com os bolsos cheios de grana, e mais não vou contar, Leiam o livro e saibam por que  Carolina é chamada de Viuvinha.
Carolina, por um desses momentos inexplicáveis da vida real e ficcional, era como se chamava a mulher do fluminense Machado de Assis.
Os grandes autores sempre passearam por gêneros diversos. Caso do próprio Machado, José de Alencar e Augusto dos Anjos.
Machado de Assis foi, além de romancista, um poeta que encontrou no romantismo um bom caminho. 
O primeiro poeta romântico, assim dito com todas as letras foi Domingos José de Magalhães (1811-1882). Ele era de Niterói. Deixou uma expressiva obra, e como Machado foi também jornalista e mais do que Machado foi advogado, político e barão. Seu livro, marco do romantismo nacional intitulou-se Suspiros Poéticos e Saudades. O Machado de Assis foi de fato, um cara que deixou uma marca profunda na vida intelectual brasileira. Vocês conhecem o Teatro do Machado, vocês conhecem a poesia do Machado, vocês conhecem as crônicas do Machado publicadas nos Jornais do Rio de Janeiro. Pois é, Machado foi do nome Machado, na verdade Machado, esse Machado foi uma bomba atômica da pena e do pensamento da vida brasileira do século 19. O último livro dele, Memorial de Aires, registra de modo ficcional a Abolição dos Escravos. Voltarei a falar desse livro.


CABEDAL QUARTETO




Criado há cerca de um ano por Bráu Mendonça e Galba, o Cabedal Quarteto tem dado o que falar por onde anda, nas curtas temporadas que tem feito São Paulo afora. O falatório é dos melhores. O grupo é formado por  Bráu, violão; João Antonio Galba, violino, rabeca e outros instrumentos; Gilson Bizerra da Silva no baixo e Leandro Martins na percussão. Amanhã, 14, a partir das 20:30 hs o grupo estará exibindo seu repertório formado por pérolas da MPB e autorais, como Feira Livre do Bráu no vídeo acima, lá no Dois Santo Bar, (Rua São Vicente, 157, Bixiga) Se eu fosse você reservaria já um lugar, pelo telefone 31151903.

domingo, 12 de novembro de 2017


VIVA AUGUSTO, O POETA DA VIDA!


O que se ouve e se vê no rádio e na televisão hoje no Brasil é notícia que não presta sobre crimes de todos o tipos, de corrupção a homicídios.
Segundo as estatísticas, cerca de 60 mil pessoas são assassinadas anualmente no Brasil e outras 60 mil são vítimas das ruas, avenidas e estradas, de motoristas loucos, irresponsáveis, que não dão bola à vida alheia e nem à própria. E matam por matar.
As delegacias de polícia e presídios do País estão abarrotadas de culpados e inocentes. Cerca de 50% das pessoas que estão presas, sem acusação formal, estão enquadradas no item penal que fala de "preventiva".
A maioria ou boa parte dos que estão presos é, na linguagem chula, "pé de chinelo". 
Esse panorama, de presos pobres, está mudando desde três anos atrás, quando se iniciou a operação Lava-jato.
Nunca como nos dias atuais tantos figurões de colarinhos brancos foram pegos com mãos na botija. Gente de cabedal, importante, que olha o povo de cima pra baixo, com o nariz arrebitado. Ê, lelê!
Pôxa, mas não era sobre isso que eu ia falar aqui. 
Bem, eu queria começar este texto dizendo que chega a ser triste o fato de ninguém noticiar o aniversário de morte do poeta simbolista-parnasiano Augusto dos Anjos.
Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos partiu para a Eternidade no dia 12 de novembro de 1914, dois anos depois de publicar Eu, seu único livro, de modo independente, com produção e impressão pagas com dinheiro que um irmão lhe emprestou.
Meu amigo, minha amiga, você sabe o que há em comum entre Augusto dos Anjos, paraibano, e o piauiense Firmino Teixeira do Amaral, além de poetas? 
Augusto e Firmino morreram com 30 de anos de idade. Mais jovem e tão importante quanto os dois, só o sambista carioca Noel Medeiros Rosa, que morreu com 26 anos, 4 meses, 3 semanas e 2 dias.
Noel Rosa ficou conhecido como o Poeta da Vila e deixou obras como Palpite Infeliz, lançada por sua grande intérprete, Aracy de Almeida:



Poeticamente, poderíamos classificar o já classificável Augusto como um poeta parnasiano, mas na sua obra também dá pra perceber com clareza traços fortes do Simbolismo. E uma coisa curiosíssima: Augusto também tem a ver com Romantismo, sim senhor!
Domingos José Gonçalves de Guimarães (1811 - 1877) é considerado o inaugurador da poesia romântica no Brasil.
Em 1836 Guimarães publicou Suspiros Poéticos e Saudades. Esse livro é considerado o marco da poesia romântica. É muito bonito. E ali entre as páginas 34, 40, 50, tem Augusto dos Anjos puro.
O primeiro poema de Augusto dos Anjos foi Saudade, que escreveu em 1900.
Entre os tantos belos poemas de Augusto, há Versos Íntimos. Nesse poema ele fala algo sobre homens e feras e da necessidade do homem também ser fera. Confiram:

Vês?! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão – esta pantera -
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te a lama que te espera!
O Homem que, nesta terra miserável,
Mora entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera

Toma um fósforo, acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro.
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa ainda pena a tua chaga
Apedreja essa mão vil que te afaga.
Escarra nessa boca que te beija!


E beleza por beleza ouçam essa menina, cuja idade não sei, mas dá um tom muito especial ao poema acima:


Eu tinha ali uns treze, quinze anos de idade quando, na escola, alguém me disse que Augusto lecionara no Liceu Paraibano. Pois é, eu estudei lá. E aí, não sei porquê, o nome Augusto ficou na minha mente e não demorou muito o achei numa livraria, num sebo talvez. Fiquei doido ao ler Eu. Depois disso, bons anos depois, descobri Schopenhauer, Nietzsche, por indicação de um amigo querido que não sei por onde anda: Gemy Cândido, autor de um dos mais completos estudos sobre o nosso poeta. Esse estudo, Fortuna Crítica de Augusto dos Anjos (1981), resultado de uma enorme pesquisa.
Viva Augusto dos Anjos!
Ah! Augusto dos Anjos casou, teve um filho morto e entrou para a história da crítica como o Poeta da Morte. É isso.









