Seguir o blog

sábado, 12 de outubro de 2013

BIOGRAFIAS E RODAS GONZAGUEANAS

Essa polêmica toda em torno de biografias e biógrafos já serviu para uma coisa muito importante: tirar a máscara de alguns medalhões da elite musical brasileira, como Caetano Veloso e outros que integram a tal Associação Procure Saber, representada pela negociante Paula Levigne.
Ainda acho que Chico e Gil não estão nessa...
Lembro quando uma vez eu disse a Luiz Gonzaga, rei do baião, que iria escrever um livro contando a sua história e queria a sua presença na noite de lançamento; e ele numa risada espalhafatosa simplesmente respondeu:
- Oxente, e eu mereço?
Meio tonto com o que ouvira, respondi com um “claro”.
Depois de nova risada, de novo ele:
- Você ainda não conhece o livro O Sanfoneiro do Riacho da Brígida sobre mim, que o paraibano Sinval Sá escreveu lá em 66? Pois vou lhe mandar.
E mandou, com uma enorme e deliciosa dedicatória.
Não demorei e escrevi Eu Vou Contar Pra Vocês (Ícone Editora, SP, 1990), que lancei no extinto Teatro das Nações na capital paulista, com a presença de vários grupos folclóricos e artistas de renome, como Inezita Barroso que anos antes dividira com Gonzaga uma curta e concorrida temporada no Rio de Janeiro. 
O pomposo lançamento teve direito até a uma chamada da TV Globo, com o repórter Carlos Magagnini entrando ao vivo no meio da tarde.
Lembro também da rainha do baião, Carmélia Alves, pedindo que eu pusesse em livro a sua história; e de Dominguinhos, que chegou a dar entrevista até no programa de televisão da Celia e Celma, do Canal Rural, dizendo que eu estava escrevendo a sua biografia; e a rainha do forró que não esperou por mim e lançou há pouco com pompa e circunstância a autobiografia Eu Sou Anastácia!, escrita em parceria com sua conterrânea jornalista Lêda Dias; e Antônio Barros e Cecéu, que andam chateados por eu não ter escrito até agora um livro contando a história dos dois, que são os mais importantes e profícuos autores de xotes, forrós e arrasta-pés do País...
Ah! Caetano, vá catar coquinhos.

GONZAGUEANAS
Hoje faz uma semana que iniciamos a primeira das três apresentações do projeto Rodas Gonzagueanas no palco do Centro Cultural Correios, 
no Rio de Janeiro, reunindo alguns dos mais importantes e representativos artistas da nossa música popular: Oswaldinho do Acordeon, Rildo Hora, Zé Calixto, Chico Salles (esses dois comigo, na foto ao lado), Anastácia e Socorro Lira; o poeta repentista Azulão, o pesquisador Ricardo Cravo Albin, que dá nome a um instituto e ao dicionário de MPB mais consultado do País; o produtor musical mais premiado do Brasil, José Milton, mediados por mim.
Na foto acima aparecem o zabumbeiro Zé Gomes, o percussionista Zé Leal, Oswaldinho do Acordeon, Socorro Lira, eu, José Milton e Azulão. 
A produção executiva do projeto Rodas Gonzagueanas, que começou com uma apresentação em dezembro de 2005, no Teatro Brincante (leia-se Antônio Nóbrega), é assinada por Andrea Lago; e a captação e edição de imagens, por Darlan Ferreira.

Um comentário:

Anônimo disse...

Se os medalhões "intervierem" (êta verbo difícil de se usar)nas biografias e nos biógrafos, com certeza amanhã serão medalhinas sem valor.

POSTAGENS MAIS VISTAS