Seguir o blog

quinta-feira, 13 de julho de 2017

O HOMEM, INIMIGO DO CACHORRO...

Acha-se nas páginas do folclore o seguinte: "cachorro é o melhor amigo do homem". Ouvi hoje na Tevê a notícia sobre a aposentadoria de um labrador de nome Popó. Popó tem 11 anos de idade e era queridíssimo por policiais rodoviários. Uma policial, despedindo-se de Popó abraçou-se a ele e não conteve as lágrimas.
São muitas as notícias que têm cachorros como personagens. 
Mais ou menos oito séculos antes de Cristo, um cidadão criou uma história de amor, paixão e guerra. Essa história andou de boca em boca por muito tempo e hoje é lida em quase todas as línguas conhecidas. Refiro-me à obra-prima Odisséia, de Homero. Homero era um cego como eu, mas muito mais criativo.
Em Odisséia acha-se um personagem chamado Argus. Argus é um cachorro. Durante uns 20 anos o seu dono, Ulisses, andou mundo afora procurando o raptor de Helena. Helena era a mulher de Menelau. Veja o resumo dessa história na música de Otacílio Batista, interpretada por Zé Ramalho.


É uma história bonita. Ao regressar, Ulisses foi imediatamente reconhecido por Argus. Argus estava terrivelmente debilitado, tanto que deu o último suspiro assim que reconheceu o seu dono.
Lembro-me de muitas histórias envolvendo cães.
Ali pelo século 5 a.C., uma cachorra, diz a lenda, amamentou os irmãos Rômulo e Remo. E surgiu Roma.
Quem, do meu tempo, não se lembra do pastor alemão de origem francesa Rim Tim Tim? O dono de Rim Tim Tim era um menino que nos momentos em que se achava em apuros, bastava dizer: "Rim Tim Tim"! Foi um seriado que passou entre os anos de 1950 e 1960.
Sim, são muitas as histórias que envolvem cães.
O alagoano Graciliano Ramos, na sua obra-prima Vidas Secas nos traz a história de uma família formada por um casal, dois filhos, um papagaio e uma cachorra. Baleia, a cachorra, é quem salva a família da fome, caçando preás. No fim da história, Baleia é morta com um tiro na cabeça.
Além de Graciliano outros grandes autores brasileiros inseriram em suas histórias cachorros de todos os tipos e comportamentos. Vocês já leram o Auto da Compadecida, do paraibano Ariano Suassuna? Quem não leu, leia. E a história do Cachorro que Defecava Dinheiro, de outro pernambucano, o cordelista Leandro de Barros?
Os cachorros prestam os mais diversos tipos de serviços ou auxílios aos seus donos, além de divertir crianças de todas as idades.
No Brasil há cerca de 6 milhões de pessoas cegas, parcial ou totalmente.
Não são ainda muitos os cegos que se utilizam de cães guia. As informações que tenho a respeito é que não é fácil treinar e cuidar de cães guia. Mas, dizem, cego com cão guia está no céu. E deve, mesmo!
Os cães surgiram lá prás bandas da Ásia, há uns 20, 30, 100 ou 300 mil anos. Os estudiosos ainda não definiram a data exata.
Os cachorros descendem dos lobos. Aliás, o nosso cartunista especial Fausto fez um homem pré histórico adotar um animal, Lobinho.
Existem cerca de 30 milhões de cães nas ruas do Brasil, abandonados.
No Brasil existem cerca de 65 milhões de domicílios. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE, 44,3% desses domicílios têm pelo menos um cachorro e 17,7% um gato, no total, segundo a pesquisa do IBGE, publicada há dois anos, adotados há pelo menos 52 milhões de cachorros e 22 milhões de gatos.
Comecei este texto fazendo referência ao cachorro como melhor amigo do homem. E o homem do cachorro, o que é?
Foi não foi, nos deparamos com notícias entristecedoras. Notícias de homens que agem criminosamente contra os cães, verdadeiros seriais killer. Agora mesmo uma notícia que dói: Panda foi assassinada. Covardemente assassinada por alimento envenenado. O caso aconteceu na rua onde morava a querida Inezita Barroso, logo ali no Bairro da Água Branca, perto do Parque de mesmo nome e do Alianz Parque. Fica a pergunta, o homem que matou Panda é homem? Ou um bicho que não presta?
Sim, esse é mais um caso policial.

BRINCANDO COM A HISTÓRIA (35)


Nenhum comentário:

POSTAGENS MAIS VISTAS