WAACK E RACISMO

O preconceito, a discriminação e o racismo andam lado a lado, juntos como irmãos siameses. São terríveis. 
No começo, bem no começo, o Brasil era habitado por índios que falavam inúmeras línguas, sendo a mais conhecida, o Tupi. E aí vieram os portugueses e outros povos de terras distantes... que acabaram com os índios e suas línguas, escravizando-os. Corria o ano de 1500 quando Cabral aportou na Costa baiana.
Entre 1539 e 1542 começaram a desembarcar em Salvador, Recife e São Luís, os primeiros negros caçados a laço na África. 
Conta a história que 5,2 milhões de africanos foram obrigados a trabalhar no Brasil até o advento da abolição, em 1888.
Europeus, negros e índios se misturaram, resultando no que somos hoje: uma população fortemente miscigenada, cantada em verso e prosa.
Depois da escravidão negra veio a escravidão branca, geral, praticada ainda hoje sob a batuta do capitalismo selvagem.
É comum a imprensa noticiar casos de exploração humana, no Brasil e em boa parte do mundo.
Pois bem, a Imprensa e redes sociais têm noticiado rumoroso caso envolvendo o apresentador de tevê William Waack. "Isso é coisa de preto", ele teria dito ao ser incomodado por um buzinaço ocorrido diante da sede do governo norte-americano, há um ano. Esse comentário, gravado por um ex-funcionário da Globo, foi tornado público na madrugada do último dia 8.
Se Waack disse o que dizem ter dito, é lamentável.
A escravidão é uma coisa horrorosa, independentemente da cor da pele. E muito já se falou sobre isso e certamente muito ainda se falará.
O preconceito, a discriminação e o racismo são males que devem ser combatidos por todo mundo, em todo canto e em todos os tempos. No Brasil é crime que dá cadeia.
Será que a Globo afastou Waack para provocar polêmica e aumentar a atenção dos telespectadores para a nova novela das nove, O Outro Lado do Paraíso? Aliás, nesse folhetim global há uma personagem que fica doida da vida ao saber que seu filho está apaixonado por uma empregada doméstica negra -"Eu não vou ter um neto preto", declara . A personagem não se diz preconceituosa, diz querer apenas o melhor para o filho. 
A Globo já enfocou várias vezes o racismo em suas novelas. Quem não lembra da Escrava Isaura, de Bernardo Guimarães?
O tema também foi muitas vezes abordado pelos compositores de música popular. Quem não lembra de Nega do Cabelo Duro, de Lamartine Babo?
Outros títulos da MPB que foram lançados há quase cem anos pela indústria fonográfica: Pai João de Almirante e Luiz Peixoto; Abolição de Wilson Batista e Orestes Barbosa, Geme Negro de Synval Silva e Ataulpho Alves; Olha o Jeito desse Negro, de Custódio Mesquita e Evaldo Ruy e Terra Seca, samba de Ary Barroso (ouça abaixo com Ângela Maria), entre outras.



sexta-feira, 10 de novembro de 2017

ESTADO NOVO NUNCA MAIS!

O dia de hoje, 10 de Novembro, marca a instalação do famigerado sistema de governo que ficou conhecido como Estado Novo.
O gaúcho Getúlio Vargas (1882.-1954), começou a habitar o mundo da história logo após aplicar um golpe que o levou ao poder em 1930. Depois anos depois, ele botou para quebrar em São Paulo e noutros pontos do país.
A Constituição de Vargas foi uma dolorosa piada, e também um golpe, que fez o povo brasileiro sofrer profundamente.
Com o advento do Estado Novo, as liberdades no Brasil foram suspensas. O Congresso foi fechado etc. Em contraponto, os trabalhadores passaram a ter benefícios. Pois é.
Nesse mesmo ano de 1937, portanto há oito décadas, o Brasil começava a respirar ares sufocantes.
O Estado durou até 1945.
A Segunda Guerra Mundial começou com a invasão da Polônia pelas tropas de Hitler em 1939. Por esse mesmo tempo o fascismo ganhava força com a cara feia de Mussolini.
Getúlio caiu em 1945 e voltou em 1951, para 3 anos depois dar um tiro no peito e morrer.
A ascensão de Vargas ao poder coincidiu com o reconhecimento da força do rádio e firmação do disco e do cinema nacionais.
O poeta Carlos Drummond de Andrade atuou no governo Vargas como chefe de gabinete do ministro Capanema, da Educação.
O maestro Villa-Lobos também deixou sua marca no governo Varguista. 
Foi Villa-Lobos quem levou o canto orfeônico às escola. E é dele a pesquisa que fez no interior da Paraíba que resultou num monte de cantigas populares do mundo infantil.
Getúlio Vargas, quem não sabe, entrou para a história como uma espécie de paizão dos pobres. Seus discursos, aliás, começavam sempre com um chavão: "trabalhadores do Brasil". Muitas músicas foram compostas em sua homenagem ou inspiradas nele como O Retrato do Velho, lançada pelo rei da voz Francisco Alves, ouça:


Outra músicas, muitas outras músicas foram feitas por inspiração do populista gaúcho, como O Bonde de São Januário (ouça abaixo com Cyro Monteiro e Ataulfo Alves).


Nenhum governo ditatorial é bonzinho.
Todo governo personalista é ditatorial.
Democracia é outra coisa.
Encero este texto com uma dúvida: se a democracia surgiu na Grécia antiga, por que na Grécia antiga havia escravos e por que Sócrates foi condenado à morte só pelo fato de levar jovens a pensar?

PENSAR É SÓ PENSAR

Tudo liga tudo. Pois é, simples assim, no pensar poético do meu amigo e parceiro baiano Gereba. Desse modo, e após ouvir uma amiga a mim dizendo, rindo, "é isso, sem mais delongas". A mesma amiga, cujo nome não revelo para não morrer condenou-me ao fogo dos infernos por não convidá-la a ir comigo bater palmas para Anastácia, cantora e compositora que todo mundo conhece que há poucos dias apresentou-se no palco do Teatro Sérgio Cardoso, localizado ali no paulistanissimo bairro da Bela Vista. "Essa não lhe perdoo", fulminou-me. Pois, pois.
De fato, o espetáculo proporcionado por Anastácia foi inesquecível, ela estava como sempre, linda, do alto dos seus 77 anos de idade bem vividos.
Anastácia dá amostras de que está sempre de bem com a vida, e consigo, naturalmente. E disse-me estar amando.
Do mesmo modo que tudo liga tudo, uma coisa puxa a outra.
O Amor é um sentimento dos seres imperfeitos, posto que sua função é levar os seres à perfeição, que disse isso, mais ou menos assim, foi o mestre Aristóteles, que viveu muitos anos antes de Cristo nascer, isc, isc. Quer dizer, pois, pois.
O pernambucano jornalista, ator etc, Nelson Rodrigues dizia que o dinheiro compra tudo, até o amor perfeito. Mais ou menos isso. E parafraseando-o, eu diria: o dinheiro compra a amizade. Será?
A dúvida é o começo da verdade. Será?
A humanidade é verdadeiramente falsa, posto que a mentira é uma característica humana. Será?
O velho Shakespeare expôs a dúvida que perdura até os dias de hoje: " to be or not to be". E por assim dizer, penso. Conclusão: existo.
A filosofia é o modo mais profundo do pensar.
O pensar é arranca dúvidas do pensamento.
Eu gosto disso.






