Seguir o blog

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

O 7 DE SETEMBRO CINCO ANOS DEPOIS

Nós, brasileiros, lutamos desde sempre pelo direito de ir e vir. Está na Constituição, em todas as nossas Constituições; desde a primeira, de 1824. E desde ontem, vivemos problemas de todos os tipos. Problemas graves. Problemas de corrupção...
O Regente Feijó (Diogo Antônio Feijó, 1784 -1843), foi o nosso primeiro governante.
Bastardo, criado entre padres, fez a sua época o que hoje ninguém faz: dedicou-se completamente ao Brasil, querendo, desejando, lutando de todas as formas para que o Brasil ganhasse a liberdade.
Em 1821, o Regente Feijó, paulista, herdou da família que o criou um volume bastante de dinheiro.
Em 1822, Dom Pedro disse num berro “independência ou morte”.
Foi num dia como hoje, 7 de setembro.
Era um sábado. Hoje, tantos anos depois, segunda, ainda não o entendemos.
O grito do Ipiranga, ou seja: foi um grito pela insatisfação que o seu autor, a essa altura, já nutria por sua terra Portugal. Mas esse seu gesto, só foi reconhecido cinco anos depois.
Que eu quero dizer o seguinte: a liberdade tão ansiada por nós, todos, é um passarinho que deve ser, sempre, bem tratado.
O grito do Ipiranga passou a ser reconhecido como importante verdadeiro, repito, só cinco anos depois.
A Inglaterra e França foram os primeiros países, depois de cinco anos, a reconhecer o ato de Dom Pedro como um berro de liberdade.

Agora, que tal você aí procurar saber o que é que  tem o Regente Feijó com a independência do Brasil?

Nenhum comentário:

POSTAGENS MAIS VISTAS