Seguir o blog

terça-feira, 13 de outubro de 2009

LEON BARG PARTE PARA A ETERNIDADE

O brasileiro Leon Barg partiu hoje de madrugada para a eternidade, levando consigo a certeza de ter cumprido a missão a que se deu em vida, que foi a de ajudar o Brasil a se conhecer um pouco melhor através da música popular, sabidamente uma das melhores do mundo. Isso ele fez com a firmeza de um titã, a partir do selo musical Revivendo que criou em setembro de 1987 na capital do Paraná, Curitiba, onde residia desde o ano de 54. Mas a idéia de preservar a memória musical do País ele teve quando em 1938, por volta dos 14 anos, adquiriu um disco de 78 RPM do rei da voz Chico Alves, com a marcha Ui, que Medo eu Tive!, de Aníbal Portela e José Mariano Barbosa; e o frevo-canção Júlia, de seu conterrâneo Capiba.
Chico foi, assim, o embrião dessa história toda.
Leon, que parte deixando saudade e um acervo estimado em cerca de 120 mil títulos, se casou e virou pai duas vezes, de Lilian e Laís, que desde sempre cuidam do Revivendo com paixão e zelo.
Mas e agora?
Lembro que em fevereiro de 97, em artigo que publiquei na Revista Shopping Music sobre marchinhas de carnaval (A Marchinha Agoniza, mas não Morre), inseri opinião de Leon, segundo a qual a marchinha sobreviveria se “Roberto Marinho começasse a fazer um programa em que só tocassem marchinhas de carnaval, aí seria possível trazê-la de volta, caso contrário...”.
Marinho morreu e a marchinha hoje pula miúdo no salão de Momo.
Sim, o fundador do Revivendo tinha dimensão da importância e força dos meios de comunicação; e para ele, era a Globo e ponto!
Multiplicam-se as leis de incentivo cultural por aí a fora e mínguam com a mesma rapidez as chances para projetos de real valor, seja pelos entraves burocráticos comuns ao Estado, seja pelo controle imperial dos espaços por grupos fechados etc.
A política cultural do País, a meu ver, precisa ser democratizada com seriedade e firmeza.
Revivendo sempre existiu sem apoios institucionais, você sabia?
Pois é.
...............................
♦ Eliane Alves manda dizer que amanhã haverá lançamento da Editora Horizonte, que comanda, no bar Brahma, à Avenida São João, 677. O livro é de Luciana Fátima e Arlindo Gonçalves: Carinhas(os) Urbanos (os), com prefácio do jornalista Heródoto Barbeiro. Na compra de um exemplar, um chopp 0800, isto é: na faixa. Informações pelo telefone 3333.0855.
♦ Luciana Stábile também avisa que a Jazz Sinfônica e Fábio Caramuru apresentam músicas de cinema no Auditório Ibirapuera, nos próximos dias 16 e 17. No repertório, pérolas como Blue Moon. Mais informações pelo email imprensa@iai.org.br ou pelo telefone 3629.1017.
♦ A talentosíssima Cris Aflalo manda email convidando para apresentação única que fará no próximo dia 16, no Teatro Cacilda Becker, no Paço Municipal de São Bernardo do Campo. O convite é extensivo a todos os que gostam do que é bom. Informações pelo telefone 4348.1081.

4 comentários:

Anônimo disse...

Oi, Assis! Que história heróica a do Leon. Pelo que entendi as filhas dele tomaram frente do acervo e vão continuar o trabalho do pai. Isso é muito bom! Também vi o recadinho do lançamento, super obrigada!! Bjs da Eliane

Marco Antonio Zanfra disse...

Foi falar em marchinha de Carnaval e eu me lembrei dos bailes do Arakan - com o perdão do finado pelo desrespeito!

Anônimo disse...

Sensacional o legado deixado por León Barg e pela REVIVENDO, que graças a Deus encontra-se nas mãos de sua filha. Foi a REVIVENDO quem resgatou toda a obra praticamente obscura do mestre LUIZ GONZAGA, aquelas canções do LADO B do disco de cera, que não tiveram lançamentos da sua gravadora de origem. Uma grande perda para a cultura brasileira.

ARIEVALDO VIANA

Celia e Celma disse...

Lamentamos profundamente... a contribuição dele para reviver -com a Revivendo - canções, intérpretes e compositores esquecidos e gravações raras, foi única.
Para nós, particulamente, Leon Barg foi de muita importância, nos colocando entre esses imortais da Revivendo, com o nosso "Ary Mineiro" (a obra de Ary Barroso). Como ele nos disse na época: "vocês são as únicas vivas do meu catálogo..."
Que Deus o receba com o coro infinito das vozes que ele homenageou um dia.

Celia e Celma


www.celiaecelma.com.br

POSTAGENS MAIS VISTAS