quarta-feira, 8 de novembro de 2017

ANASTÁCIA GRAVA SEU PRIMEIRO DVD


Os setecentos ou oitocentos lugares do teatro Sérgio Cardoso, inaugurado em 1982, estavam quase todos ocupados ontem, 7, por um público formado por artistas populares, 
amigos e admiradores da cantora e compositora pernambucana, de Recife, Anastácia. Lá estavam Téo Azevedo, Luiz Wilson, Fatel, Teca, Jorge Melo, Mineirinho da Sanfona, Sandra Belé, Lailton Araújo...
Anastácia, aos 77,  estava  radiante.
A coautora de clássicos da nossa música popular como Tenho Sede (abaixo com Gil e Dominguinhos) e Eu Só Quero um Xodó (abaixo com Elba e Dominguinhos), apareceu no palco vestindo um belo longo com motivos da terra Nordeste. "Escolhi uma roupa que lembrasse o cangaço, o sertão nordestino", disse-me ela hoje, por telefone.
No decorrer de pouco mais de 2 horas, Anastácia cantou o Nordeste e o amor das formas as mais diversas. Lembrou Venâncio, da dupla com Corumba, cantando Pau de Arara. Venâncio, um pernambucano, foi seu primeiro parceiro de jornadas na vida antes de Dominguinhos, com quem viveu 12 ou 13 anos. Com Dominguinhos ela compôs duas centenas e meia de músicas, entre as quais as duas acima citadas.
O espetáculo apresentado no Sérgio Cardoso, teatro localizado no bairro da Bela Vista, teve a participação especial dos sanfoneiros Targino Gondin e Mestrinho, do violonista Diego Figueiredo e dos cantores Mariana Aydar, Zeca Baleiro e Rappin'Hood. Hood e Anastácia interpretaram maravilhosamente bem o rap,  dela, Rebeldia. 
Diego Figueiredo e Anastácia sairão por aí cantando a vida.
Além dos artistas convidados e da banda formada por bateria, baixo, guitarra, sanfona, cavaquinho, zabumba e triângulo, oito dançarinos abrilhantaram o espetáculo, que foi registrado por sete câmeras que virará DVD a ser lançado até o próximo Carnaval.Antes disso, um novo disco da artista será lançado com a participação de Fagner, Fafá de Belém e Alcione.
O show foi maravilhoso. Anastácia está com tudo, e com justificativa: "estou amando e sendo amada", disse-me entre sorrisos.
Anastácia começou a carreira muito nova, ainda criança, na TV jornal do comércio de Recife.Ela chegou a São Paulo no começo de 1960 e por pouco não virou comissária da Varig. Com isso, ganharam os passageiros de avião e o povo brasileiro. Ela tem mais de 700 músicas gravadas, algumas em várias línguas como Inglês, Francês, Espanhol, Holandês....







segunda-feira, 6 de novembro de 2017

INOCÊNCIA, FLOR DO SERTÃO...

Muita gente confunde o Nordeste com o Norte e vice versa.
Muita gente acha que sertão só tem no Nordeste.
O mineiro Guimarães Rosa dizia através de um de seus personagens, no livro Grande Sertão Veredas, que "o sertão está em toda parte".
Pois é, o sertão está em toda parte.
Em 1872, o Visconde de Taunay, Alfredo Maria Adriano d'Escragnolle Taunay, (1843-1899) publicou um livro muito bonito, um romance, que intitulou Inocência.
Inocência é o nome da personagem feminina, cujo pai fazendeiro é de atrasos, intelectualmente falando, de 1000 anos. Quarenta e cinco anos mais ou menos, gordo, já considerado velho naquela época, impunha-se completamente na vida da filha, única, órfã de mãe. Tinha ali uns 18, 20 anos, não fica claro no romance. É bela, belíssima, olhos bonitos, nariz afilado, magra, linda e gostosa. O pai dela tinha um ciúme da gota serena.
A história de Inocência passa-se no sertão de Mato Grosso, hoje Mato Grosso do Sul.
A jovem Inocência é prometida, coisa comum à época, a um garanhão pelo pai, entenda-se, um garanhão rico e poderoso, no caso, Manecão.
E não vou contar mais essa história não. Garanto, porém que é uma história bonita e original e que podemos incluí-la no balaio do romancismo regional. Aproveito para dizer que surpreendi-me com a beleza da história desenvolvida por Taunay. Tem até um naturalista alemão nessa história...



Feriado é tão bom. Prá mim feriado é todo dia, sempre foi.


HEROÍNAS E SABIÁS DO BRASIL

Se não fosse pelos políticos que escolhemos, que sempre escolhemos, o Brasil seria de fato uma maravilha, certo?
O Brasil nos seus quinhentos e poucos anos de invasões estrangeiras é um Brasil de lutas e muitas desigualdades. Mas neles também se acham muitas coisa boas, válidas. É um país incrível, sob todos os aspectos, é ou não é?
No livro Dicionário das Batalhas Brasileiras, o autor Hêrnani Donato provou, através de documentos, que no Brasil ocorre movimentos armados, guerras, etc. todos os dias. É incrível ou não é? O livro tem umas mil páginas e foi lançado pela editora IBRASA.
Há muitos heróis e heroínas no Brasil.
Você, meu amigo minha amiga, já ouviu falar na primeira  soldada brasileira, Maria Quitéria, que lutou pela nossa independência? 
Você, meu amigo minha amiga, já ouviu falar em Barbara Pereira de Alencar, a primeira presa política do País? Ela era avó do escritor cearense José de Alencar e cabeça da Revolução Pernambucada de 1817 e do Movimento Confederação do Equador, 1824.
E da primeira maestrina brasileira, Chiquinha Gonzaga? Ela, aliás, foi também compositora e autora da nossa primeira marchinha de carnaval: Ó Abre Alas.
E de Branca Dias?
Pois é, há muitas interrogações na história do Brasil. Uma dessa interrogações pode se findar com as pesquisas que estão sendo feitas em torno de um achado em Olinda, PE. Trata-se de escombros do que pode ter sido a primeira sinagoga em solo brasileiro. No local é possível que tenha vivido a cristã-nova Branca Dias, personagem inserida na cultura popular do Nordeste.
Branca Dias, segundo o históriador José Joffely, era paraibana como ele, aliás.
Na Paraíba houve outras personagens incríveis como a poeta Anayde Beiriz, personagem de grande destaque na política daquela terra e presente no documentário Paraíba Mulher Macho, da diretora Tizuka Yamasaki.

Branca Dias se acha nas páginas do romante A Pedra do Reino do conterrâneo Ariano Suassuna.
Ah! Você sabia, meu amigo minha amiga, que Nova York foi fundada por judeus pernambucanos e que o Judaísmo foi criado 18 séculos a.C. Essa é a religião mas antiga.

PIPILAR DE SABIÁS

Ali pelas duas da madruga de hoje, acordei com o gostoso pipilar de sabiás. Sabiás fazem ponto nas árvores aqui em volta de casa. Pois é todo o dia é assim. Eles pipilam durante 40 minutos e até uma hora depois silenciam e voltam umas duas horas depois. Uma beleza!
E há quem não goste de canto de passarinho! Pode?


quarta-feira, 1 de novembro de 2017

RELIGIÃO E GATO COM FOME


Todo dia é dia bom para quem está vivo e gosta de viver.
Ontem, 31, boa parte do mundo comemorou ou debruçou-se em questionamentos sobre os quinhentos anos dos atritos que o alemão Martinho Lutero (1433-1546) provocou no catolicismo, resultante daí o protestantismo, ou a igreja Luterana.
O cristianismo começou no século 1, o catolicismo no século 3. O islamismo, no século 6. No século 16 foi o que se viu com Lutero.
O catolicismo ainda é a religião que aglutina o maior número de seguidores. O judaísmo, que começou dezoito séculos a.C. é a religião mais antiga e com seguidores que não chegam nem a milhão.
Todas as religiões e credos devem ser respeitados por todos em qualquer ponto do mundo.
Diz-se popularmente que discussão sobre religião, futebol e política sempre acaba em bomba. Em parte isso é bastante comum, ainda nos tempos de hoje no Oriente Médio. Foi lá, aliás, que escribas escreveram o Velho Testamento.
Por que digo tudo isso, aqui e agora?
Falar de música sempre foi e será coisa muito boa.
A música está em todo canto, com trocadilho e tudo.
O mês de outubro terminou ontem batendo palmas para um espetáculo que contou com a presença do trio Gato com Fome, paulistano. A meu lado a amiga Cris Alves não parava de felicitar-se pelos bons momentos apresentados pelos artistas que ocupavam o palco do Teatro Sérgio Cardoso, ali no bairro do Bexiga. Na ocasião foram interpretadas dúzia e meia de composições cujos autores iam de Lamartine Babo a Ari Barroso, Tom Jobim e Billy Blanco.
Tinha muita gente bonita na platéia, inclusive o compositor Carlinhos Vergueiro. Carlinhos, não custa lembrar, foi um dos últimos parceiros do paulista Adoniran Barbosa (Torresmo à milanesa).
O trio Gato com Fome é do Caraca! Mas o som a que foi submetido o espetáculo não estava legal, a direção do teatro poderia ver isso, não?

