Seguir o blog

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

SÃO PAULO TEM SAMBA SIM, SINHÔ

Muitos sabem que sou nordestino de origem e paulistano por adoção e graça dos vereadores de São Paulo que me premiaram com um título de Cidadão em agosto de 1988, o que muito me honra, aliás.
Pois bem, a mistura de gêneros, todos os gêneros – musicais, inclusive – sempre me chamou a atenção e me levou a trilhas desconhecidas da história em busca de saberes e esclarecimentos para tantas interrogações que me incomodam.
Por isso, até aqui, já foram muitas as reportagens e artigos que publiquei como resultado de pesquisas.
Há duas décadas, um dos temas mais interessantes que escolhi para seguir trilhas tem a ver com a origem do samba como gênero musical.
O ponto de partida foi o maxixe sambado ou o samba amaxixado Pelo Telefone, uma criação coletiva assinada por Ernesto Joaquim Maria dos Santos, o Donga, compositor, e Mauro de Almeida, jornalista, que iam cantar e batucar - e beber e traçar feijoada - nos fins de semana na casa da baiana, filha de Oxum, Hilária Batista de Almeida (1854-1924), a Tia Ciata.
Donga e Mauro eram cariocas. Isso, no Rio. E em São Paulo há samba? Quem já não ouviu por aí aquela história de Vinicius de Moraes de que São Paulo é o túmulo do samba, hein? Até um texto poético escrevi e gravei na forma de declamação com o 1º Cidadão Samba, Osvaldinho da Cuíca, me acompanhando com seus instrumentos de percussão (clique na linha azul lá de cima).  
Quer saber mais? 
Então clique na linha azul aí embaixo, leia e opine, porque opinar é importante:

Nenhum comentário:

POSTAGENS MAIS VISTAS