domingo, 29 de outubro de 2017

QUEM LÊ MAIS SABE MAIS E TEMER NO INFERNO

Gutemberg inventou a forma de publicar livros como quase o são hoje, quer dizer, no formato. Ele criou o modo de imprimir páginas de papel a partir de caracteres móveis, em madeira e metal, isso nos finais do século 15, naturalmente na Europa.
O primeiro livro saído da geringonça de Gutemberg foi a Bíblia.
A Bíblia é o livro mais lido em todas as línguas do mundo, até hoje.
No Brasil, a Bíblia começou a ser publicada em 1917, que coisa!
Todas as pesquisas de leitura sobre livros, no Brasil e no mundo todo, a Bíblia aparece como o livro mais lido.
A Bíblia começou a ser escrita bem muito antes do nascimento de Cristo. Ali  por 1500 a. C. Refiro-me ao Velho Testamento. O Novo Testamento começou a ser escrito no ano 45 D.C. até o ano 90 D. C. Quer dizer: É tudo muito novo, é tudo muito velho e vice versa.
A Bíblia foi escrita, segundo consenso geral dos cristãos, por pelo menos 40 autores. Entre eles, Moisés. Importantíssimo nessa história.
Quando digo que a Bíblia é o livro mais lido do mundo em todos os tempos e até hoje, quero dizer que estou falando de milhões, milhões, bilhões de exemplares publicados em todas as línguas conhecidas, vivas e outras mortas.
Nenhum livro meu alcançou, segundo meus editores vivos e mortos, a casa sequer dos dez mil exemplares. E dez mil livros, cá prá nós, é uma montanha de letras em papel.
Hoje é o Dia Nacional do Livro.
O Dia Nacional do Livro que se comemora hoje marca a inauguração da Biblioteca Nacional: 29 de outubro de 1810.
O primeiro livro lançado no Brasil, possível só com a chegada da família Real portuguesa no Brasil em 1808, foi Marília de Dirceu. É um livro belíssimo, um poema de beleza incrível, de autoria de Tomás Antônio Gonzaga. A história contida nesse livro é de um romantismo que arrepia pestanas. Gonzaga fez parte do grupo que levou à morte Tiradentes, mas essa é outra história.
É importante ler, ler é importantíssimo.
O escritor Monteiro Lobato ( 1882-1948) dizia que "quem lê mais sabe mais".

TEMER NO CÉU

Houve testemunhas que disseram que o presidente Temer morreu. Eu mesmo não acreditei, mas segundo uns que testemunharam, ao bater a porta do céu, para entrar, uma multidão de anjos, em uníssono, disse "Fora Temer"!
O Temer, Lulia, vive hoje o seu inferno astral.

DA BÍBLIA:

Miquéias 7.2,3 “Pereceu da terra o homem piedoso, e não há entre os homens um que seja reto. Todos armam ciladas para sangue; cada um caça a seu irmão com uma rede. As suas mãos fazem diligentemente o mal; o príncipe exige condenação, o juiz aceita suborno, e o grande fala da corrupção da sua alma, e assim todos eles são perturbadores”.



sábado, 28 de outubro de 2017

FEBRE AMARELA, DUMAS, VERDI E ALENCAR

No começo da segunda parte da década de 50 do século 19 houve, no Brasil, um grande surto de febre amarela. Muita gente padeceu, muita gente morreu.
A febre amarela, segundo o governo, está erradicada. E se assim é, não devemos temê-la. Porém, há um porém, como dizia o esbaforido Plínio Marcos.
Do ano passado até maqui, pelo menos 300 brasileiros sucumbiram vítimas da febre amarela, Pois, pois. E como uma história puxa a outra lembrei-me de um belíssimo romance do grande cearense José de Alencar (1829-1877). Esse romance foi publicado em 1862.
Título: Lucíola. 
A personagem principal de Lucíola é Lúcia, "pseudônimo" de Maria da Glória.
Lúcia é uma cortesã e caiu na vida ali pelos 16 anos de idade. Aliás, as mais belas personagens de Alencar são Lolitas; jovens, muito jovens.
O pai, a mãe, irmãos de Lúcia são vítimas da febre amarela do tempo do Império a que me refiro lá em cima. Ela escapou da febre e, para ajudar os familiares, passou a alugar o próprio corpo. E assim foi até os familiares morrerem. Quando o pai soube da forma como Lúcia arrumava dinheiro a expulsou de casa.
O romance Lucíola retrata uma realidade patriarcal que ainda hoje impera em muitos cantos.
Lucíola foi baseado no romance A Dama das Camélias de Alexandre Dumas, filho do autor de Os Três Mosqueteiros. Mas bastardo, filho bastardo de Alexandre Dumas, pai. O romance de Dumas filho inspirou muitos outros autores espalhados mundo afora. No campo da música inclusive.
A Dama das Camélias, Marguerith, foi publicado no ano de 1848. Cinco anos depois, o mestre italiano Giuseppe Verdi (1813-1901) levou à cena uma de suas 3 primeiras obras primas: La Traviata, em português algo como A Transviada ou a Decaída... Essa ópera teve por inspiração o mesmo romance do famoso autor francês. Na ópera, a personagem morre tísica. O fim é trágico, como trágico também é o fim de Lúcia. Mas não vou contar.
Uma curiosidade: José de Alencar morreu de Tuberculose, e a personagem do seu primeiro romance, 5 Minutos, fica tuberculosa mas escapa e vive para sempre com o homem dos seus sonhos...
Tomara que a febre amarela que o governo brasileiro diz estar erradicada não mate mais ninguém.
Ah! Vocês lembram dessa marchinha? 



O romance de Dumas ganhou inúmeras versões no Teatro, cinema e até na literatura de Cordel, Greta Garbo foi garbosa no papel de Marguerite, como garbosa foi Maria Callas no papel de Violeta (Marguerite) na ópera de Verdi. Veja:



sexta-feira, 27 de outubro de 2017

VIVA BÁRBARA PEREIRA DE ALENCAR!

Tive vários encontros com Luiz Gonzaga, rei do baião. Alguns desses encontros publiquei em jornais e revistas em forma de reportagens, artigos e revistas tipo ping pong.
Mais de uma vez o Gonzaga me falou a respeito de uma mulher que ele muito admirava no Nordeste, em Pernambuco principalmente. Essa mulher chamava-se Bárbara Pereira de Alencar, nascida na região do Araripe, PE, no ano de 1760.
Bárbara, até no nome bonito, Bárbara, casou-se cedo com um português e dele cedo enviuvou. Ela teve 4 filhos, um deles José Martiniano . Esse Martiniano viria a ser o pai de José de Alencar, cearense, autor de livros clássicos da nossa literatura como A Viuvinha, Senhora, O Guarani, que viria ser tema da primeira e grande ópera do Campinense Antonio Carlos Gomes;Ubirajara e o Sertanejo.
Pois bem, a avó de José de Alencar, Bárbara, foi uma mulher que deixou marcas profundas e exemplares na história de nosso país. Ela esteve frente à revolução pernambucana e da Confederação do Equador. Um dos seus companheiros de luta foi Frei Caneca. E não custa dizer, com todas as letras, que Bárbara Pereira de Alencar, heroína, foi a primeira presa política do Brasil.
Viva Bárbara!

VERGONHA NACIONAL

Estamos vivendo tempos terríveis. O poder Executivo está recheado de pessoas na mira de operações policiais, como a Lava Jato. No legislativo também. E o Judiciário heim! Lá há juízes que desrespeitam, com frequência, a nossa Constituição. Há figurinhas horrorosas, maledicentes, como Gilmar Mendes. O bate boca dele, ontem, 26, com seu colega Barroso foi um horror, uma cena horrorosa. Não merecemos isso, mas a vida segue. E pra livrar-se das acusações que lhe foram imputadas pelo ex-procurador geral, Janot, teve que fazer pacto com o diabo.

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

O PASSADO RELUZ NO PRESENTE, POBRE TEMER

A vergonha nacional transmitida ontem, 25, dando conta das negociatas regidas pelo Tieteense Temer, levou-me ao século 19.
No ano de 1877, os brasileiros brigaram no Nordeste por liberdade.
O ano de 1877 ficou na história como um ano marcante, o ano da Revolução Pernambucana.
Um ano antes de 1877, os invasores portugueses representados por Dom Pedro I, exigiram de Pernambuco impostos além da conta. O imperador exigiu que Pernambuco pagasse até a luz, de postos que iluminava o Rio de Janeiro. 
Esse foi o ponto de partida para a Revolução de 1877.
E o pau quebrou. E muita gente morreu, homens, crianças e mulheres inocentes...
Ouvindo o lenga lenga dos deputados votando pró ou contra Temer, muitos falando sobre impostos etc, cheguei à conclusão que o século 19 é um século recentíssimo, é o de hoje.
Os jornais de hoje estão trazendo notícia sobre o aumento na tarifa da energia elétrica...Pois é, tudo indica que nada mudou desde a Revolução Pernambucana.
História eu aprendi na escola. Não vou esquecendo que ouvi e aprendi dos meus professores do tempo de adolescente. Naquele tempo alunos queriam aprender e professores queriam ensinar.
O tieteense Temer está se mostrando, cada vez mais um canalha.
A Revolução Pernambucana deixou para a história vários nomes importantes, como Frei Caneca e Bárbara Pereira de Alencar. Bárbara foi avó de José de Alencar.

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

JACKSON DO PANDEIRO E SEU PRIMEIRO SUCESSO: SEBASTIANA

Jackson do Pandeiro, de batismo José Gomes Filho (1919-1982) foi um grande ritmista nascido na cidade paraibana de  Alagoa Grande. Desde cedo interessou-se pela música. Comparecia com frequência aos encontros de violeiros, na sua terra. A mãe tirava coco no pandeiro, de que ele muito gostava. Apresentou-se em várias emissoras de rádio, antes de alcançar o estrelato. Em Campina Grande, conheceu o pernambucano Rosil Cavalcanti. Em outubro de 1953, Jackson lançou o primeiro disco com o coco Sebastiana. Esse foi o seu primeiro sucesso nacional. Jackson ficou conhecido como o Rei do Ritmo e Rei do Rojão. Luís Gonzaga inventou o baião a partir de uma célula musical extraída da viola dos cantadores repentistas. Jackson fez o mesmo com o rojão, que também é uma batida peculiar dos violeiros. O primeiro disco de Jackson do Pandeiro se encontra no acervo do Instituto Memória Brasil, IMB, foto acima.
Uma coisa curiosa: Luiz Gpnzaga não se dava com Jackson. A mim ele fez uma ou outra citação sobre Jackson, lembrando que fora ele, Jackson o autor do Rojão.
O Rei do Baião nunca gravou nada do repertório do artista. Nem nos seus shows ele cantava nada de Jackson, veja no vídeo abaixo, quem canta é Guadalupe, que em tempos distantes foi esposa de Dominguinhos (1941-2013).











domingo, 22 de outubro de 2017

BULLYING MATA

Santa Luzia é a santa dos cegos, padroeira que viveu no século 3 a.C..
Santa Luzia era italiana e morreu sob tortura, depois de seus algozes a cegarem foi decapitada. Muitos anos depois a mártir virou nome de uma cidade paraibana. Essa cidade e a Santa inspiraram o músico Sivuca a compor um bonito forró.
Santa Luzia tem inspirado a muita gente. Eu mesmo compus um poema, uma prece, que a tem como personagem, ouçam:



Santa Luzia foi, portanto, vítima de violência; de uma terrível violência. Ela foi sacrificada por recusar-se a desposar o jovem prometido pela mãe.
O caso de Santa Luzia, que também é nome de uma cidade goiana no centro oeste do nosso país, fez-me lembrar a morte de dois adolescentes provocada a tiros por outro adolescente, de 14 anos, Foi quinta, 19, numa escola da rede pública. O menino simplesmente sacou um revólver e passou a mirar na cabeça dos colegas, que morreram instantaneamente. O motivo? 
O criminoso, segundo seus colegas e professores sofria de um dos males que se alastram mundo afora: bullying.
O bullying é um mal que se instala em pessoas que se sentem discriminadas por outras. 
Precisamos nos tratar bem, cada vez mais e melhor.
O corre corre e a falta de atenção e respeito aos nossos semelhantes levam, quase sempre, a tragédias como essa.
Quem é o culpado nessa história, o criminoso ou os mortos?
Desrespeitamos o próximo no dia a dia, brigamso no dia a dia, xingamos todo mundo no dia a dia nos esquecendo que somos pessoas e como tais frágeis. A solidariedade está se acabando, sumindo do nosso dia a dia. O Bullying, como a hipocrisia, mata!
Na verdade somos todos culpados.Somos cegos, mesmo tendo olhos na cara.

sábado, 21 de outubro de 2017

GEREBA ESTÁ EM SÃO PAULO, TOCANDO E CANTANDO.

Gereba é um dos mais importantes compositores e violonistas do Brasil, também cantor, nascido há 71 anos na Bahia. Já compôs centenas de músicas, com parceiros os mais diversos. Eu inclusive. É nosso, por exemplo Hino ao CEU, gravado por Dominguinhos. Ouça:


Com Gereba também compusemos ao lado de Klévisson Viana, Dom Quixote Xote Xote, ouça:


Gereba tem músicas gravadas com meio mundo, incluindo Cássia Eller, Elizeth Cardoso, Elba Ramalho, Fagner, Bule-bule. O escritor seu conterrâneo Jorge Amado o tinha em grande estima, até porque Gereba fez a trilha sonora de uma das obras do Jorge, Quincas Berro d'Água. Luiz Gonzaga também gostava muito dele.
Há uns 20 anos, copiei numa fita cassete valsas e chorinhos do rei do baião. Essa seleção musical entreguei a Gereba, que reuniu um time de amigos supimpas para letrar esses choros etc. O disco, com essas músicas foi à praça há uns 3 ou 4 anos. Uma beleza!
Não faz muito tempo Gereba interpretou Carinhoso, de Pixinguinha e João de Barro, para um público estimado em 100.000 pessoas na Praça Castro Alves, na capital baiana. Antes interpretara a toada Asa Branca, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, num comício a favor do mineiro Tancredo Neves.
Gereba acaba de chegar à capital paulista, para uma série de apresentações. Seu projeto de ir aonde o povo está, Cantiga de Boteco está circulando por todo o Brasil com grande sucesso.


CEGO TAMBÉM É GENTE

Os brasileiros que escolhemos para nos governar, são, quase sempre, brasileiros esquisitos.
O presidente que estreiou a primeira fase da República, Deodoro, chegou lá através de um golpe militar e deixou , já, o Brasil à deriva. O seu sucessor, o vice também militar Floriano, era dotado de grande violência. Seu DNA. E por aí fomos nos arrastando até novo golpe.
Um dia, chegamos a 1930 e ao golpe perpetrado pelo gaúcho Getúlio.
Depois de Getúlio, outro militar enfaixou-se e nos governou até Getúlio voltar de novo. E depois dele, mais 3 senhores ocuparam a Presidência antes de Juscelino, Janio e Jango . E novo golpe! Esse alcançou a maioridade, 21 anos (1964-1985).
Esses todos nunca deram bola aos brasileiros excluídos do processo social.
E aí vieram Tancredo, que não assumiu a faixa presidencial; Itamar, Collor, FHC, e ele de novo, Lula,  Lula , Dilma, e mais um pouquinho, e esse que aí está botando os pés pelas mãos demonstrando na prática, que se astuto com o dinheiro público é um negócio da Chona.
Bem, quero dizer o seguinte: existe uma quantidade enorme de pessoas que não enxergam nem de dia nem de noite. Cega dos olhos assim como eu hoje me acho.
Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) há menos ou mais de 1 milhão de brasileiros nessa situação. Mais ou menos, porque ninguém do poder está nem aí para nós e os números que nos possam representar, dizendo quanto somos. Uma pena.
Tem um ditado popular segundo diz que "quem quer vai quem não quer amanda".
Daqui a pouco, cegos  se juntarão no Centro da cidade paulistana para protestar contra a indiferença de todos ou quase todos em relação a nós.
A discriminação e o preconceito são irmãos siameses, andam lado a lado, de mãos dadas. Isso precisa acabar.
Ainda segundo o IBGE, dados de 2010, há 45,3 milhões de brasileiros e brasileiras que apresentam algum tipo de deficiência física, intelectual, etc.Uma multidão, não é mesmo? Se nós todos nos juntarmos lado a lado, mão a mão, num pensamento só e força, seremos sem dúvida muito forte.
Tem um negócio chamado lei brasileira da pessoa deficiente. É uma lei bonita, em vigor desde o ano passado. Ela precisa ser praticada com rigor, até porque muitos dos seus artigos ainda são desrespeitados, não cumpridos. Quer ver? A parte referente a emprego, por exemplo,  não é devidamente observada pelos empresários. Os acessos nos são ainda muito difíceis. No tocante ao transporte público, também continua a desejar. É isso.
O encontro que reunirá deficientes visuais em Sampa, está previsto para logo mais às 9 horas, ali ao lado da nova unidade SESC , na 24 de maio, centro. Os colegas da instituição Laramara vão estar em peso, mostrando que cego também é gente.


sexta-feira, 20 de outubro de 2017

O BRASIL E SEUS FILHOS ESQUECIDOS

Nao tem jeito, o Brasil é, mesmo,  o país dos esquecidos.
No nosso país, comumente os grandes artistas caem, ao morrerem na vala comum .O compositor, cantor e ritmista paraibano Fuba de Taperoá é mais um exemplo do que digo, infelizmente.
Fuba morreu pobre e esquecido.Morava em Guarulhos, numa casa que lhe dera o amigo sanfoneiro Dominguinhos (1941-2013).
No decorrer da carreira que abraçou,  Fuba era tão bom no que fazia quanto o conterrâneo Jackson do Pandeiro. Fisicamente parecia-se com ele. Ambos chegaram, inclusive, a trabalhar juntos. Fuba trabalhou com meio mundo: Zito Borborema, Ary Lobo, Gordurinha, Elba Ramalho, o já referido Dominguinhos e Luiz Gonzaga, o rei do baião.
Não custa lembrar que Fuba se apresentou em rádio pela primeira vez, num programa do pernambucano Rosil  Cavalcanti, em Campina Grande. Rosil teve suas músicas gravadas por muita gente. O primeiro sucesso de Jackson, o coco Sebastiana, era de  Rosil. Há dois anos Rosil foi biografado por Romulo Nóbrega. Uma baita biografia, cuja leitura  recomendo.



quinta-feira, 19 de outubro de 2017

FUBA DE TAPEROÁ VIROU ESTRELA

Estou triste: morreu Fuba de Taperoá.
Taperoá é uma cidade pequena territorialmente e grande na sua beleza. Fica nos Cariris velhos da Paraíba. Lá nasceu muita gente bonita como Vital Farias. E teve até quem adotasse Taperoá sem lá ter nascido, como o palhaço mestre Ariano Suassuna (1927-2014).
Eu não sei porque Fuba de Taperoá botou no seu nome artístico Fuba. Eu só sei que gostava dele para danado. Eu sei que ele gostava de mim também, chegando até a por um retrato meu no seu primeiro ou segundo CD. Assim à toa.
Juberlino Martins, de batismo, fez muita coisa bonita enquanto viveu neste mundo louco e de disputas irracionais. Morreu pobre, viúvo e carente de tudo; imperdoavelmente, também das nossas atenções.
Fuba participou de várias edições do Programa São Paulo Capital Nordeste, que apresentei por mais de 6 anos na Rádio Capital.
Eu gostava muito de Fuba de Taperoá e o admirava muito como cidadão e artista popular.
Fuba nasceu em 1942 e deixou pela primeira vez a sua terra em 1964. Chegou ao Rio num pau de arara carregado de sal. O Rio, ele o trocou poucos anos depois por São Paulo, onde gravou o seu primeiro dos quatro LPs, chamou-se  Lembranças de Taperoá. com produção de Dominguinhos e edição de Pedro Sertanejo. Foi, além de zabumbeiro e cantor,  um dos maiores pandeiristas do Brasil. Houve até  quem o comparasse a Jackson, sim aquele do pandeiro (1919-1982).
Não custa lembrar aos esquecidos, que Fuba de Taperoá tocou zabumba e pandeiro em shows de Zito Borborema, seu primo; Ari Lobo, Gordurinha, Dominguinhos, Elba Ramalho e todo mundo.Além de bom tocador de instrumentos diversos, Fuba também era compositor. E como compositor, teve muitas músicas gravadas, inclusive por Dominguinhos.
Meste Fuba morreu na noite de terça passada 17, na cidade paulista de Guarulhos.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

AUDÁLIO DANTAS RECEBE O PRÊMIO AVERROES

Assis, Audálio e sua companheira, Vanira (foto: Ana Maria)

Já passa de 200 milhões o número de brasileiros ocupando os mais de 8,5 milhões de quilômetros quadrados, que é o tamanho do nosso território. E do nosso orgulho, pois o Brasil,  territorialmente falando,  se acha em 5o. lugar no ranking  dos 5 países de maior extensão territorial. Algo em torno da terça parte desse total se acha distribuída nos nove Estados nordestinos, que ocupam 1,5 milhão desse território.
O Nordeste é formado por 9 Estados, entre os quais Alagoas.
O jornalista Audálio Ferreira Dantas é alagoano, de uma cidade chamada Tanque D'Arca.
Falar de Audálio Dantas é falar do Nordeste, do Brasil, de luta, desafio, jornalismo, liberdade, carinho, respeito, solidariedade, dignidade...
Audálio trocou a sua cidade por São Paulo quando tinha 12 anos de idade, em 1944. Dez anos depois, em 1954, ele se defendia na Folha. Em 1956 foi escalado para cobrir o lançamento do livro Grande Sertão: Veredas, do mineiro João Guimarães Rosa (1908-1967). O Rosa negou-lhe entrevista, mas o inquieto e jovem repórter Tanque D'Arquense foi em frente e findou por fazer uma belíssima reportagem que lhe rendeu o primeiro prêmio. Logo depois o jornal o enviou à cidade baiana de Paulo Afonso, para cobrir a solenidade de inauguração da Hidrelétrica que leva o nome do município referido e que, posteriormente (1955) foi tema de uma joia musical do rei do baião, Luiz Gonzaga. Esta:
Depois disso, o mundo abriu-se para Audálio Dantas.
O talento e o comportamento destemido de Audálio o fizeram uma pessoa referencial no país, com repercussão do nome até no Exterior.
São muitos os prêmios que Audálio tem recebido desde 1956. O mais recente é o Averroes.
Averroes é um prêmio criado em 2008, por iniciativa da direção do Hospital Premier, para homenagear pessoas que se destacam especialmente nas áreas de ciências, educação e artes e que têm sido pioneiros e compartilhadores em suas áreas, disseminando novos saberes. 
Além de Audálio já receberam o Averroes Leonardo Boff, José Eduardo Siqueira, Manuel Carlos Chaparro, Ecléa Bosi, Luiz Hildebrando Pereira da Silva, Ausonia Favorido Donato e Marco Túlio de Assis Figueiredo. 
Eu conheci Audálio Dantas logo que cheguei a São Paulo em 1976. Ele era o presidente do sindicato dos jornalistas no Estado de São Paulo. Um ano antes, o jornalista Vlado Herzog (1937-1975), fora morto pelas mãos assassinas pelos agentes da ditadura.
É de Audálio o livro mais conclusivo sobre a vida e carreira profissional de Vlado.
Aqui, agora, direi algo que nunca disse publicamente: uma  provocação que  Audálio me fez,  fez me trocar João Pessoa (PB), minha terra, por São Paulo.
No correr de minha vida profissional, tive o prazer de trabalhar lado a lado com Audálio. Foi no departamento de imprensa da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metro). Antes disso, ali pela virada deste século, estive com ele somando na produção da ocupação Cem anos de Cordel, na unidade SESC Pompéia.
Audálio é do caralho! e a ele dedico os versos, estes que acabo de fazer:

A terra de Homero
e da Mitologia
dos deuses do Olimpo
e da Democracia
acenderam em Diógenes
a luz da rebeldia

Diógenes foi um doido
diplomado em poesia
com uma lanterna acesa
em pleno meio dia
procurou mas não achou
no Poder Cidadania

Outras coisas ele achou
Mas não o que queira
um ser que fosse honesto
a verdade sem fantasia
e um cego que falasse
do valor da valentia

Valente é todo ser 
que vive de teimosia
comendo pão amassado
prá chegar no outro dia
lutando sem se cansar
prá vencer com galhardia

Diógenes combateu
com vigor a covardia
e plantou no Universo
a flor da Anarquia
e não vou falar mais dele
Adeus, até outro dia.

Leia mais sobre Audálio:


http://assisangelo.blogspot.com.br/2011/08/audalio-dantas-e-carolina-maria-de.html

https://assisangelo.blogspot.com.br/2012/07/hoje-e-dia-de-audalio-dantas-receber.html

Eu quero dizer mais uma cosinha: ao lado de um grande homem sempre estará uma grande mulher. No caso até aqui  explicitado, essa mulher é a jornalista Vanira Kunc. Viva Audálio e viva Vanira! e viva Mariana, que desde que aprendeu a falar, bem pequenininha, me chama "Sací".


DIA DA MPB

Hoje é o dia da Música Popular Brasileira. Esse dia foi criado em 2013, para homenagear a nossa música e seus artistas. Nesse dia, em 1847, nascia no Rio de Janeiro a compositora, pianista e maestrina Chiquinha Gonzaga. É de Chiquinha a primeira marchinha de carnaval, Oh Abre Alas.





domingo, 15 de outubro de 2017

CUIDADOS PALIATIVOS SÃO UM DIREITO HUMANO

Você sabe o que são cuidados paliativos?
Nós e o mundo somos finitos. Tudo nasce, tudo morre, além do verbo e da poesia.

Eu sonhei sob os lençóis
que tudo ia acabar
que tudo ia morrer
que nada ia escapar
que estrala ia cair
e o céu ia desabar

Foi um sonho terrível

que nem Dante quis sonhar:
planetas explodindo
e o cão a gargalhar
um horror dos infernos
que não quero relembrar...

Você sabe o que são cuidados paliativos? 
Em 2008, o violonista Canhoto da Paraíba, partiu para a Eternidade aos 82 anos de idade. Sofreu com um mal que instalou-se no seu corpo, condenando-o a finitude. A família também sofreu. Isso aliás, é comum. Certo? Quando um ente querido sofre e é desenganado pelos médicos, a família toda ou em parte, também adoece com as sequelas.Comum e compreensível. não é mesmo?
Canhoto da Paraíba morreu em casa, em Recife.
Em 2004, depois de 12 anos em estado vegetativo, em coma, morreu Rosinha de Valença. Ela e sua família sofreram muito. Uma de suas irmãs, morreu antes de dor e tristeza. Isso também mata, todos sabemos.
Cuidados paliativos são cuidados que pacientes em estado grave, gravíssimo, desenganados pela Medicina, recebem de profissionais especializados. As meninas Ana Maria e Lúcia Agostini, profissionais de Gerontologia, ensinam-me que "cuidados paliativos" não se refere ao tratamento da doença em si, mas aos cuidados que promovam a qualidade de vida na finitude, por meio de alívio do sofrimento humano.
Esses profissionais ainda são muito poucos no Brasil. O pioneiro no ramo, Marco Túlio Figueiredo, chegou à casa dos 80 anos e morreu em Fevereiro de 2013. O legado que deixou tem sido importantíssimo para a sociedade. E o será sempre.
A nossa sociedade está doente e abandonada pelo poder público e por nós memos, não é mesmo?
Na Inglaterra e Portugal, o poder público dá a necessária atenção e cuidados às pessoas condenadas à morte, por uma doença qualquer, ao contrário do que ocorre no Brasil.
Alguns países assumiram a Eutanásia. 
Eutanásia é uma questão delicadíssima.
Delicadíssima é questão que diz respeito ao ser humano portador de doença grave, física ou mental.
Ontem 14, eu conheci um lugar muito bonito em São Paulo, cheio de cores, flores e cheiros, harmonia, respeito e solidariedade. E dignidade também. Ser sem dignidade é não ser.
Ontem foi o Dia Mundial dos Cuidados Paliativos,  comemorado sempre no segundo sábado de outubro. Esse dia existe para  lembrar das pessoas, jovens e adultos, que necessitam de cuidados paliativos especiais, de que todos nós precisamos nos conscientizar.
Cuidados paliativos são um direito humano, que deveria constar com clareza na nossa Constituição e na própria Declaração Universal de Direito Humanos, adotada pelo Organização das Nações Unidas, ONU, desde o dia 10 de dezembro de 1948, quando lá tivemos um representante, Graça Aranha.
Na Capital paulista há um hospital denominado Premier, diferente   de outros hospitais que  conhecemos. É um hospital que foge da rotina hospitalar. Esse é um hospital em que os pacientes são rigorosamente tratados como gente, como seres humanos.
Para lembrar o Dia Mundial dos Cuidados Paliativos, a direção do Hospital Premier promoveu um encontro que reuniu profissionais de diversas áreas da vida cotidiana. Isso ocorreu numa área que passou a chamar-se Jardim de Soraya, onde ocorreu um espetáculo musical de raríssima qualidade, que foi apresentado a um  público especialmente convidado. Houve apresentação até da bateria de uma escola de samba, com direito à mulatas sambando e tal. Foi maravilhoso. Nesse mesmo dia, o jornalista e escritor alagoano Audálio Dantas foi homenageado com o troféu Averroes, muito bonito. Mas sobre isso  falarei depois. Acompanhe-me.
As comemorações do Dia Mundial dos Cuidados Paliativos contaram com a presença de grandes nomes do jornalismo brasileiro, entre os quais, Sílvia Pimentel, Rose Nogueira, José Hamilton Ribeiro, Ricardo Kotscho, Elifas Andreato (foto acima), Moura Reis, Palmério Dória, Flávio Tiné, Sérgio Gomes, o Serjão; Colibri, além de Audálio e sua companheira, Vanira. Também estiveram presentes produtores musicais como Lenir Boldrim e os cordelistas Marco Haurélio e Pedro Monteiro. O editor potiguar José Xavier Cortez também esteve lá levando  o ar da sua graça. Nas fotos, abaixo, um registro parcial da beleza  que foi o encontro. Foi servida uma ótima feijoada acompanhada de uma cervejinha estupidamente gelada, foi servida aos privilegiados que lá estiveram.
No Brasil, há pelo menos 500 mil pessoas precisando de cuidados paliativos. 
No mundo, segundo a OMS, há 40 milhões de pessoas nessa mesma condição.
Não está na hora de nós entendermos melhor o que é solidariedade?












.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

NELSON RODRIGUES E OS CANALHAS DO CONGRESSO

O telefone me traz a voz de uma amiga.Voz distante.Não entendi bem, França ou Itália. É dali que a voz me vem. Noto uma certa falta de entusiasmo. Pergunto: Tudo bem? Resposta: sim, tudo bem... Pergunto de novo: Tudo bem mesmo? Sim, mas estou com dor de tristeza.
Tristeza dói e mata. Tristeza como solidão é filha abusada da depressão.
Tudo bem mesmo?
Aquilo ficou-me latejando na memória.
O pernambucano Nelson Rodrigues (1912-1980), tinha sete anos de idade quando a ele foi pedido um texto, uma redação. Coisa de escola. Um dos seus coleguinhas da classe escreveu qualquer coisa sobre elefante, coisas da índia, fantasias infantis baseadas no imaginário indiano. Coisas assim: redação bonita o menino fez. O contraponto dessa redação foi a redação do menino Nelson. Ele falou de um crime, de um cara que matou a mulher por ciúmes, um texto e tanto ! Muitos anos depois, Nelson disse que Nelson Rodrigues nasceu a partir daquela redação.
A vida pessoal de Nelson Rodrigues, jornalista, cronista, ator bissexto, romancista ocasional e principal dramaturgo do Brasil em todos os tempos foi uma tragédia absoluta. A tragédia pessoal foi, talvez, inspiração e ponto de partida para a fabulosa obra que nos legou.
Nelson Rodrigues foi um cara absolutamente fantástico.
Nelson foi taxado pela esquerda de reacionário, de canalha. 
Nelson jamais negou as origens e jamais renegou a obra, riquíssima, que produziu.
Nelson foi o mais importante intérprete, como criador da alma do povo simples do Brasil.
Nelson Rodrigues foi um gênio. Podíamos até compará-lo a Shakespeare, por que não?
Quando, então, a minha amiga me liga da Europa e lhe pergunto sobre se tudo está bem e ela responde que está "com dor de tristeza", é um desabafo absoluto que nos leva fácil fácil aos personagens das tragédias Nelsonrodrigueanas e Shakespearianas.
Não é difícil entender isso.
Numa das suas últimas entrevistas à tevê, o apresentador pediu que Nelson deixasse uma mensagem aos jovens. Clique:


HOMENS PEQUENOS

Fiquei cego dos olhos, mas não da mente, da memória. Para minha tristeza, ouço no JN os personagens de um ópera bufa que tem como destaque o tieteense Temer. Os advogados desse Temer e seus asseclas são uma piada sem graça e um horror absoluto. Esses advogados faturam dos seus clientes ladrões o produto do roubo extraído do Erário Público. Os irmãos Batista, aqueles, deveriam curtir a cadeia por toda a vida. O nosso código penal permite isso e outros e outros ratos engravatados, poderiam e devem ir para o mesmo lugar dos Batista. E são muitos e nem vale a pena citá-los aqui. O noticiário político é non sense puro, é Kafka às avessas (o réu aqui não sabe é porque havera de ser inocentado, simplesmente está no script), é um horror, um horror fantástico!

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

A BONITA VOZ DE MÁRIO DE ANDRADE


Se vocês não ouviram, ainda é hora de ouvir. Sempre é hora de ouvir o que é bom, boa voz, boa música, boas histórias.
Encantei-me com a voz do multi-tudo paulistano Mário de Andrade. Uma pérola, uma relíquia achada nos arquivos da Biblioteca do Senado norte-americano. Sempre lá! Encantei-me também com a voz da cearense Raquel de Queiroz (1910-2003).
Mário e Raquel cantam , com espontaneidade dos anjos, pequenas peças do folclore brasileiro. Coisas como Peixe Vivo, de que tanto gostava o mineiro Juscelino Kubitscheck (1902-1976), por exemplo. E cantigas de escravos e de pedintes. Tudo muito bonito.
A voz de Mário era uma voz afinada, cheia, abaritonada, que ele modulava com a categoria de um profissional do ramo. Fácil, fácil, punha no bolso muitos cantores da época. Estamos falando de 1925, 1926. A voz de Raquel não ficava atrás da voz de Mário. Aliás, os dois formariam uma dupla prá ninguém botar defeito. 
Mário de Andrade cantando é, sem dúvida, uma curiosidade e tanto. Mas uma curiosidade que certamente faria muito bem aos ouvidos de bom gosto.
Há muitas curiosidades entre os nossos intelectuais.
Machado de Assis, além do grande romancista que foi, também escreveu ótimos poemas e no Senado cobriu para jornais alguns debates acalorados entre titãs da política da sua época. Alguns dos seus poemas foram gravados. 
Poemas do baiano Castro Alves foram musicados e gravados nos primórdios do disco no Brasil. Entre os cantores que o interpretaram se acham Mário Pinheiro, o primeiro; Vicente Celestino, e tantos e tantos, até a dupla caipira formada por Tonico e Tinoco.





Euclides da Cunha, o grande Euclides, também deixou para a história poemas de sua lavra. Poemas que despertam atenção até hoje e recebem interpretações de atrizes como Marisa Orth.
Gilberto Freyre, autor da obra prima Casa Grande & Senzala, chegou até a publicar um livro de poesia, em 1962.
O paraibano de João Pessoa Ariano Suassuna chegou, mesmo, a gravar um disco só com poemas seus.





E assim segue a história...




POSTAGENS MAIS VISTAS